2019-06-07T18:48:38-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Falou demais

CEO da Tesla, Elon Musk fecha acordo com CVM dos EUA para colocar um revisor em seus tuítes

Decisão promete acabar com as várias polêmicas em que o executivo se meteu nos últimos tempos ao usar sua conta pessoal no Twitter

29 de abril de 2019
16:08 - atualizado às 18:48
O bilionário Elon Musk, CEO da Tesla
Elon Musk, CEO da Tesla - Imagem: Wikimedia Commons

Depois de muitas dores de cabeça envolvendo negócios de peso, o CEO e fundador da Tesla, Elon Musk, fechou um acordo na semana passada com a Comissão de Valores dos EUA (SEC, em inglês) para colocar limites em seus próprios tuítes.

A decisão promete acabar com as várias polêmicas que Musk se meteu nos últimos tempos ao usar sua conta no Twitter para soltar informações-chave sobre os negócios da Tesla.

No acordo, o executivo ficará livre para postar o que bem entender nas redes sociais, exceto quando o assunto for Tesla. Nesses casos, a publicação deverá passar pelo aval de um representante jurídico da companhia antes de ir ao ar.

Entre os casos barrados estão:

  • informações sobre a condição financeira da empresa, fusões, aquisições ou joint ventures;
  • números de produção, vendas ou entrega;
  • dados sobre linhas de negócios da Tesla;
  • projeção, previsão ou números de estimativas referentes aos negócios da empresa que não foram publicados anteriormente na orientação oficial;
  • eventos relativos aos valores mobiliários da empresa
  • decisões legais ou regulamentares não públicas;
  • qualquer evento que requeira a apresentação de um Formulário 8-K;
  • informações sobre mudanças na diretoria da Tesla.

Uma história de cabeçadas

O embate entre a SEC e Musk começou lá atrás, depois depois que o executivo tuitou, em 7 de agosto de 2018, que tinha "financiamento garantido" para uma aquisição privada da empresa por US$ 420 por ação.

Na ocasião, a SEC apresentou uma queixa alegando que Musk havia cometido fraude de valores mobiliários. Processos também foram movidos por vários investidores, que afirmavam que seus os tuítes influenciaram artificialmente as ações da empresa, já que o executivo é o maior investidor.

Após a reclamação, Musk chegou a um acordo com a comissão. Nele, a Tesla pagaria uma multa de US$ 20 milhões e nomearia diretores independentes para o conselho, enquanto Musk também desembolsaria US$ 20 milhões e renunciaria ao cargo de presidente por um período de pelo menos três anos.

Mas a trégua durou pouco. Em 19 de fevereiro deste ano, Musk voltou a abrir o bico, afirmando que a Tesla produziria cerca de 500.000 carros este ano, corrigindo-se horas depois.

Para a SEC, o tuíte havia sido uma clara violação do acordo. Já Musk defendia a posição que sua publicação estava dentro da norma. O embate se sustentou por mais de dois meses, até que um novo acordo foi selado.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

CORRIDA ELEITORAL

Bolsonaro promete Auxílio Brasil de R$ 600 reais após pesquisa eleitoral mostrar vitória de Lula no 1º turno

Um eventual reforço do benefício social depende de aprovação no Legislativo para a promessa do presidente se tornar realidade

Tapete vermelho

Magazine Luiza (MGLU3): Ações vão mal, mas a Lu do Magalu brilha com prêmio internacional

Influenciadora digital do Magazine Luiza recebeu o Cannes Lions na categoria Social & Influencer Lions, que celebra trabalhos criativos envolvendo redes sociais

E A ESTATÍSTICA AUMENTA

A onda de demissões não tem hora para acabar: fintech Hash faz novo corte no quadro de funcionários

Essa é a terceira demissão em massa na startup nos últimos três meses; a Hash ainda não informou quantos colaboradores foram afetados

EXILE ON WALL STREET

Um foguete de previdência: Qual é a melhor filosofia de investimentos para investir para a sua aposentadoria?

Confira o foguete mais seguro, moderno, diversificado e com maior potencial para te lançar nesta jornada de aposentadoria dos sonhos

SEU DINHEIRO EXPLICA

A Petrobras (PETR4) abriu as portas do inferno: último reajuste dos combustíveis provocou a ira de Bolsonaro, que ameaça a estatal; descubra se PETR4 ainda vale a pena nesse cenário

A petroleira virou alvo de ataques com artilharia pesada após último reajuste no preço dos combustíveis, que elevou o valor da gasolina em mais de 5% e o do diesel em 14%; descubra se a estatal é mesmo responsável por esse crime contra o seu bolso

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies