Menu
2019-10-24T22:14:24-03:00
Natalia Gómez
Natalia Gómez
MELHOR QUE O ESPERADO

Com produção maior, Petrobras tem lucro de R$ 9 bilhões no 3º trimestre, alta de 36,8%

O resultado foi impulsionado pelo aumento da produção de óleo e gás e pelos recursos provenientes da venda da participação na BR Distribuidora, que somaram R$ 13,9 bilhões.

24 de outubro de 2019
21:31 - atualizado às 22:14
Petrobras
Imagem: Tania Regô/Agência Brasil

A Petrobras colheu os frutos do aumento da produção e registrou um lucro líquido de R$ 9,087 bilhões no terceiro trimestre deste ano, alta de 36,8% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Excluindo efeitos não recorrentes, o lucro líquido foi de R$ 9,973 bilhões, queda de 19,5%.

O Ebitda (lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 32,5 bilhões, alta de 9,1% ante o terceiro trimestre de 2018. A receita de vendas da companhia atingiu R$ 77 bilhões, 13,5% abaixo do resultado do ano anterior.

O lucro ficou acima do esperado pelos analistas. Segundo a Bloomberg, os analistas previam lucro líquido de R$ 8,622 bilhões no período e Ebitda de R$ 32,427 bilhões. A receita líquida projetada pelos especialistas era de R$ 78,952 bilhões.

Maior produção e venda da BR

O resultado foi impulsionado pelo aumento da produção de óleo e gás e pelos recursos provenientes da venda da participação na BR Distribuidora, que somaram R$ 13,9 bilhões. No período, houve um efeito negativo de R$ 2,9 bilhões de contingências judiciais e de baixas contábeis (impairment) de R$ 2,4 bilhões.

A produção forte foi um destaque no trimestre. A produção total (Brasil e exterior) de óleo, LGN e gás natural foi de 2,878 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) no trimestre, aumento de 9,3% em relação ao trimestre anterior e 14,6% na comparação anual. Os dados de produção foram divulgados em relatório na semana passada.

Na comparação com o segundo trimestre, quando o lucro chegou ao recorde de R$ 18,8 bilhões, houve uma queda de 51,8%. Na ocasião, a empresa foi ajudada pela venda da TAG e não teve os efeitos negativos de contribuição social decorrente da baixa de ativos fiscais diferidos no exterior.

Até o momento, o plano de desinvestimentos da Petrobras somou US$ 15,3 bilhões em valor total em 2019, sendo que a venda da TAG foi a mais relevante, no montante de US$ 8,7 bilhões.

Dívida melhorou

A dívida líquida da petroleira fechou o mês de setembro em US$ 75,4 bilhões, queda de 9,9% ante o trimestre anterior. Com isso, a alavancagem (relação entre dívida e Ebitda ajustado) passou de 2,96 vezes no segundo trimestre para 2,58 vezes no terceiro. Sem o efeito da mudança contábil ocorrida neste ano, a relação seria ainda menor, de 1,96 vez no terceiro trimestre.

A meta da estatal é chegar a 2020 em uma relação dívida líquida/Ebitda de 1,5 vez.

As despesas financeiras pesaram na comparação com o terceiro trimestre de 2018. O resultado financeiro ficou negativo em R$ 10,8 bilhões, ante resultado negativo de R$ 6,2 bilhões um ano antes.  As variações monetárias e cambiais reduziram o lucro em R$ 2,6 bilhões, segundo a companhia.

Cortes de custos

No balanço, a empresa informou que o fluxo de caixa operacional de R$ 32,8 bilhões foi um recorde histórico para a companhia, mesmo em um cenário de queda de preços, que passaram de US$ 75,27 no 3T18 para US$ 61,94 por barril no 3T19. Segundo a administração, isso foi possível devido aos esforços para melhorar a eficiência.

“Processos estão sendo redesenhados, lançamos uma família de programas de demissão voluntária (PDVs) nos quais já se inscreveram mais de 2.000 empregados, desocuparemos quatro prédios até o final do ano, estamos passando de 18 escritórios fora do Brasil para somente cinco e várias outras medidas estão sendo implementadas com o emprego da transformação digital”, afirmou o presidente da Petrobras no documento.

Investimentos devem chegar lá

No terceiro trimestre, os investimentos totalizaram US$ 2,6 bilhões. No acumulado do ano, o montante US$ 7,6 bilhões, em trajetória convergente com a nova meta de investir US$ 10 a 11 bilhões, divulgada no balanço anterior.

Dinheiro no bolso

A empresa informou hoje que vai antecipar a distribuição de juros sobre o capital próprio para os acionistas no valor de R$ 2,6 bilhões, equivalente a R$ 0,20 por ação ordinária e preferencial em circulação. O pagamento ocorrerá em 07 de fevereiro de 2020 e a data corte será 11 de novembro de 2019 para as ações negociadas na B3.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Você está cometendo esses erros nos seus investimentos?

Milhões de pessoas perderam trilhões de dólares porque violaram as leis da natureza. Uma das principais leis ou princípios que elas violaram é a Lei de Newton: para cada ação, há uma reação igual em direção oposta

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements