Menu
2019-04-04T13:51:08-03:00
Estadão Conteúdo
Não está nada fácil para o acionista

Petróleo em queda livre faz Petrobras perder quase R$ 50 bilhões em valor de mercado

Petroleira é castigada desde o começo do mês e faz acionista esquecer o otimismo com a ‘onda Bolsonaro’

23 de novembro de 2018
18:58 - atualizado às 13:51
Petrobras
Petrobras terminou o mês passado valendo R$ 384 bilhões e, nesta sexta-feira, 23, está cotada a R$ 335 bilhõesImagem: Shutterstock

Após recuperar o posto de empresa mais valorizada da bolsa neste ano, a Petrobras derrapou neste mês e acumula perda de R$ 49 bilhões de valor de mercado com a queda do preço do petróleo no mercado internacional. Os investidores deixaram para trás o entusiasmo com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República e desde o dia 30 do mês passado castigam as ações da empresa por conta da perspectiva de queda de receita. Para o consumidor, alguns combustíveis já estão mais baratos, ao mesmo tempo em que o governo sinaliza que há fôlego para acabar com o subsídio do óleo diesel.

A Petrobras terminou o mês passado valendo R$ 384 bilhões e, nesta sexta-feira, 23, está cotada a R$ 335 bilhões. Em menos de um mês, desvalorizou quase 15%, na sombra da baixa da commodity.

Os preços do petróleo nos mercados internacionais fecharam nesta sexta no menor patamar desde outubro de 2017. O tipo Brent, negociado na ICE, em Londres, caiu 6,07%, a US$ 58,80. Já o WTI, comercializado em Nova York, está prestes a valer menos que US$ 50, depois de cair 7,70% nesta sexta, a US$ 50,42 o barril.

"Ainda que a queda do preço do petróleo tenha começado em outubro, as ações da Petrobras não refletiam a conjuntura internacional porque o mercado estava precificando a continuidade dos ajustes financeiros na estatal, com a perspectiva de vitória de Bolsonaro. Passada a eleição, há um efeito muito forte que vem de fora. A commodity está caindo com a expectativa de que a economia mundial está perdendo força", avaliou o economista-chefe da RC Consultores, Marcel Caparoz.

Como efeito, ele prevê a retração da receita da Petrobras e também da inflação. "Os preços caíram nas refinarias, mas essa queda não chegou aos consumidores na bomba. A tendência é que a gasolina fique mais barata nos postos nas próximas semanas. E isso tem impacto na inflação", avaliou o economista.

A Petrobras reduziu o preço da gasolina em 31% desde que atingiu o valor mais alto de 2018, de R$ 2,2514 por litro, de 14 a 22 de setembro. Agora, está a R$ 1,5556. Nas bombas, no entanto, os preços ainda resistem. Levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) demonstra que o litro permaneceu estável. Apenas na última semana começou a cair, chegando a R$ 4,614.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Direto na conta

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial

Nascidos em janeiro receberão nas contas poupança digitais

ESTRADA DO FUTURO

As ações de tecnologia estão caras ou baratas? Saiba como os analistas fazem as contas

Com o tempo, a análise dessas empresas migrou da abordagem de tradicional para um modelo de probabilidades e grandes números

Pandemia

Número de óbitos por covid-19 passa de 434 mil; casos passam de 15,5 milhões

Mais de 2 mil mortes e 67 mil novos casos foram registrados nas últimas 24 horas

Polui menos

Petrobras bate recorde de vendas de diesel S-10

Impacto ambiental do derivado é menor

Acabou a mamata?

Congresso reage a supersalários da cúpula do governo

Medida beneficia diretamente o presidente Jair Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies