Menu
2019-04-20T15:34:21+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Octavio de Lazari Junior

‘Investidor estrangeiro está pronto para vir’, diz presidente do Bradesco

Octávio de Lazari acredita que chave para o Brasil é conseguir convencer os investidores gringos de que é seguro investir aqui

14 de novembro de 2018
15:24 - atualizado às 15:34
Octavio Lazari
Lazari: expectativa para o ano que vem, se as coisas melhorarem, é crescer dois dígitos na oferta de crédito - Imagem: Egberto Nogueira/divulgação

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, concedeu uma entrevista para o jornal O Estado de S. Paulo nesta semana e deixou algumas pistas sobre o futuro do banco. A principal delas é relacionada ao crédito: segundo ele, a expectativa é de que a oferta tenha um avanço de dois dígitos no ano que vem.

Sobre política, Lazari diz não ter dúvidas de que o Congresso vai aprovar a reforma da Previdência no próximo ano, uma vez que os novos parlamentares sabem da importância disso. O líder do Bradesco acredita que, se o Brasil conseguir convencer os investidores gringos de que é seguro investir aqui, o capital estrangeiro está pronto para vir para cá.

A reforma da Previdência tem sido apontada quase unanimemente como a principal mudança a ser feita pela equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro. O sr. acredita que o novo governo terá capacidade política para construir um consenso e aprovar essa reforma?
Não tenho dúvida. Não é uma vontade só do próximo governo. O próprio Congresso foi bastante renovado e esses novos parlamentares sabem das necessidades para que o País vá bem. Para que as pessoas possam ter uma aposentadoria digna e os problemas da Previdência sejam resolvidos, o País precisa ir bem. Há uma conjunção de necessidades, fatores, ideias e desejos de toda a população brasileira. A negociação faz parte da democracia e vai se chegar a bom termo para o que o Brasil precisa.

O que é preciso para que a reforma seja aprovada?
Tem de ter cuidado para respeitar os direitos adquiridos das pessoas e fazer o que for necessário para estancar este déficit bilionário, mas olhando muito para a população mais carente, que vive com o salário mínimo, e que tem esses recursos como a única fonte de renda para sua sobrevivência. Mas acho que as pessoas que estão olhando isso estão muito cientes desse tipo de preocupação, sobre a forma como fazer a reforma da Previdência, pois é um assunto extremamente sério. E é preciso haver investimentos para que surja outra forma de Previdência, com os planos privados.

Que efeito isso poderia trazer para a economia?
Esse é o remédio ideal para que a economia possa manter uma trajetória de crescimento por muitos anos. Não podemos viver, principalmente com expansão do PIB, com tanta volatilidade: um ano cresce, o outro não cresce.

Que avaliação o sr. faz da atual equipe econômico e a agenda que adotou para o País?
A equipe econômica que temos hoje, sobretudo no Banco Central, cumpriu com maestria seu papel. Ilan Goldfajn é um grande técnico e altamente qualificado.

O sr. defende que ele continue na presidência do Banco Central?
Se for desejo dele, eu acho que ele vem fazendo um trabalho muito bom. Ele tem a confiança dos mercados, fez um trabalho árduo para poder ajustar o Brasil, mesmo nos momentos de crise mais severa, pois cumpriu bem o papel dele na condução da política monetária e combate à inflação. Tenho grande admiração pelo trabalho dele e da sua equipe. Tendo isso em perspectiva, as medidas que serão tomadas na nova fase da economia brasileira pela nova equipe econômica, o caminho está dado. Temos uma chance muito grande de ter muito sucesso.

Que avaliação o sr. faz dos nomes da nova equipe econômica conhecidos até aqui, Paulo Guedes como ministro da Economia e Joaquim Levy na presidência do BNDES?
Joaquim Levy é um técnico de primeiro time, respeitado pelo mercado, inclusive internacional, é uma pessoas extremamente qualificada. O Paulo Guedes já se mostrou um economista de grandes ideias, um catedrático extremamente competente e, pelo que vimos ele falar, as ideias que ele vem pregando nada diferem do que o povo brasileiro gostaria de ver de fato acontecendo.

Mas o que seria necessário para que a aplicação dessas ideias no Brasil viabilizem efetivamente a expansão dos investimentos, sobretudo em infraestrutura?
A ponte necessária para avançar os investimentos em infraestrutura é a confiança do capital estrangeiro para aplicar capitais no País. Ouvimos e vemos o interesse no País de vários fundos de investimentos e empresas estrangeiras, como é o caso do acordo da Boeing com a Embraer. Isso não é obra do acaso. É competência das empresas nacionais, o que é um só exemplo. Com a confiança do respeito aos contratos, regras estabelecidas, aquilo que foi acertado de investimento, respeitada a regra do jogo, eu tenho certeza, o Brasil é um grande país para se investir.

Quando esse aumento do investimento em infraestrutura poderia ocorrer?
Já agora, em 2019. O mercado internacional está muito líquido, tem capital, certamente o investidor estrangeiro virá para o País.

A privatização, nesse contexto, faz sentido?
Sim, as empresas que não fazem sentido estarem na mão do governo podem ser privatizadas. O importante é que a empresa seja rentável, pague impostos, para que o País possa avançar.

Como o sr. avalia o atual patamar do câmbio?
Agora sim, acho que está num nível razoável. Chegou a bater R$ 4,20 e agora voltou para uma marca entre R$ 3,70 e R$ 3,75. É o câmbio ideal. É claro que, à medida que o Pais vá crescendo e outras forças atuem, ele vá se apreciando, mas dentro de uma normalidade que ocorre em qualquer economia no mundo e em momentos de crescimento e melhoria dos fundamentos econômicos.

O Bradesco espera avançar a concessão de crédito no próximo ano?
Por conta da situação da economia nos últimos anos, o crédito se reduziu por si só. Mas como vemos agora uma redução contundente da inadimplência, da micro à média empresa, até às pessoas físicas, as novas safras de concessão de crédito que apuramos mês a mês cada vez estão com qualidade melhor. E com esse fato de um lado, e o País crescendo, o Bradesco tem apetite por mais concessão de crédito, pois é mola propulsora importante dos resultados de qualquer banco. O Bradesco está muito bem neste ano no crescimento de crédito e nossa expectativa é de ter mais apetite.

Quanto o sr. acha que deve crescer a concessão total de crédito pelo Bradesco em 2019?
Neste ano, devemos crescer de 4% a 7%, mas a expectativa para o ano que vem, se as coisas melhorarem, é crescer quem sabe dois dígitos. O crédito imobiliário tem registrado expansão de dois dígitos há mais de cinco anos. No caso da micro e pequena empresa, a expectativa é de que cresça de 9% a 10%. No caso das pessoas físicas, dependendo da volta do ritmo da geração de emprego, também deve crescer dois dígitos.

*Com jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Disputa com Centauro

Magazine Luiza contra-ataca e eleva oferta pela Netshoes para US$ 93 milhões

A varejista decidiu elevar a oferta pelo site de produtos esportivos para US$ 3,00 por ação depois que a Centauro entrou na disputa com uma oferta hostil lançada na quinta-feira

Nas ruas do país

“Pergunta para o povo”, diz Bolsonaro, sobre manifestações

Perguntado sobre a quantidade de pessoas nas ruas, Bolsonaro declarou que as “imagens valem mais do que mil palavras”

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements