Menu
2018-12-05T16:27:11-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Audiência Pública

Atuação firme do BC garantiu queda da inflação e juros na mínima histórica, diz Ilan

No Senado, presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, destaca importância de reformas e de medidas tomadas para ampliar a concorrência no sistema financeiro. Ilan também falou de sua saída e fez uma confissão

5 de dezembro de 2018
11:02 - atualizado às 16:27
Ilan-Goldfajn-CAE-DEZ-18
Presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn, participa de audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), no Senado Federal, em Brasília. - Imagem: Beto Nociti/BCB

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, destacou a atuação firme do Banco Central (BC) como fator que permitiu a queda da inflação e das expectativas e a consequente redução da Selic para a mínima histórica de 6,5% ao ano.

Ilan foi à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE), mas o quórum estava baixo. A sessão começou apenas com o senador Valdir Raupp (MDB-RO) na área destinada aos parlamenteares. Volume, mesmo, só dos colegas jornalistas, mais de dez, no fundo da sala da comissão.

“A atuação firme e transparente do Banco Central nos momentos de maior volatilidade ao longo do ano foi fundamental para a manutenção da funcionalidade de nossos mercados e amorteceu os impactos desses choques sobre preços”, disse.

Essa atuação permitiu, segundo Ilan, a consolidação da inflação em torno da meta e a ancoragem das expectativas de inflação. A consolidação das taxas de juros em níveis historicamente baixos, e a sustentação do processo gradual de recuperação da economia.

Em seu discurso, Ilan falou sobre o cenário desafiador para as economias emergentes agora em 2018. A normalização da política monetária americana provocou um choque de natureza global, mas afetou cada economia de acordo com suas características particulares.

Entre essas características, Ilan destacou a necessidade de financiamento externo e a existência ou não de Banco Central com autonomia. Como exemplo, citou dúvidas sobre essa autonomia do BC na Argentina e na Turquia, países que sofreram mais com a turbulência internacional.

Sobre inflação, Ilan mostrou dados para respaldar a avaliação de que a inflação está na meta e as expectativas ancorada e lembrou que quando chegou ao BC, com inflação de quase 11%, os preços “teimavam em ficar em alta” apesar de as condições serem condizentes com a inflação caindo.

Nesse ponto ele destacou a importância do controle das expectativas e do compromisso do BC em levar a inflação para meta. Atualmente, disse Ilan, tanto os analistas quanto quem negocia no mercado acreditam que a inflação estará na meta nos próximos anos.

Reformas

Ilan afirmou, no entanto, que esses resultados ligados a inflação baixa e juros em mínima histórica só vão poder se manter se continuar o processo de aprovação e implementação de reformas, notadamente as medidas de ajuste fiscal. Esses ajustes são necessários para o funcionamento pleno da política monetária e para a redução da taxa de juro estrutural.

Uma frustração com a continuidade dessa agenda de ajustes e reformas faz parte do balanço de risco do BC e poderia levar a uma retirada de estímulo monetário, ou seja, elevação da Selic.

Ainda de acordo com Ilan, o crescimento esperado de 2,4% para 2019, pode ser ainda maior a depender do andamento das reformas.

Ilan também agradeceu o compromisso da CAE e do Senado com as medidas microeconômicas propostas pela Agenda BC mais, que busca elevar a concorrência no sistema financeiro, como regulamentação da fintechs de crédito e a criação da Letra Imobiliária Garantida (LIG).

Saída do BC

Na sessão de perguntas e respostas, o senador Garibaldi Alves (MDB-RN) fez uma pergunta “atrevida”, segundo ele mesmo, a Ilan. O senador queria saber o motivo de Ilan deixar a presidência do BC.

Ilan voltou a dizer que sua saída foi uma decisão de ordem pessoal, mas acrescentou que vai voltar às origens no setor privado. Ilan foi além e fez uma confissão, dizendo que se o BC tivesse ganhado mandato para seu presidente, talvez não se colocassem as questões pessoais que o levaram a anunciar sua saída da instituição.

Respondendo a perguntas vinda da internet, Ilan alertou sobre o risco dos criptoativos e reforçou que as criptomoedas não podem ser caminho para lavagem de dinheiro.

Ilan foi bastante elogiado pelo presidente da CAE, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e outros membros da comissão que chegaram ao longo da audiência.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MUDANÇA DE CARGO

Marinho anuncia que secretário Leonardo Rolim será novo presidente do INSS

Atualmente, 1,3 milhão de solicitações de benefício estão sem análise há mais de 45 dias, prazo legal para que o INSS dê uma resposta

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que fazer diante do coronavírus

Caro leitor, A essa altura, você talvez já saiba que o coronavírus causa infecções do trato respiratório superior, cujos sintomas principais são coriza, dor de garganta e febre. A doença pode chegar ao trato respiratório inferior, o que é mais comum em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou idosos. Você também já […]

De volta aos 116 mil pontos

Dia de correção: Ibovespa se recupera e fecha em alta de mais de 1,5%; dólar cai a R$ 4,19

Após amargar perdas de mais de 3% na segunda-feira, o Ibovespa teve um dia de alívio e encerrou com ganhos firmes, acompanhando o tom de maior calmaria no exterior. O coronavírus, no entanto, segue trazendo cautela às negociações

VEM, CHINESES

Doria diz que continua estimulando chineses a comprar instalações da Ford

No ano passado, Doria tentou ajudar o grupo brasileiro Caoa a comprar a planta da Ford e chegou a convocar uma coletiva de imprensa para anunciar um acerto entre as duas empresas. No entanto, as negociações não prosperam

DÍVIDA

Dívida pública federal sobe 1,03% em dezembro, e fecha 2019 em R$ 4,248 trilhões

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,22% em dezembro fechou o ano em R$ 4,033 trilhões

DE OLHO NOS GASTOS

Gasto de estrangeiro fica estagnado

Apesar do aumento no volume de pessoas de países com isenção de visto que vieram ao Brasil, isso não se refletiu no montante total de gastos dos turistas de fora

AVALIAÇÃO NEGATIVA

Após aumento de custos e queda nos lucros, Credit Suisse corta preço-alvo para ações da Cielo

Entre os pontos de atenção citados pelos analistas no relatório está a queda de margens, que alcançaram os menores níveis já vistos

as queridinhas dos jovens

Apple, Amazon e Tesla estão entre as ações preferidas dos millennials; confira ranking

Empresa diz ter analisado 734 mil contas de investimento de americanos com idade média de 31 anos

Azul, JBS, Cielo e Petrobras: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

O mercado reagiu positivamente às novidades anunciadas pela Azul em sua gestão de frota — e, como resultado, as ações da companhia aérea dispararam. Já a Cielo teve um dia intenso na bolsa, em meio à divulgação do balanço trimestral da companhia

motivo de preocupação dos mercados

Brasil investiga caso suspeito de coronavírus

Caso a infecção por coronavírus seja confirmada, o nível de alerta no país sobe para de Emergência de Saúde Pública Nacional, quando há a possibilidade de o vírus já estar em circulação no país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements