Menu
Pedro Carvalho
Pedro Carvalho
CONTEÚDO PATROCINADO POR Pi

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

20 de maio de 2019
14:36
Baú de Tesouro na praia
Esse 'Tesouro' é melhor que o 'Tesouro Direto - Imagem: Shutterstock

Se você não morou em Marte na última década, sabe que o Tesouro Direto virou – me desculpe o certo exagero – a nova poupança dos brasileiros. Lançado em 2002, o programa é uma parceria entre o Tesouro Nacional e a B3 (a antiga BM&F Bovespa) para permitir que as pessoas físicas invistam em títulos públicos. Ou seja, qualquer cidadão com um CPF, R$ 30 sobrando e uma conta bancária se tornou apto a emprestar dinheiro para o governo, com rentabilidade boa e risco baixíssimo, via internet.

De dois anos para cá, a queda dos juros e a consequente piora do retorno das aplicações de renda fixa (como os CDBs) fizeram o país abraçar o Tesouro Direto de vez. Basta dizer que o programa demorou 14 anos para atingir a marca de 1 milhão de inscritos e, hoje são mais de 3,5 milhões de usuários cadastrados. O Tesouro Direto, assim como os vídeos de gatinhos no YouTube e os restaurantes de poke em São Paulo, virou um hit.

Entre os títulos à venda, o Tesouro Selic, que tem sua rentabilidade atrelada à famosa taxa Selic, o juro básico da economia, é considerado o mais seguro de todos. Isso porque, ao contrário dos títulos que pagam um juro prefixado ou que rendem uma taxa fixa mais a inflação, o preço desse título oscila pouco. Então, se você precisar vender ele antes do vencimento não terá grandes problemas. É por isso que muita gente recomenda esse título para você guardar sua reserva de emergência.

Durante um bom tempo as corretoras usaram a “taxa zero” no Tesouro Direto como um chamariz para os investidores. E agora os bancos zeraram as taxas de administração também. Só que o programa ainda tem uma pequena taxa “escondida”: a B3 cobra 0,25% ao ano dos clientes (sobre o valor total da aplicação) para fazer a custódia desses títulos. Ou seja, ela cobra para guardá-los para você. Nenhum usuário do sistema escapa dessa taxa. Bom, pelo menos não escapava – até agora.

Nesses últimos dias, eu descobri que surgiram meios de investir nesses papéis sem sofrer essa mordida. Qual é a mágica? Você faz essa aplicação por meio de fundos de investimento que compram apenas esses títulos públicos. Nesse caso, em vez de você comprar diretamente os títulos, é o gestor do fundo quem vai comprá-los. Ele, porém, não faz isso no site do Tesouro Direto, e sim no mercado secundário de títulos – ou seja, ele compra de pessoas que venderam esses papéis antes do vencimento, normalmente com desconto. É mais ou menos a diferença entre comprar algo no atacado e no varejo.

No “atacado” – ou no mercado secundário - os títulos ficam depositados no próprio Sistema Especial de Liquidação e Custódia e o investidor não precisa pagar a taxa de custódia da B3. Nesse arranjo, é claro, você não se torna dono dos títulos em si, mas de cotas do fundo.

Acontece que o fundo é composto exclusivamente por títulos do Tesouro Selic, assim seu risco é o mesmo de uma aplicação pelo Tesouro Direto – é, basicamente, o risco de o país dar calote em seus credores. Só que sai mais barato. Mas, calma: essa não é a única taxa da qual você vai se livrar até o final desse texto.

Nas últimas semanas, alguns fundos dessa natureza estrearam no mercado brasileiro – e com razoável sucesso. A maioria, porém, cobra uma pequena taxa de administração. Ela, obviamente, é menor do que a taxa de custódia da B3 – costuma ficar na faixa de 0,1%. Mas ela existe. Nessa semana, contudo, chegou ao mercado um fundo que não cobra nem uma coisa nem outra. Ele se chama “Pi Tesouro Selic Renda Fixa Simples FI” e pode ser encontrado no aplicativo da Pi Investimentos.

A Pi é uma startup lançada pelo Santander que funciona como um self-service de investimentos. Como a gestora que criou esse fundo é a própria Santander Asset, ele é distribuído pela Pi sem a taxa de administração. Ou seja, você não vai encontrar uma maneira de investir em títulos públicos mais livre de taxas do que essa.

Vale mencionar também outra vantagem de o “Pi Tesouro Selic Renda Fixa Simples FI” ser um fundo assinado pela Santander Asset: a tranquilidade de saber que seu investimento será gerido, administrado e custodiado por um dos maiores bancos do mundo e não por uma gestora que você nunca ouviu falar.

Eu analisei esse fundo e vou resumir 3 características sobre liquidez, tributação e investimento mínimo que eu descobri:

1 - Tem liquidez diária

Podemos dizer que outra vantagem do fundo da Pi, na comparação com o Tesouro Direto, é a liquidez diária. Se você precisar do dinheiro no mesmo dia, conseguirá sacá-lo sem perdas, basta pedir a retirada até as 13 horas. No caso do programa do governo, é preciso esperar o dia seguinte.

2 – O imposto de renda é igual, mas a cobrança é diferente

Sobre os impostos, as duas opções são muito parecidas: tanto os fundos como o Tesouro Direto obedecem à tabela regressiva do imposto de renda. No Tesouro Direto, você paga o imposto no momento de sacar a aplicação. Já o fundo usa o sistema “come-cotas”, que antecipa a mordida do IR duas vezes ao ano. Na prática, a diferença sobre a rentabilidade é ínfima – e não anula, nem de longe, a vantagem da taxa zero.

3 – Aplicação mínima de R$ 30

Sobre investimento mínimo, mais um ponto para o fundo da Pi. Nele, você pode fazer aplicações a partir de R$ 30, o menor patamar do mercado (e igual ao do Tesouro Direto).

E aí, é uma boa?

Feitas as contas, o fundo da Pi me pareceu a aplicação perfeita para aquela sua reserva de emergência. É um jeito de você fazer render mais aquele dinheiro que você precisa ter à mão. Isso com a segurança do Tesouro Direto, um ótimo retorno real (por ser taxa zero de verdade) e a agilidade da liquidez diária.

Se o Tesouro Direto era interessante a ponto de ter se tornado um hit, essa novidade me pareceu um “’Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto”. Você pode embarcar nessa onda de forma bem simples. É só baixar o aplicativo da Pi Investimentos e abrir uma conta – também sem taxa alguma.

Leia também:
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fechar
Menu