Menu
2018-10-15T20:21:27-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bancos x plataformas

E agora, corretoras? Taxa zero acirra concorrência pelos seus investimentos

Mesmo com a reação dos bancões, os executivos das plataformas de investimento com quem conversei dizem que o movimento de migração dos recursos para elas deve continuar. Mas onde vai parar a guerra de tarifas? Provavelmente com a consolidação desse mercado

16 de outubro de 2018
6:01 - atualizado às 20:21
shutterstock_688746844
Além do preço, plataformas querem entrar no ringue com maior variedade de produtos - Imagem: Shutterstock.com

Demorou, mas os gigantes enfim despertaram. Depois de assistirem um tanto atordoados ao ataque das corretoras e plataformas de investimentos, os grandes bancos decidiram revidar, e na mesma moeda: zeraram as taxas nas aplicações no Tesouro Direto e de carregamento na previdência privada.

A escolha teve o claro objetivo de estancar a sangria. O Tesouro Direto era justamente a porta de saída mais usada pelos clientes dos bancos na direção das corretoras independentes, que já ofereciam a aplicação em títulos públicos sem a cobrança de taxas.

O contra-ataque não demorou a acontecer. Em um sinal de que pretendem combater fogo com fogo, as corretoras Clear, do mesmo grupo da XP Investimentos, e Modalmais anunciaram a redução para zero da corretagem nas operações com renda variável.

Para saber até onde vai essa briga de preços e quais as estratégias das estratégias das corretoras para atraírem os seus investimentos, estive com vários executivos e profissionais de mercado nas últimas semanas.

Toda essa disputa pode ser boa para o seu bolso. Mas fique de olho: como a velha máxima das finanças já ensina que não existe almoço grátis, a aposta é que corretoras e bancos vão compensar a perda dessa receita com outros serviços. Ou seja, você pode deixar mais dinheiro na mesa com a taxa zero.

Além do zero

Mas não é só via isenção de cobranças que as plataformas querem competir contra os bancos. Elas apostam na maior variedade de produtos na prateleira e na qualidade dos serviços.

Mesmo com a reação dos bancões, os executivos das corretoras com quem conversei dizem que o movimento de migração dos recursos para elas não deve parar.

“Apesar da taxa zero no Tesouro Direto, o incentivo do gerente do banco continua o mesmo: vender poupança e título de capitalização”, diz Marcio Cardoso, presidente da Easynvest.

Com R$ 15,5 bilhões em ativos sob custódia e 300 mil clientes ativos, a corretora não vê a necessidade de uma reação imediata à decisão dos concorrentes de zerar a corretagem na renda variável. Embora tenha começado como um home broker, hoje as operações de renda fixa representam 90% das operações da Easynvest.

A simples redução do preço pelos bancos não iguala o serviço oferecido pelas plataformas, segundo Aline Sun, sócia da Guide Investimentos. A estratégia da corretora, que teve o controle vendido para os chineses da Fosun, é não se colocar como um “supermercado financeiro”, como a XP, e fazer uma curadoria de produtos para o cliente.

Embora não veja uma mudança na tendência de migração dos recursos dos grandes bancos, Marcelo Flora, responsável do BTG Pactual Digital, diz que a concorrência vai ficar mais dura para as plataformas de investimento.

“Como ainda estamos no nosso primeiro ano como plataforma completa, esse movimento dos bancos deve afetar os outros antes de nos afetar”, diz Flora.

Além da receita em si, o sócio do BTG diz que o projeto da plataforma digital traz benefícios para outras áreas do banco, como a redução no custo de captação. Desta forma, o BTG pode ampliar suas operações de crédito a empresas com margens melhores e um funding mais estável. Ele me contou os planos do banco nesta outra reportagem para o Seu Dinheiro.

Consolidação à vista?

Os bancos também mostraram que não vão brigar apenas com taxas e têm dedicado mais esforços na tentativa de se proteger contra o ataque das plataformas. O movimento mais representativo foi o do Itaú Unibanco, que fechou a compra de 49,9% do capital da XP, por R$ 6,3 bilhões. O banco também foi o primeiro a oferecer produtos de terceiros para os clientes de alta renda, do segmento Personnalité‎.

O Bradesco correu atrás reativando a Ágora, corretora que havia comprado há uma década, agora sob a roupagem de uma plataforma de investimentos. O próximo movimento deve ser do Santander, que pretende lançar sua própria plataforma até o fim deste ano.

Na entrevista que fiz com o presidente do Santander, Sérgio Rial, para o lançamento do Seu Dinheiro, perguntei como o banco pretendia se diferenciar nessa disputa, se por preço ou produto. Ele me respondeu seria uma combinação dos dois.

Mas Rial foi além no raciocínio e disse que, diante do aumento da concorrência, as margens nesse negócio tendem a se espremer. “Cada novo que entra corta preço. Então, na média, todos vão ganhar menos. E o que vai acontecer? Consolidação”, ele disse.

Reproduzi a análise do presidente do Santander para os executivos das plataformas com quem conversei. Há um consenso de que alguma consolidação nesse mercado de fato virá em algum momento.

“Escala é o nome do jogo para compensar a queda de preços”, diz Evandro Pereira, presidente da Genial Investimentos.

Mas, antes de possíveis incorporações entre plataformas, ainda há um longo caminho a ser percorrido, segundo o executivo da Genial, que possui R$ 21 bilhões em ativos e 150 mil clientes cadastrados. Com 95% dos recursos dos investidores ainda nas mãos dos grandes bancos, ele diz que as plataformas têm espaço para ganhar escala trazendo para si um pedaço desse bolo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

14 notícias para você começar o dia bem informado

Chegou a segunda-feira e o Victor Aguiar traz um panorama das ações para você ficar de olho nesta semana. Eu também tenho um recado importante: abra seu e-mail às 11h. Vou trazer uma novidade que pode adiantar seus planos de aposentadoria. O que você precisa saber hoje: Mercados • Mesmo sem empolgar com os mais recentes dados da […]

bem na praça

Fintechs e corretoras lideram avaliações positivas de clientes

Nota geral mais alta foi da corretora Órama, com 4,64, em uma escala de 0 a 5. Ela foi seguida pelo Nubank (4,37), Banco Inter (4,31), a corretora Mirae (4,22) e o BTG Pactual Digital (4,20)

olho na composição

Ações de companhias elétricas podem equilibrar a carteira de investimentos

Empresas são consideradas mais resistentes a ciclos de baixo crescimento da economia e sentem menos os altos e baixos da Bolsa

sem privilégios

Petrobras pode perder direito de preferência no próximo leilão do pré-sal

Segundo jornal, avaliação é de que esse direito distorce a concorrência e afasta competidores

O que esperar dos mercados?

BCs, Davos e feriados pautam os negócios na semana

Enquanto líderes mundiais viajam para o Fórum Econômico de Davos, os investidores aguardam novidades dos BCs e da atividade doméstica. Feriados diminuem a liquidez dos negócios

dinheiro no caixa

Ânima Educação anuncia oferta de ações que pode movimentar R$ 1 bilhão

Empresa quer recursos para novas aquisições estratégicas e investimentos nas atuais linhas de negócio da companhia

na mesma

China mantém taxas de juros de referência inalteradas pelo 2º mês seguido

Taxa de empréstimos de um ano, que em agosto passou a ser uma taxa principal, permanece em 4,15%

empresário tinha 96 anos

Morre fundador do grupo Queiroz Galvão

Fundador ao lado de seus irmãos Dario, João e Mário em 1953, Antônio ajudou a transformar a pequena construtora de Pernambuco em uma das maiores empreiteiras do País

Seu Dinheiro Premium

Os segredos da bolsa: ações de dois setores têm uma semana intensa pela frente

A agenda econômica doméstica continua no centro das atenções do mercado, mas diversos eventos no exterior podem trazer volatilidade à bolsa

De olho nos desbancarizados

Fintech do Santander, Superdigital quer ser a conta dos MEI e das classes C e D

Banco digital de bancão, a Super dá lucro, cobra tarifa e não se volta para os millenials descolados. Foco são os desbancarizados e, sobretudo, as folhas de pagamento dos grandes empregadores.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements