Menu
2019-09-27T15:46:49+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Fintech

Agora ‘da tela para dentro’, fundador da Neon cria startup de pagamentos instantâneos

Alan Chusid, de apenas 28 anos, criou a Spin Pay com a proposta de resolver uma equação que ainda trava boa parte das operações no mundo digital: como fazer o dinheiro circular

28 de setembro de 2019
6:02 - atualizado às 15:46
Alan Chusid, diretor da Spin Pay
Imagem: Ovo Conteúdo

Quando Alan Chusid se juntou ao time de sócios fundadores da Neon Pagamentos, pouco ou nada se falava sobre bancos digitais no país. Mas depois que esse mercado evoluiu a ponto de varejistas e até serviços de entrega oferecerem uma conta no celular, ele percebeu que era hora de inovar “da tela para dentro”.

Foi assim que nasceu a Spin Pay, uma empresa de tecnologia financeira (fintech) de pagamentos instantâneos. Estive com Chusid no escritório da startup, que fica no Cubo, o espaço de startups mantido pelo Itaú e pelo fundo Redpoint eVentures.

Chusid, que tem apenas 28 anos, permanece como sócio da Neon, mas decidiu criar uma nova empresa com a proposta de resolver uma equação que ainda trava boa parte das operações no mundo digital: como fazer o dinheiro circular.

A plataforma será lançada agora em outubro e deve começar com pelo menos 35 parceiros conectados, entre varejistas de vários setores, e 9 instituições financeiras. Chusid disse, porém, que ainda não poderia revelar os nomes.

Todos de olho

A tecnologia de pagamentos instantâneos que a Spin Pay pretende viabilizar ainda engatinha no Brasil, mas está no centro das atenções do Banco Central e também das instituições financeiras.

É provável que você já tenha se deparado com a possibilidade de pagar uma conta por QR Code, aquele código que pode ser lido pela maioria dos telefones celulares. Já são várias as iniciativas do tipo, como o Mercado Pago, do Mercado Livre, e a fintech Pic Pay, ligada ao Banco Original.

Agora os bancões entraram nessa disputa. O Santander reformulou recentemente o seu aplicativo de cartões Way para permitir pagamentos instantâneos. O Itaú Unibanco também chegará em breve à arena com o lançamento do Iti, uma carteira digital que permitirá a transferência entre contas e outros serviços.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Na ponta digital

A Spin Pay não pretende competir com nenhuma dessas iniciativas. A startup vai atuar como uma rede que para permitir a transferência do dinheiro de uma ponta a outra, de forma instantânea e a qualquer dia e hora, mas apenas em operações online.

A opção não foi ao acaso, já que o varejo digital cresce a uma taxa oito vezes maior do que as operações no mundo físico. O problema é que boa parte das compras virtuais ainda esbarra na dificuldade de pagamento.

Nas compras feitas nas lojas físicas, esse também é um problema, mas que não impede o cliente de efetuar a compra. Já nos meios online quem não tem cartão de crédito encontra bem mais dificuldade e muitas vezes deixa de consumir, segundo Chusid.

Para viabilizar a venda de produtos e serviços online para a parcela dos clientes que não tem ou não pode pagar no cartão, os lojistas precisam se valer de outros meios, como os boletos bancários, que têm custos altos e levam mais tempo para serem liquidados.

É esse gargalo que a Spin Pay espera resolver. Ao contrário dos sistemas das fintechs e dos bancões, a empresa permitirá o pagamento instantâneo entre contas de diferentes instituições, algo que não é possível nas plataformas que existem hoje.

Nesse sentido, Chusid diz que a proposta de regulação do BC – que pretende interligar as diferentes redes – ajuda, mas que o sistema da Spin não depende dela para entrar no ar.

A receita da Spin Pay virá de um percentual cobrado do vendedor sobre cada transação realizada. "Teremos o menor custo entre todas as opções para o recebedor", afirma Chusid.

Entre os investidores da Spin Pay estão o fundo de capital de risco Canary, além de pessoas físicas como José Monforte, presidente do conselho da Eletrobras, Cassio Casseb, ex-presidente do Banco do Brasil e do Pão de Açúcar, e Alexandre Barros, ex-diretor do Itaú Unibanco.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Débito e crédito

Luiz Frias: o empresário da mídia que virou bilionário com as maquininhas

Conheça o herdeiro da Folha de S.Paulo e entusiasta da internet que revolucionou mercado de meios de pagamentos no Brasil com a PagSeguro

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Um novo modelo para o concurso público

Durante um bom tempo, se você digitasse “Banco do Brasil” no Google, a primeira palavra sugerida para a busca seria “concurso”. Ainda hoje o termo aparece bem à frente nas pesquisas do site do que “investimentos”, por exemplo. A estabilidade de uma carreira no serviço público continua sendo a aspiração de muita gente, ainda mais […]

Governança corporativa

Após vender Via Varejo, GPA dá novo passo para migrar ações ao Novo Mercado da B3

Pão de Açúcar publicou o primeiro aviso da oferta pública de aquisição (OPA) da Almacenes Éxito, que possui ações listadas na Colômbia, dentro da reestruturação das operações do grupo francês Casino na América Latina

Maquininhas de cartão

Luz verde! UBS inicia cobertura de ações da Stone com recomendação de compra

O preço-alvo para as ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, foi definido em US$ 42, o que representa um potencial de alta da ordem de 23%

Briga política

Bolsonaro quer processar deputado que o chamou de ‘vagabundo’

Em áudio vazado de uma reunião interna da legenda, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, também disse que vai “implodir” o presidente Jair Bolsonaro

Smartphone

Com iPhone 11 mais barato, Apple volta a atrair fila de lançamento

Preços do iPhone 11 ainda são salgados e variam entre R$ 5 mil e R$ 9,6 mil, mas estão um pouco abaixo de 2018, quando a Apple lançou o modelo XR por pelo menos R$ 5,2 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements