Menu
2019-04-30T18:48:07+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
De olho nas privatizações

Olha como elas estão…Principais estatais federais registram lucro líquido 147% maior em 2018 em relação ao ano anterior

Dentre as principais estatais federais que apresentaram maior crescimento no lucro líquido está a Petrobras, que obteve lucro de R$ 26,7 bilhões em 2018, o que representa um aumento de 6.981,7%

30 de abril de 2019
16:42 - atualizado às 18:48
Privatização V5
Imagem: Andrei Morais/Montagem

No radar das discussões sobre privatização, o Ministério da Economia divulgou hoje (30) novo relatório sobre o tema. Segundo os dados apresentados, o lucro líquido das principais estatais federais fechou 2018 em R$ 70 bilhões, ante os R$ 28,3 bilhões do ano anterior. O resultado representa um aumento de 147,0%. Entre os conglomerados de estatais analisados estão Petrobras, Eletrobras, BNDES, Banco do Brasil e Caixa.

De acordo com os dados fornecidos no Boletim das Empresas Estatais, o grupo que apresentou maior crescimento durante o período de análise foi a Petrobras. Na ocasião, o lucro líquido do grupo passou de R$ 377 milhões em 2017 para R$ 26,7 bilhões em 2018, o que corresponde a um aumento de 6.981,7%.

Ainda segundo o relatório, os principais motivos da variação estão relacionados ao aumento de R$ 66 bilhões nas receitas de vendas, em decorrência da alta do preço médio dos derivados e da desvalorização do real frente ao dólar.

Além disso, houve crescimento de R$ 33,2 bilhões nos custos dos bens e serviços do grupo, por conta da elevação das cotações internacionais. Outro ponto que impactou foi o aumento de R$ 5,3 bilhões no resultado financeiro e que está relacionado, na maior parte, à regularização de créditos contra a Eletrobras.

Na sequência, a companhia que apresentou maior resultado líquido entre 2017 e 2018 foi a BR Distribuidora, com alta de 177,4% durante o período. As razões para a variação no lucro líquido estão relacionadas à receita de recuperação de créditos do setor elétrico no valor de R$ 2,6 bilhões e redução de R$ 813 milhões nas despesas com financiamentos e empréstimos, o que representou uma queda de 74,3% no total de despesas.

Menos funcionários

Além do aumento no resultado líquido, o boletim mostrou que houve redução de 13.434 no quadro de pessoas das estatais de 2017 para 2018. Os maiores cortes vieram de empresas como Caixa, com diminuição de 2.728 empregados, seguido pelos Correios com 2.648, e Banco do Brasil com 2.195 funcionários a menos do que no ano anterior.

Se compararmos em relação a dezembro de 2015, a redução de pessoal foi superior a 57 mil empregados, o que representa uma diminuição de 10,38% do quadro total. Grande parte está ligada a programas de desligamento voluntário de empregados (PDVs).

As reduções já impactaram despesas de pessoal. Entre 2015 e 2018, houve uma diminuição - em valores nominais - de R$ 2,46 bilhões, o que seria equivalente a 2,56% considerando apenas as empresas não dependentes. Em valores reais, ou seja, ajustados pelo IPCA, a redução foi de 14,67%.

Evolução dos dividendos

Outro ponto que aumentou desde 2016 foi o total de dividendos e do juros sobre capital próprio pagos (JCP) pagos pelas empresas de controle direto da União. No consolidado das empresas como Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasil, Caixa e BNDES, os valores passaram de R$ 3,7 bilhões em 2016 para R$ 11,6 bilhões no fim do ano passado.

Menos dívidas

O boletim também destaca que houve redução no total de endividamento das empresas estatais. De dezembro de 2015 - quando o valor chegou a R$ 544 bilhões - até o fim do ano passado, o total de dívidas que as estatais federais detinham diminuiu 29% e a conta fechou o ano de 2018 em R$ 386 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Pauta avançou no Congresso

Reforma tributária resultará em bom texto mesmo com mudança em comissão, diz Appy

Segundo Bernard Appy, a proposta de reforma tributária pode elevar em 10% o potencial de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em um período de dez anos

governo de lado

Senadores já discutem agenda própria

Em almoço realizado nesta quarta-feira, 22, na residência oficial do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), líderes de bancadas avaliaram que o governo está “sem rumo”

Mais mercado, menos bancos

Crédito total no país é de R$ 9,5 trilhões ou 138% do PIB e governo fica com quase metade disso

Banco Central passa a apresentar dados sobre o crédito ampliado, que além das operações feitas no sistema financeiro, agrega títulos públicos, privados e operações externas

Blog da Angela

Se o risco é alto e a articulação deve ser perfeita, entregue-se ao inimigo…

A Nova Previdência será um passo fundamental para o reequilíbrio das contas públicas no médio e no longo prazo. Não é à toa que a reforma da Previdência é considerada a mãe das reformas estruturais que o Brasil precisa fazer

TUDO QUE VAI MEXER COM SEU DINHEIRO HOJE

Ares agitados: o novo jogo do setor aéreo

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

Dia de cautela

Exterior negativo pressiona Ibovespa e dólar; mercado analisa cenário político local

O Ibovespa abriu o pregão desta quinta-feira (23) em queda, com os mercados exibindo um tom de prudência em relação à guerra comercial e à cena política doméstica. O dólar opera em alta

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

fim da lua de mel

Otimismo após eleições acaba e confiança do consumidor recua, afirma FGV

Quanto às perspectivas para os meses seguintes, o indicador que mede o otimismo relacionado à evolução da economia foi o que mais contribuiu para a queda da confiança no mês

Duras críticas

‘Setor privado não investe em ditaduras’, afirma Maia

Declarações ocorreram no dia seguinte à discussão pública com o líder do governo na Casa, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), motivada por críticas ao Legislativo

Batalha contra a crise

China tem amplos instrumentos para lidar com flutuações no câmbio, diz PBoC

Vice-presidente do Banco do Povo da China disse que o país não terá uma crise cambial, diante do tamanho da economia, do controle moderado pelo governo e por causa de seus mecanismos eficientes de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements