Menu
2019-04-02T18:40:51+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Privatizações

Caixa pretende vender até R$ 15 bilhões em participações até junho

Banco público planeja abrir o capital das unidades de seguros e de cartões no segundo semestre deste ano, afirmou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães

2 de abril de 2019
18:40
Pedro Guimaraes, presidente da Caixa Econômica Federal
Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães - Imagem: Clauber Cleber Caetano/PR

Dentro da onda de privatizações em curso no governo Bolsonaro, a Caixa Econômica Federal pretende se desfazer de até R$ 15 bilhões em participações detidas diretamente ou via fundos até junho deste ano. A afirmação é do presidente da instituição, Pedro Guimarães.

A Caixa foi a responsável pelo pontapé inicial das privatizações do governo com a oferta de ações detidas pela instituição na resseguradora IRB, em fevereiro deste ano. Ele não citou nomes, mas a próxima venda deve ser a das ações que o banco detém na Petrobras.

A Caixa também planeja a abertura de capital de quatro subsidiárias na bolsa. A oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) das unidades de seguros e de cartões deve acontecer no segundo semestre deste ano, segundo Guimarães.

O banco também pretende vender na bolsa parte das ações das empresas de loterias e gestão de fundos de investimentos (asset management) no primeiro semestre do ano que vem.

"Se a gente não vender pelo menos R$ 100 bi em operações no mercado de capitais eu considero que não tive sucesso", afirmou o presidente da Caixa, que participou hoje de evento promovido pelo Bradesco BBI, em São Paulo.

Sem Bia

Ao falar sobre os desafios à frente da Caixa, Guimarães mencionou a Bia, como é conhecida a plataforma de inteligência artificial do Bradesco.

"Nós não vemos ter a Bia, a Caixa não vai chegar nisso", afirmou.

Guimarães diz que o banco tem prioridades muito mais imediatas. Uma delas é o aumento na base de cartões de crédito.

O presidente da Caixa disse que o banco possui hoje 96 milhões de cartões ativos, mas apenas 5 milhões de cartões de crédito. "Por que não usar a rede de lotéricas para vender cartões e microsseguros? É o básico do básico", disse.

Guimarães disse ainda que a Caixa deve obter entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões com a redução de despesas. Como exemplo de gastos desnecessários, ele citou os sete prédios que o banco tem na Avenida Paulista e outros 15 em Brasília.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Exile on Wall Street

CRISTO 2.0 — Desta vez é diferente

Ainda que tivéssemos sofrido as mazelas da crise de 2008, a verdade é que a recuperação no Brasil veio em formato de V, muito em função do fato de termos as condições para adotar medidas contracíclicas

Leve correção

Ibovespa abre em leve queda, aguardando novidades no front político

Após quatro altas consecutivas, o Ibovespa cede a um ligeiro movimento de realização de lucros e opera em queda; o dólar à vista sobe e aprece na casa de R$ 3,83

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Chá inglês para a rainha e o primeiro-ministro

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

no patamar baixo

Confiança do consumidor sobe 1,9 ponto em junho em comparação a maio

Apesar da alta, o índice se mantém em patamar baixo em termos históricos, ponderou a FGV, que diz que a melhora foi determinada pela calibragem das expectativas

fala senador

‘Se for verdade, ultrapassou o limite ético’, diz Alcolumbre sobre Moro

O senador observou, contudo, que não é possível dizer que o conteúdo das mensagens reveladas pelo site seja verdadeiro

IPCA-15

Prévia da inflação tem alta de 0,06% em junho e atinge índice mais baixo para o mês desde 2006

Em 2019, o índice já acumula uma alta de 2,33%. Nos últimos 12 meses, encerrado em junho, a taxa chega a 3,84%. Passagens aéreas foram os itens individuais com maior impacto no índice do mês

O pior já passou

BC reitera importância das reformas e não da Selic para retomada da economia

Ata do Copom diz que juro atual estimula atividade e que redução de incerteza vai impulsionar investimento privado. Selic deve ficar em 6,5% por mais tempo

Guerra comercial

China diz esperar que reunião entre Trump e Xi solucione ‘questões pendentes’

Como parte dos preparativos para o encontro que deve ocorrer durante a reunião do G20, o Representante Comercial dos EUA, Robert Lightizer, falou ontem com o principal negociador de Pequim, o vice-primeiro-ministro Liu He

olho nas eleições

Bolsonaro provoca Doria e fala em 2022

Ao comentar as negociações para a transferência das provas da Fórmula 1 para o Rio de Janeiro, Bolsonaro afirmou que o governador de São Paulo, João Doria, deveria “pensar no País”

no tribunal

CVM retoma nesta terça-feira, 25, julgamento de processos contra Eike Batista

O empresário já recebeu veredito de dois processos; no primeiro, foi condenado a pagar uma multa de R$ 536 milhões por insider trading; no segundo, foi absolvido

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements