Menu
2018-10-10T15:11:32-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Frente à concorrência internacional

B3 quer criar segmento para atrair empresas brasileiras de tecnologia

Para tentar ‘reter’ IPOs de empresas nacionais, B3 estuda o lançamento de um segmento de listagem específico para empresas de tecnologia

10 de outubro de 2018
6:44 - atualizado às 15:11
Sede da B3, no centro de São Paulo
Sede da B3, no centro de São Paulo - Imagem: shutterstock

Quando decidem abrir capital, as empresas de tecnologia brasileiras não têm pensado muito em ficar no Brasil. É o caso da PagSeguro, que optou por fazer sua oferta inicial na norte-americana Nyse, e da Arco Educacional, que decidiu fazer o mesmo na Nasdaq.

Mas para tentar reter essas empresas por aqui, a B3 estuda o lançamento de um segmento de listagem específico para empresas de tecnologia. A informação é da coluna Broadcast, do Estadão, desta quarta-feira, 10.

A estratégia da B3 ocorre em paralelo às mudanças no mercado de acesso, criado em 2005 para impulsionar as pequenas e médias empresas e que não vingou.

Stone segue o fluxo

A brasileira Stone, especializada em meios de pagamento, também pegou o mesmo caminho de suas compatriotas. A empresa será listada na Nasdaq ainda neste mês e busca movimentar mais de US$ 1 bilhão por lá, segundo o jornal "Valor Econômico".

Não é à toa que essas empresas investem tudo para conquistar acionistas em terras gringas. Para se ter uma ideia, sua concorrente direta, a Pagseguro, conseguiu captar US$ 2,7 bilhões na bolsa nova-iorquina, tornando-se o maior IPO de uma empresa brasileira nos Estados Unidos.

No começo deste mês, o valor atual da Pagseguro na Nyse era de US$ 9,2 bilhões, cerca de 9,5 vezes a receita projetada para este ano. Se tudo acontecer como planejado, analistas consultados pelo jornal "Valor Econômico" preveem que a Stone terá uma avaliação de mercado na casa dos US$ 3 bilhões.

Retorno garantido

Já a cearense Arco Educação, que fez sua listagem na Nasdaq no fim de agosto, viu seu valor de mercado aumentar 25,3% chegando a US$ 1,1 bilhão.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Vem novo rali pela frente?

Bitcoin volta ao patamar dos US$ 12 mil pela primeira vez desde agosto

Depois de dois meses longe das máximas, mas ainda bem acima dos patamares pré-crise, o ativo parece ter recuperado fôlego e chegou a ser negociado a US$ 12.047,10 nesta terça-feira.

Empréstimos sem autorização

C6 Bank é notificado pelo Procon-SP por operações de crédito não solicitadas

O órgão afirma que foram registradas 149 queixas contra o C6 no mês passado e comparou com maio, quando apenas uma reclamação foi registrada

Retomada

BR Distribuidora, Cosan e Ultrapar: o que esperar dos resultados do terceiro trimestre

Depois de ficarem com os postos às moscas no auge da pandemia do coronavírus, as distribuidoras de combustíveis devem voltar a ter resultados melhores, segundo o Credit Suisse

Destaques da bolsa

Ações de bancos disparam em dia de volta do Ibovespa aos 100 mil pontos

Papéis de BTG Pactual e Bradesco estão entre as cinco maiores altas do índice neste momento; ações de BB, Itaú e Santander também sobem forte

Aegea vence leilão de concessão de esgotamento sanitário de Cariacica e Viana, no Espírito Santo

Empresa terá de universalizar acesso à rede de esgoto até o décimo ano de contrato

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies