Menu
2019-12-02T11:40:45-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Oferta de ações

IPO da XP Investimentos pode movimentar até US$ 2,1 bilhões na Nasdaq

Confira os detalhes do IPO que pode fazer com que a XP seja avaliada em até US$ 13,8 bilhões (R$ 58 bilhões). Preço por ação deve ser definido em 10 de dezembro

2 de dezembro de 2019
11:13 - atualizado às 11:40
Escritório da XP Investimentos
Escritório da XP Investimentos - Imagem: Divulgação/Facebook

A oferta de ações da XP Investimentos na bolsa norte-americana Nasdaq pode movimentar até US$ 2,1 bilhões (R$ 8,9 bilhões, no câmbio de hoje), o que pode levar a empresa brasileira a ser avaliada em até US$ 13,8 bilhões (R$ 58 bilhões).

Os valores consideram que a XP conseguirá vender suas ações no preço máximo da faixa estipulada, que varia entre US$ 22 e US$ 25 por cada papel. A definição do preço está prevista para o dia 10 de dezembro. O código de negociação da empresa na Nasdaq será simplesmente "XP".

Assim como ocorreu com outras empresas que abriram capital nas bolsas americanas, a XP terá dois tipos de ação. Os papéis classe A, que serão negociados na Nasdaq, darão direito a um voto cada, enquanto que os da classe B, que ficarão de posse dos atuais controladores, terão dez votos cada.

A oferta deve envolver inicialmente a emissão de 42.553.192 novas ações classe A em uma oferta primária, que pode reforçar o caixa da XP em US$ 1,064 bilhão caso os papéis saiam no teto da faixa indicativa no IPO.

A operação envolve ainda a venda de 29.957.449 papéis que pertencem aos atuais acionistas, que podem embolsar até US$ 749 milhões.  Caso vendam também o lote adicional de 10.876.596 ações, os atuais sócios da XP podem levar para casa até US$ 1,021 bilhão no IPO.

A XP Controle – holding dos principais sócios da corretora – aparece como a principal vendedora na operação. A empresa, que tem como principais sócios Guilherme Benchimol, Bernardo Amaral Botelho, Carlos Alberto Ferreira Filho, Gabriel Leal, Fabrício Almeida, Bruno Constantino Alexandre dos Santos e Guilherme Sant’Anna Monteiro da Silva, pode embolsar até US$ 642 milhões com a venda de parte de suas ações.

Mesmo com a venda, a XP Controle continuará dando as cartas na empresa, com 54,79% do capital votante.

A gestora General Atlantic, que comprou uma participação na corretora em 2013, também vai aproveitar a abertura de capital para vender até US$ 328 milhões em ações. A Dynamo deve embolsar outros US$ 50,6 milhões – sempre levando em conta o preço máximo por ação.

O Itaú Unibanco, que pagou R$ 6,3 bilhões por uma participação de 49,9% no capital da XP em 2017, não pretende vender ações no IPO e passará a deter 32,49% do capital votante da empresa após o IPO – considerando a venda de todos os lotes de ações.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Âncora

A oferta de ações já conta com um investidor-âncora. A firma americana Durable Capital Partners informou que pretende comprar até 7.251.064 ações classe A no IPO, o equivalente a 10% do total da operação, sem considerar o lote extra.

Pelas contas que já começaram a circular no mercado, a XP deve estrear na bolsa valendo 29 vezes o lucro projetado para 2020. Está longe de ser uma barganha, mas com a perspectiva de crescimento da companhia e do mercado, a expectativa é que a procura pelas ações seja grande. De janeiro a setembro, a corretora registrou lucro líquido de R$ 699 milhões, praticamente o dobro do mesmo período do ano passado.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Mais decisão de BC

BCE mantém política monetária inalterada em estreia de Lagarde na presidência

BCE disse ainda que manterá o programa de relaxamento quantitativo, através do qual vem comprando 20 bilhões de euros em ativos mensalmente desde novembro

Exile on Wall Street

Nota triste — a XP quer mesmo democratizar os investimentos no Brasil?

A XP seguiu os mesmos passos da Vitreo e lançou, depois, dois fundos próprios para investir em suas ações, com direito a matéria no InfoMoney. Matéria da XP, sobre fundos da XP, para comprar ações da XP.

Injeção de otimismo

Ibovespa abre em alta e dólar cai; mercados reagem bem ao Copom e à S&P

O Ibovespa sobe e recupera os 111 mil pontos, impulsionado pelos sinais do BC em relação à Selic e à visão positiva da S&P Global quanto ao Brasil

Mercado de capitais

IPO de empresas brasileiras no exterior deixa gosto amargo, diz presidente da B3

Com o avanço da tecnologia, o Brasil precisa ter uma regulação flexível senão corre o risco de perder o bonde, segundo Gilson Finkelsztain

sem negócio fechado?

Venda de ativos de dona da Ambev na Austrália é questionada por regulador

Órgão avaliou de maneira preliminar que a venda vai reduzir a concorrência no mercado de cidra e, possivelmente, no de cerveja

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

em busca de recursos

Eneva emite R$ 650 milhões em debêntures

Os recursos obtidos pela empresa vão ser usados para investimento, pagamento futuro ou reembolso relacionados ao projeto Parque dos Gaviões

arrumando as contas

País paga dívida com ONU e banco do Brics

Não pagamento à ONU poderia fazer com que o Brasil, pela primeira vez, perdesse o direito a voto no órgão a partir de 1.º de janeiro

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Selic a 4,5%: como ficam seus investimentos?

O Banco Central derrubou a taxa básica de juros brasileira para 4,5% ao ano, a nova mínima histórica. Isso mexe com a rentabilidade de aplicações da renda fixa e favorece os investimentos em ações, imóveis e fundos imobiliários. O que você precisa saber hoje: Mercados • A taxa básica de juro brasileiro renovou sua mínima histórica […]

fim do impasse?

Câmara aprova MP que transfere Coaf para o BC; texto segue para Senado

Outra mudança foi a retirada, com a aprovação de um destaque, da atribuição do Coaf de produzir informação para combate ao financiamento do terrorismo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements