Menu
2019-04-04T14:13:39-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Contaminação de carne

Abilio Diniz entra na mira da Polícia Federal

Empresário é acusado de estelionato, organização criminosa e falsidade ideológica em caso envolvendo contaminação de carnes de frango

15 de outubro de 2018
15:14 - atualizado às 14:13
abilio-diniz
Diniz estaria envolvido no abafamento de um caso de detecção de resíduo tóxico em carnes de frango - Imagem: Amanda Perobelli/Estadão Conteúdo

Abilio Diniz entrou nesta segunda-feira, 15, na lista de indiciados pela Polícia Federal a partir da Operação Trapaça. O executivo é acusado de cometer estelionato, organização criminosa e falsidade ideológica quando era presidente do conselho da BRF.

A Trapaça é um desdobramento da Carne Fraca, que foi deflagrada em março deste ano e tinha como alvo um esquema de fraudes descoberto na BRF.

Outros 42 investigados também foram indiciados. Nessa lista está o ex-diretor-presidente global da BRF, Pedro de Faria, que também é suspeito de cometer crime contra saúde pública e acusado de participar de forma ativa no esquema.

Tanto Diniz como Faria estariam envolvidos no abafamento de um caso de detecção de resíduo tóxico em carnes de frango. O grupo de diretores da companhia tinha conhecimento das substâncias mas não tomou providências para encontrar a causa dessas contaminações.

A PF soltou um relatório de 405 páginas sobre o caso. Nele, o delegado Mauricio Moscardi, de Curitiba, diz que foram analisadas conversas por mensagens de e-mails e WhatsApp. A conclusão que a PF chegou é de que os crimes não se restringiam ao círculo das equipes técnica e gerencial das fábricas da BRF.

“Há, de fato, a participação do corpo diretivo da empresa na trama investigada, o qual tinha ciência de seu modus operandi, e que, não somente se omitiu em relação a fazer cessá-lo, mas, também, participou comissivamente dos atos de ocultação das fraudes, norteando sua execução”, Mauricio Moscardi.

Segundo o investigador, "o que ocorreu foram tão somente a lamentação dos executivos pelo vazamento de informação já conhecida ('Abilio e Zeca, infelizmente alguém do ministério vazou a informação')", a interlocução sobre o ocorrido e também "a tomada de medidas com o fim de "abafar" a disseminação dos fatos descritos em matéria veiculada na imprensa nacional ("Abilio, linda foto! Em relação a China tivemos bom avanço pois conseguimos controlar o vazamento da informação e mantê-lo sob controle")’.

O início da conversa ocorreu em 9 de setembro de 2015. Pedro Faria enviou aos empresários uma matéria do jornal "O Estado de S. Paulo" que tratava da suspensão da venda de frango de 2 unidades da BRF e da Bello Alimentos pela China.

A PF ainda disse no relatório que o grupo agia de forma organizada e mantinha comunicação permanente, e tinha como objetivo de "iludir auditorias, programadas ou inopinadas, em plantas industriais da BRF, eventos nos quais produtos irregulares eram retirados de depósito e escondidos da fiscalização".

BRF afasta envolvidos

Em resposta ao indiciamento da PF, a BRF decidiu nesta segunda-feira afastar todos os seus funcionários envolvidos na investigação. Segundo comunicado da empresa, os colaboradores ficarão fora das suas funções até "o esclarecimento dos fatos".

A BRF também afirmou que mantém conversas com os investigadores para contribuir de forma ampla com as apurações do caso. A companhia disse que vai seguir com seu comitê interno de investigação que apura o caso.

Já o empresário Abilio Diniz divulgou uma nota afirmando que não existem documentos que comprovem as denúncias feitas contra ele e negou que participasse de qualquer grupo criminoso.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Perseguição ao bitcoin?

Irã fecha ‘fazendas’ de mineração de bitcoin para conter apagões no país; entenda

Governo culpa centros de processamento de criptomoedas por blackouts devido à ‘sobrecarga energética’ da rede de mineração; ao mesmo tempo, Irã usa o bitcoin para amenizar sanções bancárias dos EUA

Lei Orçamentária Anual

Ainda sem aprovação do Orçamento 2021, governo precisa controlar gastos

Manutenção do auxílio emergencial é dúvidas neste início de ano

Pé no freio

Incertezas políticas e fiscais mantêm estrangeiros cautelosos com o Brasil

Após meses de fuga do capital externo do País, os últimos meses de 2020 mostraram o começo do retorno dos investidores de portfólio, mas o ritmo ainda é insuficiente para reverter a forte saída de dólares do Brasil

Crescimento

Vale (VALE3) prevê investir US$ 2,7 bilhões na região norte até 2024

Companhia pretende ainda investir US$ 5,8 bilhões em 2021, dos quais US$ 1 bilhão serão apenas para expansão

ESTRADA DO FUTURO

Grafeno, urânio e lítio… cuidado com a obsessão de enriquecer com a próxima tecnologia do futuro

O boom de empresas de tecnologia alimenta uma esperança quase ingênua de enriquecer “horrores” descobrindo como esses materiais moldarão o nosso futuro. Vou ser totalmente transparente com você: não gosto da ideia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies