Menu
2019-10-13T10:51:38-03:00
Naiana Oscar
Naiana Oscar
Naiana Oscar é jornalista freelancer. Formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Foi subeditora de Economia do Estadão. Trabalhou como repórter no Jornal da Tarde, no Estadão e na revista Exame
OS MAIS RICOS DO BRASIL

Candido Pinheiro: como dono da Hapvida entrou para o top 10 dos bilionários brasileiros

Como o médico cearense transformou uma pequena clínica de oncologia no grupo de saúde Hapvida, que já vale mais de R$ 38 bilhões e se valorizou mais de 80% desde que entrou na bolsa em abril do ano passado

29 de setembro de 2019
6:57 - atualizado às 10:51
Hapvida
Cândido Pinheiro (à direita), fundador e presidente do Conselho de Administração do Hapvida, durante a cerimônia que marcou a chegada da empresa à bolsa brasileira, em 2018 - Imagem: B3

A trajetória de empreendedorismo de um dos brasileiros que estreou na lista de bilionários da Forbes este ano, com uma fortuna de US$ 3,3 bilhões, começa em 1978 com um calote. Naquele ano, o médico cearense Candido Pinheiro Koren de Lima se revezava entre a chefia do setor de oncologia da Santa Casa e a sala de cirurgia de um hospital particular de Fortaleza.

  • O Seu Dinheiro publica aos domingos a segunda temporada da série Rota do Bilhão, que conta a história dos homens mais ricos do Brasil. Acesse a primeira temporada e conheça a história dos 10 mais ricos do mundo.

“Até o dia em que cheguei para trabalhar e o diretor do hospital disse que eu tinha de pagar a conta de um dos meus pacientes, que tinha saído sem acertar o pagamento”, lembra. Embora tivesse achado um desaforo, o médico assinou o cheque, mas disse que não pisaria mais ali.

Quando comecei esta reportagem, ele era o nono da lista Forbes. Mas, com a valorização das ações na bolsa, encerrou a sexta-feira (27) na oitava posição do ranking em tempo real de bilionários brasileiros.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Em janeiro de 1979, depois desse desentendimento, dr. Candido, como é conhecido, decidiu abrir sua própria clínica, com três consultórios, três apartamentos e enfermaria. Hoje, aos 73 anos, ele é dono de 28 hospitais, 82 clínicas médicas, 19 pronto atendimentos e 88 centros de diagnósticos em 12 Estados do País, que atendem os cerca de 4 milhões de usuários do seu plano de saúde, o Hapvida.

O grupo fez sua oferta inicial de ações (IPO) na Bolsa brasileira em abril do ano passado, movimentando R$ 3,4 bilhões. De lá para cá, os papéis registraram uma valorização de quase 85%, fazendo a empresa atingir um valor de mercado de R$ 38,3 bilhões.

Com o caixa cheio, a Hapvida, que é líder no Nordeste, saiu às compras com o objetivo de expandir seu alcance para o Sul e Sudeste e ser a maior operadora de planos de saúde do Brasil. Em maio deste ano, a Hapvida colocou os pés em São Paulo ao comprar, por R$ 5 bilhões, o Grupo São Francisco, com sede em Ribeirão Preto.

“Eu sou médico oncologista. Nunca quis ser dono de hospital, nem de plano de saúde”, costuma dizer nas poucas entrevistas em que concede à imprensa. “Foram a vida e a demanda dos meus clientes que determinaram esse caminho.” De puxadinho em puxadinho, até uma grande ampliação, a clínica virou o Hospital Antonio Prudente - uma homenagem ao fundador da Associação Paulista de Combate ao Câncer.

O primeiro hospital do grupo se tornou referência e ficou conhecido por atender as famílias mais ricas de Fortaleza. Candido Pinheiro se orgulha de ter realizado ali o primeiro transplante de coração do Ceará. Na década de 1990, criou uma ala para receber pacientes portadores do vírus HIV, numa época em que, com medo do preconceito, eles chegavam aos hospitais tentando esconder a doença.

“No primeiro mês, a ocupação caiu 25%”, disse, em setembro de 2018, em uma entrevista ao dono do grupo Ser Educacional, Janguiê Diniz. “Depois, o desconhecimento foi diminuindo e isso mudou.”

Questão de sobrevivência

Em 1993, veio o passo decisivo. O médico cearense viu que seu negócio estava ameaçado depois que a única empresa de plano de saúde da região começou a construir um grande hospital para atender seus clientes. “Ou parávamos no dia seguinte ou tínhamos que criar um plano de saúde também. Levei essa proposta para os outros donos de hospitais, mas eles não aceitaram. Então, eu fiz sozinho”, lembra. “Era uma questão de sobrevivência”, contou a Janguiê.

Mais tarde, com a ajuda dos dois filhos, Jorge e Candido Jr, a Hapvida se voltou para o público de baixa renda e estourou — hoje, o ticket é de R$ 166, menos da metade do praticado pelos principais concorrentes. A empresa aproveitou os anos de bonança da economia para se consolidar no Nordeste e tem conseguido passar pela crise que tirou milhares de brasileiros dos planos de saúde.

Para fazer a conta fechar, o grupo cearense acelerou as aquisições e investiu pesado em tecnologia. A Hapvida foi a primeira do setor a usar impressão digital para identificação de médicos e pacientes, em 1999 — ideia do fundador, depois de visitar uma feira de equipamentos médicos nos Estados Unidos. Com a tecnologia, a empresa conseguiu coibir fraudes e empréstimos da carteirinha.

O trabalho dos médicos também é monitorado em tempo real por um grupo de funcionários, que avalia a qualidade do atendimento e também a assertividade do diagnóstico. Os resultados influenciam a remuneração variável desses profissionais.

“Posso vigiar o trabalho de todos os funcionários, desde quem limpa o banheiro até o cirurgião”, disse Cândido Pinheiro a Janguiê Diniz. “Mas mesmo tendo o controle de todas as fases do processo, o maior desafio ainda é fazer com que até o funcionário da ponta entenda o que eu quero.”

  • Importante: Fausto Botelho, um dos maiores especialistas de análise gráfica do Brasil, está reunindo um grupo para ganhar ao lado dele. Você pode conseguir um lugar. Veja como aqui.

Controle total

O grupo radicalizou o modelo de verticalização — 92% dos atendimentos do plano de saúde são realizados em hospitais, clínicas e laboratórios próprios. Mas essa filosofia vai além do atendimento médico. Os sistemas de TI são desenvolvidos dentro de casa por uma equipe própria, com profissionais que o fundador foi buscar principalmente no setor financeiro.

A empresa também constrói as unidades, é dona de uma lavanderia e não terceiriza nem o telemarketing. Entre os funcionários diretos, além de médicos e enfermeiros, há pedreiros, encanadores e eletricistas. Até os uniformes dos 22 mil colaboradores e as roupas dos pacientes são confeccionados internamente por uma equipe de costureiras comandada por Eugênia Pinheiro, de 95 anos, mãe de Candido.

“No começo, fazia em casa. Depois, ele criou o Hospital Antônio Prudente em 1986, e aí tinha que fazer as roupas do hospital. Foi aí que chamei uma costureira para me ajudar. Eu cortava e ela costurava”, contou Dona Eugênia, em 2017, ao jornal Tribuna do Ceará. Ela vai ao hospital três vezes na semana para coordenar as costuras.

Os projetos de construção de clínicas e hospitais são supervisionados pela esposa de Candido, Ana Lima, de 70 anos. Ela se formou em enfermagem, mas se especializou em arquitetura hospitalar.

Desde 2000, o fundador preside o conselho de administração e acompanha de perto a operação, tocada pelos dois filhos — Jorge, formado em medicina como o pai, é presidente executivo, e Candido Jr., graduado em administração, é vice-presidente comercial e responsável pela expansão.

Só entre 2015 e 2018, o faturamento da Hapvida cresceu 86%, para R$ 4,5 bilhões. O plano odontológico que tem sido nos últimos 20 anos uma das alavancas de crescimento tem alcance nacional desde 2014. Para garantir  a atuação em outras regiões, o grupo passou a “comprar” a agenda de dentistas.

“Detectamos em quais bairros há o maior número de clientes, que pode ser a região onde fica uma empresa com muitos funcionários. Então, compramos a agenda de dentistas nesses bairros", explicou Candido Pinheiro Junior ao Valor Econômico em 2015.

Além da Hapvida

Enquanto trabalhava na Hapvida, o médico oncologista aproveitou a ajuda dos filhos no escritório, para se dedicar a um hobby: desvendar a genealogia das famílias nordestinas. “Ele começou a pesquisa há mais de 20 anos para pedir seu retorno ao judaísmo”, conta José Francisco Pinheiro, professor de história da Universidade Federal do Ceará e amigo pessoal de Candido.

“Ele reuniu amigos e pesquisadores remunerados, no Brasil e na Europa, para fazer essa pesquisa.” Os estudos para descobrir sua origem e a povo do Nordeste já lhe renderam mais de cinco livros publicados.

Ao ser entrevistado em um dos lançamentos, Candido Pinheiro disse que a mensagem principal de seu trabalho é mostrar que “97% da população têm sangue judeu, do negro muçulmano da África do Norte ao muçulmano semita, o que forma o plasma da sociedade colonial nordestina”.

O médico, fundador da Hapvida, tem uma influência poderosa na região, não apenas por deter a liderança dos planos de saúde. Desde 2014, a família é controladora do maior grupo de comunicação do Nordeste, que detém a concessão de cinco emissoras de TV, afiliadas do SBT e da Record.

Mas Candido prefere distância dos holofotes e das câmeras. Em uma de suas entrevistas mais recentes, concedida ao canal do Youtube do empresário Janguiê Diniz,  disse que não tem talento para falar em público. “Na minha vida toda me fiz desse modo, pouco comunicativo, introspectivo e cirurgião. Se eu me fiz alguma coisa na vida, foi como cirurgião.”

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Otimismo na bolsa

Firme e forte: Ibovespa engata a quarta alta seguida e chega a mais um recorde

O Ibovespa aproveitou-se da ausência de fatores negativos e do bom desempenho das ações da Petrobras para fechar em alta e cravar mais um recorde

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin indica alta e 12 criptomoedas alternativas para ficar de olho

Fausto Botelho fala sobre a alta recente do S&P, que está em sinal amarelo, sobre a tendência de alta do bitcoin e outras 12 altcoins para ficar de olho

Ganhando tração

Conversas sobre potencial venda da rede móvel da Oi estão acelerando, diz presidente da Tim

Segundo Labriola, uma eventual avaliação da compra da Oi só vai ocorrer caso o ativo seja formalmente colocado à venda, o que ainda não ocorreu

Novo recorde

O maior IPO da história: a Saudi Aramco vai levantar US$ 25,6 bilhões com sua abertura de capital

A petroleira Saudi Aramco, considerada uma das companhias mais rentáveis do mundo, divulgou há pouco os detalhes finais de sua oferta pública inicial de ações. E, pelos números reportados pela estatal saudita, não estamos falando de um IPO qualquer: trata-se da maior operação do tipo já feita na história. As ações da Aramco foram precificadas […]

Oferta da XP

CVM diz que fundo brasileiro pode captar recursos para investir em IPO nos EUA

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou hoje que fundos de investimento podem captar recursos de investidores brasileiros para investir em ofertas de ações fora do país. “Em tese, não há restrição para que um ‘fundo brasileiro capte recursos de investidores brasileiros para investir em ofertas públicas no exterior’”, disse a CVM, em nota. Eu […]

OLHO NA CONSTRUÇÃO

PIB da construção deve crescer 2% em 2019 e 3% em 2020, dizem Sinduscon-SP e FGV

O avanço do PIB da construção neste ano está sendo puxado, essencialmente, pelo consumo das famílias, enquanto as atividades empresariais ficaram em segundo plano

Fundos de investimento

Fundos de small caps são os mais rentáveis do ano; saiba quanto rendeu cada tipo de fundo até o fim de novembro

Fundos de ações tiveram o melhor desempenho do ano até agora; fundos que investem em títulos públicos de longo prazo também têm se saído bem

Gestoras

Dólar a R$ 4 ou R$ 4,50 pode impedir um rali na Bovespa?

Para gestora Persevera não haverá mais o “kit Brasil”, ou seja, os ativos brasileiros não necessariamente andarão todos na mesma direção

OLHA O RECORDE

Captação em mercado das empresas atinge recorde de R$440 bilhões, diz Anbima

A renda variável foi destaque, com R$ 78,3 bilhões em captações realizadas por meio de follow on e IPOs, de janeiro a novembro, contra R$ 11,3 bilhões no mesmo período de 2018

uma bolada

Indústria de fundos levanta R$ 228,1 bilhões até novembro e encosta no recorde de 2017

Fundos de ações chegaram a uma captação líquida de R$ 67,5 bilhões, quase três vezes ante o mesmo intervalo de 2018 e se destacaram como a classe que mais atraiu recursos até novembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements