Menu
2019-07-23T21:15:56-03:00
Estadão Conteúdo
Olha só

Guedes: Temos certeza de que o preço do gás vai cair

O ministro disse que o novo programa vai quebrar monopólios e, com isso, “todo mundo quer se juntar ao barco”. “Vem gás da Bolívia, do fundo do oceano, do pré-sal, vem da Argentina, e isso vai derrubar o preço do gás”, avaliou

23 de julho de 2019
21:15
O ministro da Economia, Paulo Guedes, em audiência pública da Comissões de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.
Paulo Guedes, ministro da Economia - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que "com certeza" o preço do gás natural vai cair nos próximos dois anos, mas não é possível estimar o porcentual da redução. Citando como referência preços praticados na Europa, Estados Unidos e Japão, ele disse que, no Brasil, o preço da molécula de gás precisa chegar a pelo menos 7 dólares por milhão de BTU.

"Tem gente que estima em até 40% em dois anos a queda do gás natural no Brasil. Temos certeza que o preço vai cair. Que o preço vai cair, vai. Se vai cair 20%, 30%, 40% ou mais não sabemos", disse. "O nosso tem que cair pelo menos para 8 dólares (por milhão de BTU), pelo menos para 7 dólares (por milhão de BTU), porque nós temos o gás (produção no território nacional)". Ele citou como exemplo o caso do Japão, onde o preço é inferior ao do Brasil, embora o país não seja produtor e tenha que importá-lo de outros locais.

O ministro disse que o novo programa vai quebrar monopólios e, com isso, "todo mundo quer se juntar ao barco". "Vem gás da Bolívia, do fundo do oceano, do pré-sal, vem da Argentina, e isso vai derrubar o preço do gás", avaliou.

Guedes rebateu críticas de que o governo não apresentou programas para o País, citando que o "Novo Mercado de Gás", lançado nesta terça, vem sendo elaborado há seis meses.

Ele também declarou que inicialmente o governo precisava equilibrar as contas públicas com o encaminhamento da Reforma da Previdência, mencionando os deputados que aprovaram o texto em primeiro turno na Câmara.

"Despertar essas forças produtivas é o que estávamos fazendo desde o início. E com a colaboração claríssima do Congresso. Sempre confiamos no Congresso que vai cumprir missão de remover a ameaça do buraco negro da Previdência nos engolir", discursou.

Em mais de um momento, Guedes aproveitou para agradecer o presidente Jair Bolsonaro, dizendo que ele permitiu "um alinhamento de astros que torna as coisas possíveis'. "Agradeço ao presidente Bolsonaro pela possibilidade de nos permitir transformar o Brasil. Agradeço a força do presidente, a cooperação dos ministros e das forças políticas."

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Confiança em alta

Casa Branca não vê fator gerador de inflação que Fed não possa controlar

A presidente do Conselho de Consultores Econômicos do governo ressaltou que é importante focar nas tendências para os índices ao invés de oscilações semanais ou mensais

Política monetária em detalhes

Diretor do BC afirma que Selic em 2% não era mais necessária e defende centro da meta inflacionária

Bruno Serra explicou que a retomada da atividade econômica foi mais rápida do que se imaginava e justificou a elevação da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies