Menu
2018-11-21T13:47:47-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Renda fixa

LIG: o que você precisa saber sobre o novo investimento que os bancos vão oferecer

Letra Imobiliária Garantida começa a aparecer na prateleira do seu banco ou corretora a partir desta quarta-feira, quando começa o registro do novo título na B3

21 de novembro de 2018
5:32 - atualizado às 13:47
imóveis em São Paulo
Imagem: Shutterstock

A sopa de letrinhas dos investimentos ganha uma nova sigla a partir desta quarta-feira (21). Além dos já conhecidos CDB, COE, LCI e LCA, é provável que você comece a ver na prateleira do seu banco ou corretora a Letra Imobiliária Garantida. Ou simplesmente LIG.

A B3 liberou o registro da nova letra de crédito em seus sistemas a partir desta quarta-feira. Esse era o último passo do longo caminho traçado pela LIG para sair do papel.

Imagino que você agora esteja com várias dúvidas. Afinal, o que é a LIG? Por que ela foi criada? E, mais importante, vale a pena investir?

Dinheiro curto, prazo longo

Para responder a essas questões, cabe primeiro um pouco de história. E tem a ver com um caso mal resolvido no Brasil: o financiamento para a compra da casa própria.

A principal fonte de recursos que os bancos usam para emprestar aos clientes que querem comprar um imóvel vem do dinheiro que outros clientes depositam na caderneta de poupança.

O grande problema é que os financiamentos têm prazos longos, que podem chegar aos 30 anos, enquanto que o dinheiro da poupança tem liquidez diária e pode ser resgatado a qualquer momento.

Ou seja, em uma situação limite em que todos os investidores decidissem tirar o dinheiro da caderneta ao mesmo tempo, os bancos não conseguiriam honrar todos os saques.

É claro que esse cenário é improvável do ponto de vista estatístico, até porque os bancos conseguem controlar bem o comportamento dos fluxos da poupança. Mas não muda o fato que a caderneta não é o funding ideal para financiamento imobiliário.

A poupança contava com um saldo total de R$ 776 bilhões no fim de outubro, considerado mais que suficiente para dar conta da demanda por crédito. Mas essa situação pode mudar se o mercado imobiliário voltar a se aquecer.

Dupla garantia

Foi para suprir essas duas lacunas - dinheiro e prazo - que a letra imobiliária garantida foi criada. A LIG é um título emitido por instituições financeiras, assim como os CDBs e as outras siglas que eu menciono no começo desta matéria. Ou seja, o principal risco que você corre é o da instituição que emitiu os papéis.

A grande novidade da nova letra é que ela contará com uma garantia adicional. Em caso de problemas com o banco no qual você aplicou seu dinheiro, a LIG é garantida (por isso o nome) por uma carteira de financiamentos imobiliários que a instituição concedeu.

Essa carteira fica separada do patrimônio do banco que emitiu a LIG. Quer dizer, se a instituição financeira quebrar, os financiamentos que serviram de cobertura para a emissão dos papéis não vão se misturar com a massa falida e serão usados para pagar os investidores.

Além dessa dupla garantia, a letra conta com o apelo da isenção de imposto de renda tanto para pessoas físicas aqui no Brasil como para investidores estrangeiros. Outra novidade da LIG é a possibilidade de correção atrelada à variação cambial.

Sem liquidez e sem FGC

Mas quem estiver disposto a investir na LIG precisa abrir mão de um velho conceito: liquidez diária. Como o prazo mínimo de emissão da letra é de dois anos, não adianta bater na porta do banco para pedir o dinheiro de volta antes disso.

A nova letra imobiliária também não conta com outro atrativo que caiu no gosto do investidor brasileiro: a cobertura do fundo garantidor de créditos (FGC).

Pra que mais uma sigla?

Desde a criação até a regulamentação e o registro da LIG na B3 passaram-se mais de três anos. A primeira dúvida que surgiu foi sobre a real necessidade de mais um instrumento de captação para os bancos.

Afinal, já existem outros dois títulos disponíveis no mercado para o financiamento da casa própria: a letra de crédito imobiliária (LCI) e os certificados de recebíveis imobiliários (CRI).

Como ambos também contam com isenção de IR, por que alguém haveria de investir na LIG?

Falei com algumas pessoas do mercado a respeito, e eles me disseram que cada instrumento vai cumprir um papel específico.

Quando a LIG estiver consolidada, vai permitir com que os bancos consigam fazer emissões de prazos bem mais longos, algo que eles não conseguem nem com a LCI nem com o CRI, segundo me contou um executivo.

Isso porque a taxa de juros exigida pelos investidores para aplicar por um período tão longo hoje acaba inviabilizando o uso dos recursos para o financiamento imobiliário.

Mas a dupla garantia da LIG deve ajudar a reduzir essas taxas, além de ser uma fonte de recursos mais “casada” com o prazo dos empréstimos concedidos.

No melhor dos mundos, esse benefício pode se traduzir em juros menores para quem precisar tomar um financiamento para a compra da casa própria.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements