Menu
2018-09-26T18:22:23-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
juro americano

Fed sobe taxa de juros e reafirma ajuste gradual

Banco central americano eleva juro para 2% a 2,25% ao ano, maior em um década

26 de setembro de 2018
15:25 - atualizado às 18:22
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve
Fed continua trabalhando com mais uma alta do juro em dezembro e outras três em 2019 -

Em linha com o esperado pelo mercado, o Federal Reserve (Fed), banco central americano, subiu a taxa de juro em 0,25 ponto percentual, para intervalo entre 2% e 2,25% ao ano, e manteve o aceno de que o ajuste das condições monetárias seguirá ocorrendo de forma gradual. Atenções voltadas agora à entrevista do presidente Jerome Powell.

A primeira reação dos investidores é positiva, com os índices em Wall Street acelerando alta, mas sem grande entusiasmo. Por aqui, o que se nota é uma queda mais acentuada do dólar e maior fôlego na compra de ações na bolsa de valores.

O Fed continua trabalhando com mais uma alta do juro em dezembro e outras três em 2019, mantendo o que já tinha acendo na reunião passada. A principal mudança na linguagem foi a saída da avaliação de uma política monetária “acomodativa”. Algo que estava sendo esperado.

Entre as projeções apresentadas, a previsão para o crescimento da economia subiu de 2,8% para 3,1% em 2018, com desaceleração para 2,5% em 2019, 2% em 2020 e 1,8% em 2021. Esta é a primeira vez que o Fed apresenta seus “dot plot” para 2021.

Para a taxa de desemprego, a expectativa é de 3,7% neste ano, ante 3,6% da reunião anterior, com queda para 3,5% em 2019 e 2020, e alta para 3,7% em 2021. A taxa de desemprego para o longo prazo seguiu em 4,5%. As expectativas de inflação seguem ao redor de 2% ao longo de todo o horizonte de projeção.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

É para quando?

Ainda vai levar “algum tempo” para início da redução de estímulos econômicos, defende dirigente do Fed

James Bullard enfatizou que a retirada começará apenas quando a instituição tiver registrado um avanço “substancial” em direção a suas “métricas”.

Embarque imediato

Depois de incorporação, acionistas da Smiles aprovam saída do Novo Mercado

Além disso, assembleia votou a destituição do conselho de administração e a eleição de novos membros, inclusive do presidente

Procuram-se semicondutores

Falta de chips adia recuperação da indústria automobilística

O setor deve perder a chance de recuperar mercado no segundo semestre, período em que tradicionalmente se vendem mais carros

Mais uma na bolsa

Investindo no banco de investimentos: BR Partners sobe forte na estreia na bolsa

A BR Partners, banco de investimentos independente, concluiu seu IPO e estreou na bolsa nesta segunda — e a recepção do mercado foi boa

Tela azul

O “selo Buffett” no Nubank, a falha da Coca-Cola com CR7 e uma fraude no setor de tecnologia; confira os destaques da edição #37 do Tela Azul

Richard Camargo, André Franco e Vinícius Bazan comentam os principais assuntos no mundo das techs em papo descontraído e reforçam o convite para o evento que vai revelar as ações de tecnologia mais promissoras do momento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies