Menu
Vinícius Pinheiro

Olá, tudo bem?

Eu sou o Vinícius Pinheiro (@vinipinn), repórter especial do Seu Dinheiro. Se você já acompanha esse mundo de economia e finanças é possível que tenha se deparado com alguma das minhas reportagens em jornais como O Estado de S.Paulo, Valor Econômico e Gazeta Mercantil. Mas certamente não sabe muito mais sobre mim além do nome que vem no cabeçalho de cada uma dessas matérias.

Imagino que a sensação de escrever um texto sobre si próprio seja parecida com aquela que as pessoas relatam quando passam por uma situação extrema: o filme da sua vida passa pela frente. No meu caso, o filme (ou novela, como preferir) exibido foi o da minha vida profissional.

E a primeira imagem que surgiu, logo depois dos créditos imaginários, foi a de um jovem estudante de jornalismo que nos fins de semana tocava (mal) contrabaixo em uma banda de rock chamada Os Imigrantes, que estava prestes a estourar. Faltava apenas sair da garagem.

Na remota hipótese de a banda não der certo, o plano B era me tornar jornalista de cultura. Eu já me imaginava sendo enviado para congressos internacionais de literatura, onde faria longas entrevistas com prêmios Nobel regadas a charutos e destilados.

A realidade, porém, insistia em se impor. E nela eu precisava despertar todos os dias pouco antes das cinco da manhã, a tempo de pegar o ônibus fretado que me levava de Santos para São Paulo, onde trabalhava como técnico do Procon (sim, o órgão de defesa do consumidor). Depois de passar as oito horas seguintes ouvindo reclamações, ainda precisava descer a serra para assistir às aulas na faculdade.

Eu já estava no último ano do curso de jornalismo em janeiro de 1999 quando cheguei para mais um dia de trabalho. O horário de atendimento começava às 8h e era comum encontrar algumas pessoas à espera na porta do velho prédio da Rua Líbero Badaró. Mas naquela manhã a fila se estendia por vários metros e chegava perto do antigo Banespinha, que anos mais tarde viraria a sede da Prefeitura.

O problema de quase todos à espera de atendimento no Procon naquela manhã era parecido: a prestação do financiamento do carro havia praticamente dobrado de um mês para o outro. Foi só quando se dirigiram ao banco em busca de explicações que eles descobriram que não haviam contraído um empréstimo normal, mas um leasing cambial.

Tratava-se de uma alternativa mais barata de financiar o carro oferecida pelos bancos na época, mas com o pequeno detalhe de o valor dos boletos estar sujeito à flutuação do dólar. Como a cotação da moeda se mantinha controlada pelo regime de bandas, nem os bancos se preocupavam em informar nem os clientes em saber desse risco. Isso, é claro, até as bandas estourarem e o governo passar a adotar o câmbio flutuante.

Perdi a conta de quantos consumidores entre confusos e revoltados atendi nos meses que se seguiram. Nesse meio tempo, fui atrás de mais informações sobre aquela crise, intrigado como problemas em países tão distantes como a Rússia ou a Coreia podiam influenciar a nossa economia. Além, é claro, de nossos próprios erros e fragilidades.

Conforme aprendia, fui tomando gosto por essa coisa de economia. Deixei o Procon, onde era funcionário concursado, logo depois da formatura para abraçar a profissão de jornalista. A banda de rock, quem diria, jamais deixou a garagem, e os planos de entrevistar prêmios Nobel de literatura foram substituídos pelos meus próprios livros de ficção. Escrevi os romances O Roteirista, publicado pela Rocco em 2007, e Abandonado, que saiu pela Geração em 2015 – nenhum deles descoberto (ainda) pela Academia Sueca.

Junto com a paixão (e sofrimento) por escrever, a curiosidade por entender mais sobre economia e finanças só aumentou nesse período. Como repórter, tive a oportunidade de estar bem próximo dos acontecimentos que movimentaram o mercado de capitais brasileiro nos últimos anos.

Eu cobria o sobe e desce da bolsa quando o Ibovespa atingiu seu primeiro grande recorde histórico em 2008. Assisti ao discurso do ex-presidente Lula, que na época ainda era “o Cara”, para uma plateia de banqueiros na bolsa no fechamento da megacapitalização da Petrobras. Acompanhei o Brasil ganhar e perder o grau de investimento das agências de classificação de risco. E reforcei a equipe de política na votação do Senado que selou o impeachment da ex-presidente Dilma.

Agora estou aqui no Seu Dinheiro, para trazer a você algumas dessas histórias enquanto outras histórias se repetem, mas sempre de uma maneira nova. Espero que você me acompanhe e também faça parte deste filme, que ainda promete muitas emoções.

Aquele abraço,

Vinícius Pinheiro

Mostrar mais
Publicações
Seu Dinheiro na sua noite

Que venha a concorrência

Durante a greve dos caminhoneiros no ano passado, boa parte da população se colocou a favor do movimento, e por um motivo justo: o preço dos combustíveis é muito alto no Brasil. Mas você já parou para pensar no caminho que a gasolina (ou o diesel, no caso) faz até chegar à bomba dos postos? […]

Bancos

Bradesco diz que crédito segue de lado com economia fraca, mas mantém projeções para o ano

A estratégia do Bradesco para manter expectativa de avanço de 8% a 13% no ano é dar foco em linhas com mais probabilidade de crescimento, todas elas voltadas para pessoas físicas

Dívida bilionária

Bradesco diz que bancos preferem renegociar dívidas da Odebrecht fora da recuperação judicial

Embora busquem o caminho fora da recuperação judicial, os bancos trabalham com todos os cenários para a Odebrecht, segundo Octavio de Lazari, presidente do Bradesco

Seu Dinheiro na sua noite

De caçador a caça

Do grampo telefônico ao aplicativo Telegram, a democracia brasileira parece fadada a conviver com o vazamento ilegal de conversas privadas – e na maioria das vezes pouco republicanas – de autoridades. Quem não se lembra dos grampos do BNDES, que derrubaram uma penca de tucanos no fim do primeiro mandato do governo FHC? Ou da […]

Bancos

É hora de vender as ações de Itaú e Bradesco e comprar as da B3, diz Goldman Sachs

Para os analistas do banco americano, os bancos brasileiros terão dificuldades em manter o crescimento do crédito em meio ao desempenho abaixo do esperado da economia

Seu Dinheiro na sua noite

É débito, crédito ou “peso real”?

Vai pagar em pesos, dólares ou reais? Se você estivesse na Buenos Aires na segunda metade dos anos 1990, a moeda não fazia diferença: as três valiam o mesmo. Como forma de contar vantagem, um amigo gosta de relatar a inesquecível experiência de sacar dólares de um caixa eletrônico na capital portenha. Era claramente uma […]

Seu Dinheiro na sua noite

Quando os bancos resolvem dar uma de Masterchef

Junte várias empresas de um mesmo setor espalhadas por várias regiões do país. Prepare um plano agressivo de expansão via aquisições. Misture tudo e venda as ações em um IPO (sigla em inglês para oferta pública de ações) na bolsa. Nos tempos áureos do mercado, o prato foi servido como iguaria pelos bancos, que trocavam […]

Seu Dinheiro na sua noite

A sua aposentadoria está em risco

O título do texto que você acabou de abrir não está errado nem foi colocado apenas para chamar a sua atenção. A sua aposentadoria está em risco, sim. Aliás, já estava diante do rombo crescente da Previdência, mas agora essa ameaça ficou ainda mais iminente. O motivo? Não há mais dinheiro para pagar, e já […]

Venda na bolsa

Sócios do BTG Pactual podem colocar até R$ 3 bilhões no bolso com venda de ações em oferta

Volume ficou acima do inicialmente anunciado pelo banco, que era de R$ 2 bilhões. Só neste ano as ações do BTG dobraram de valor na bolsa

Entrevista

Sem Parar, o primeiro unicórnio brasileiro, vai além do pedágio e acirra disputa por pagamentos

Com 5 milhões de clientes, o Sem Parar virou praticamente sinônimo de pagamento automático de pedágio. Mas diversificou a atuação para crescer e se defender da concorrência. Eu entrevistei Fernando Yunes, presidente da empresa, e conto mais detalhes dos planos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements