Menu
2018-10-10T15:11:32-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Frente à concorrência internacional

B3 quer criar segmento para atrair empresas brasileiras de tecnologia

Para tentar ‘reter’ IPOs de empresas nacionais, B3 estuda o lançamento de um segmento de listagem específico para empresas de tecnologia

10 de outubro de 2018
6:44 - atualizado às 15:11
Sede da B3, no centro de São Paulo
Sede da B3, no centro de São Paulo - Imagem: shutterstock

Quando decidem abrir capital, as empresas de tecnologia brasileiras não têm pensado muito em ficar no Brasil. É o caso da PagSeguro, que optou por fazer sua oferta inicial na norte-americana Nyse, e da Arco Educacional, que decidiu fazer o mesmo na Nasdaq.

Mas para tentar reter essas empresas por aqui, a B3 estuda o lançamento de um segmento de listagem específico para empresas de tecnologia. A informação é da coluna Broadcast, do Estadão, desta quarta-feira, 10.

A estratégia da B3 ocorre em paralelo às mudanças no mercado de acesso, criado em 2005 para impulsionar as pequenas e médias empresas e que não vingou.

Stone segue o fluxo

A brasileira Stone, especializada em meios de pagamento, também pegou o mesmo caminho de suas compatriotas. A empresa será listada na Nasdaq ainda neste mês e busca movimentar mais de US$ 1 bilhão por lá, segundo o jornal "Valor Econômico".

Não é à toa que essas empresas investem tudo para conquistar acionistas em terras gringas. Para se ter uma ideia, sua concorrente direta, a Pagseguro, conseguiu captar US$ 2,7 bilhões na bolsa nova-iorquina, tornando-se o maior IPO de uma empresa brasileira nos Estados Unidos.

No começo deste mês, o valor atual da Pagseguro na Nyse era de US$ 9,2 bilhões, cerca de 9,5 vezes a receita projetada para este ano. Se tudo acontecer como planejado, analistas consultados pelo jornal "Valor Econômico" preveem que a Stone terá uma avaliação de mercado na casa dos US$ 3 bilhões.

Retorno garantido

Já a cearense Arco Educação, que fez sua listagem na Nasdaq no fim de agosto, viu seu valor de mercado aumentar 25,3% chegando a US$ 1,1 bilhão.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies