Menu
2019-10-14T14:09:32+00:00
Operação Rock City

Grupo Petrópolis lavou R$ 329 milhões da Odebrecht, diz Lava Jato

Segundo o Ministério Público Federal no Paraná, o Grupo disponibilizou pelo menos R$ 208 milhões em espécie à Odebrecht no Brasil

31 de julho de 2019
11:46 - atualizado às 14:09
Polícia Federal PF
Polícia Federal - Imagem: Divulgação

O envolvimento de Walter Faria e outros cinco executivos do grupo Petrópolis na lavagem de dinheiro desviado pela Odebrecht é investigado na manhã desta quarta-feira, 31, pela Operação Rock City, 62ª fase da Lava Jato. Segundo o Ministério Público Federal no Paraná, o Grupo disponibilizou pelo menos R$ 208 milhões em espécie à Odebrecht no Brasil entre 2007 e 2011 e repassou R$ 121.581.164,36 em propinas da construtora disfarçadas de doações eleitorais.

De acordo com a Procuradoria, Faria, que é alvo de ordem de prisão preventiva decretada pela Justiça Federal do Paraná, "desempenhou substancial papel como grande operador de propina" e, em conjunto com os executivos investigados, atuou "em larga escala na lavagem de centenas de milhões de reais em contas fora do Brasil."

A investigação apurou que Faria recebeu, entre março de 2007 a outubro de 2009, US$ 88.420.065 da construtora em uma conta mantida no Antigua Overseas Bank, em Antigua e Barbuda, no nome da offshore Legacy International Inc..

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Já entre agosto de 2011 e outubro de 2014, duas contas mantidas pelo executivo no EFG Bank na Suíça, em nome das offshores Sur trade Corporation S/A, e Somert S/A Montevideo, receberam da Odebrecht, respectivamente, US$ 433.527, e US$ 18.094.153, indicou a Procuradoria.

A apuração constatou que, no mesmo período, o grupo Petrópolis disponibilizou pelo menos R$ 208 milhões em espécie à Odebrecht no Brasil, de junho de 2007 a fevereiro de 2011. Além disso, o grupo comandado por Faria, por meio das empresas Praiamar e Leyroz Caxias, foi utilizado pela Odebrecht para realizar, entre 2008 e 2014, pagamentos de propina travestida de doações eleitorais, no montante de R$ 121.581.164,36.

Segundo o MPF, o dono do Grupo Petrópolis teria, em troca de dólares recebidos no exterior e de investimentos realizados em suas empresas, "atuado para gerar dinheiro em espécie para a entrega a agentes no Brasil e entregar propina travestida de doação eleitoral no interesse da Odebrecht". Além disso, Faria teria transferido, no exterior, valores ilícitos recebidos em suas contas para agentes públicos beneficiados pelo esquema de corrupção na Petrobras, indica a Procuradoria.

O Ministério Público Federal apontou ainda que a Odebrecht realizou operações subfaturadas com o grupo, como a ampliação de fábricas, a compra e venda de ações da empresa Electra Power Geração de Energia S/A, aportes de recursos para investimento em pedreira e contratos de compra, venda e aluguel de equipamentos.

Navios-sonda

A investigação também identificou que contas bancárias no exterior controladas por Faria foram utilizadas para o pagamento de propina no caso dos navios-sonda Petrobras 10.000 e Vitória 10.000.

De acordo com o MPF, entre setembro de 2006 a novembro de 2007, Júlio Gerin de Almeida Camargo e Jorge Antônio da Silva Luz, operadores encarregados de intermediar valores de propina a mando de funcionários públicos e agentes políticos, creditaram US$ 3.433.103,00 em favor das contas bancárias titularizadas pelas offshores Headliner LTD. e Galpert Company S/A, cujo responsável era o controlador do grupo Petrópolis.

Defesas

Até o fechamento deste texto, a reportagem não havia obtido o posicionamento dos citados. O espaço está aberto para as manifestações de defesa.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Fila andou

Sem Bolsonaro, Alcolumbre e Maia assinam promulgação da reforma da Previdência

Na mesa da sessão, estavam apenas parlamentares, entre eles integrantes dos comandos da Câmara e do Senado e líderes do governo. Novas alíquota entram em vigor em março de 2020

Turbulência

A Embraer deu prejuízo e cortou a projeção de dividendo. O mercado não gostou do que viu

O balanço da Embraer no terceiro trimestre ficou abaixo das expectativas do mercado, pressionado pelos custos ligados à transação com a Boeing. Como resultado, as ações caem forte

Balanços

Caixa tem no 3º tri lucro líquido contábil de R$ 8 bi, alta de 66,7% em um ano

Nos nove primeiros meses do ano, o lucro da Caixa foi de R$ 16,2 bilhões, aumento de 40,9% comparado o mesmo intervalo do ano passado

Câmbio

Quer entender a alta do dólar por aqui? Dê uma olhada no Chile

Dólar opera em alta, na linha de R$ 4,18, refletindo movimento de aversão ao risco regional puxada pelo Chile, onde o peso cai mais de 4%

Digerindo a sopa de números

Yduqs cai forte na bolsa após balanço do 3º trimestre, mas não deveria ser tudo isso

Os resultados da empresa de educação pegaram mal entre os investidores, mas analistas apontam um trimestre de neutro a positivo

Voltando ao positivo

Volume de serviços sobe 1,2% em setembro, a maior alta mensal em mais de um ano

Resultado ficou acima do teto das estimativas dos analistas, que previam desde uma queda de 0,30% a um avanço de 1,10%

no ritmo do balanço

Eletrobras reverte prejuízo e tem lucro de R$ 716 milhões no trimestre

Divulgação dos números é feita num momento em que as ações da Eletrobras ostentam uma alta da ordem 60% no ano

Tensão na América Latina

Ibovespa cai mais de 1%, pressionado pela cautela local; dólar sobe a R$ 4,17

Após uma sessão mais tranquila na segunda-feira, o Ibovespa opera em baixa, mostrando uma postura mais cautelosa em relação ao cenário global

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Exile on Wall Street

Lula solto — e agora? (Ou, por uma dose de nacionalismo)

Talvez estejamos diante de um caso de antifragilidade clássico. Há uma possibilidade de sairmos não somente iguais depois desse choque aparentemente negativo, mas também de sairmos melhores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements