Menu
2019-02-19T16:07:38-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Reforma

Só em agosto? Itaú prevê votação da Previdência no segundo semestre

O projeto de Bolsonaro é mais ambicioso no papel, mas o Itaú trabalha com uma economia fiscal semelhante à proposta apresentada pela gestão Temer

19 de fevereiro de 2019
12:09 - atualizado às 16:07
Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco
Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco - Imagem: Solange Macedo/Itaú

O projeto de reforma da Previdência que será apresentado amanhã ao Congresso pelo governo Bolsonaro deve ser votado na Câmara em agosto, de acordo com projeções do Itaú Unibanco.

A estimativa leva em conta o tempo médio de tramitação dos projetos de emenda constitucional (PEC) no legislativo, que fica ao redor de 70 dias.

A minuta que chega ao Congresso deve propor uma economia de R$ 1,05 trilhão em dez anos, o equivalente a 2,5% do PIB, segundo Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú.

O projeto de Bolsonaro é mais ambicioso no papel que o apresentado pela gestão Temer, que originalmente levava a uma economia de 2,1%.

Mas o Itaú acredita que o projeto aprovado após a tramitação terá um ganho fiscal menor, da ordem de 1,5% do PIB. Ou seja, semelhante à proposta desidratada do governo Temer, que ficou pronta para ser votada, mas não foi adiante.

"Nosso cenário é conservador, mas se a proposta do atual governo for pouco desidratada, como muitos acreditam, ajudaria a aumentar a confiança", afirmou Mesquita a jornalistas.

Para ser votada ainda neste semestre, a reforma da Previdência teria que passar pelas comissões da Câmara até, no máximo, meados de junho, em razão das festas juninas e do recesso no legislativo no mês seguinte, segundo o economista do Itaú.

As condições para a aprovação das reformas passam por três pontos: popularidade do governo, identificação ideológica com o Congresso e capacidade de articulação, segundo Mesquita. Ele enxerga no governo Bolsonaro as duas primeiras, e vê a terceira ainda em construção.

Entre os pontos da reforma da Previdência que podem passar por uma desidratação estão a idade mínima e a regra de transição. Juntos, eles trariam uma economia de R$ 535 milhões em dez anos, se aprovados conforme o anunciado na semana passada: 62 anos para mulheres e 65 para homens e 12 anos de prazo, pelos cálculos do Itaú.

Além da previdência

A aprovação da reforma da Previdência é necessária, mas não suficiente para equalizar a situação fiscal brasileira, segundo o economista-chefe do Itaú.

A política de reajuste do salário mínimo e do funcionalismo na gestão Bolsonaro também serão fundamentais para o equilíbrio das contas públicas, assim como a retomada da economia. Mesquita não descartou a possibilidade de que o governo precise promover algum aumento de imposto.

Para este ano, o Itaú projeta que o governo terá um déficit primário de R$ 97 bilhões. Mas o banco não descarta a possibilidade de o ministro da Economia, Paulo Guedes, cumprir a promessa de chegar a um déficit zero já em 2019.

Só que para isso ele dependerá de receitas extraordinárias, que não se repetirão nos anos seguintes. A principal delas é o leilão da cessão onerosa das áreas do pré-sal, que podem trazer um ganho da ordem de R$ 80 bilhões para os cofres públicos, segundo Pedro Schneider, economista do Itaú.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

“efeito de três pontos”

O [mau] comportamento dos mercados: as semelhanças entre a trajetória do câmbio e de uma bola de basquete

O câmbio vai oscilar ao gosto das notícias – das guerras comerciais à falta de agenda econômica do governo federal. Mas existe um estranho – e ainda pouco compreendido – “efeito de três pontos”.

DRAGÃO COM FOME

Comida pressiona inflação até o fim do ano, dizem analistas

Dólar em alta, oferta escassa por causa da entressafra e o auxílio emergencial estão provocando o aumento dos preços

CCR: Alerj recomenda retomar concessão de rodovia, mas governo é contra

Assembleia quer retomada da rodovia para reduzir tarifas, consideradas altas devido a irregularidades no contrato de concessão

TRETA

Maia e Alcolumbre criticam Salles após atrito com Ramos

Presidente da Câmara diz que ministro do Meio Ambiente resolveu destruir o próprio governo

SE PROTEJA

Títulos de renda fixa atrelados ao IPCA viram opção

Alta da inflação em outubro faz investidores e gestores avaliarem novas formas de proteção de patrimônio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies