Menu
Vinícius Pinheiro

Olá, tudo bem?

Eu sou o Vinícius Pinheiro (@vinipinn), repórter especial do Seu Dinheiro. Se você já acompanha esse mundo de economia e finanças é possível que tenha se deparado com alguma das minhas reportagens em jornais como O Estado de S.Paulo, Valor Econômico e Gazeta Mercantil. Mas certamente não sabe muito mais sobre mim além do nome que vem no cabeçalho de cada uma dessas matérias.

Imagino que a sensação de escrever um texto sobre si próprio seja parecida com aquela que as pessoas relatam quando passam por uma situação extrema: o filme da sua vida passa pela frente. No meu caso, o filme (ou novela, como preferir) exibido foi o da minha vida profissional.

E a primeira imagem que surgiu, logo depois dos créditos imaginários, foi a de um jovem estudante de jornalismo que nos fins de semana tocava (mal) contrabaixo em uma banda de rock chamada Os Imigrantes, que estava prestes a estourar. Faltava apenas sair da garagem.

Na remota hipótese de a banda não der certo, o plano B era me tornar jornalista de cultura. Eu já me imaginava sendo enviado para congressos internacionais de literatura, onde faria longas entrevistas com prêmios Nobel regadas a charutos e destilados.

A realidade, porém, insistia em se impor. E nela eu precisava despertar todos os dias pouco antes das cinco da manhã, a tempo de pegar o ônibus fretado que me levava de Santos para São Paulo, onde trabalhava como técnico do Procon (sim, o órgão de defesa do consumidor). Depois de passar as oito horas seguintes ouvindo reclamações, ainda precisava descer a serra para assistir às aulas na faculdade.

Eu já estava no último ano do curso de jornalismo em janeiro de 1999 quando cheguei para mais um dia de trabalho. O horário de atendimento começava às 8h e era comum encontrar algumas pessoas à espera na porta do velho prédio da Rua Líbero Badaró. Mas naquela manhã a fila se estendia por vários metros e chegava perto do antigo Banespinha, que anos mais tarde viraria a sede da Prefeitura.

O problema de quase todos à espera de atendimento no Procon naquela manhã era parecido: a prestação do financiamento do carro havia praticamente dobrado de um mês para o outro. Foi só quando se dirigiram ao banco em busca de explicações que eles descobriram que não haviam contraído um empréstimo normal, mas um leasing cambial.

Tratava-se de uma alternativa mais barata de financiar o carro oferecida pelos bancos na época, mas com o pequeno detalhe de o valor dos boletos estar sujeito à flutuação do dólar. Como a cotação da moeda se mantinha controlada pelo regime de bandas, nem os bancos se preocupavam em informar nem os clientes em saber desse risco. Isso, é claro, até as bandas estourarem e o governo passar a adotar o câmbio flutuante.

Perdi a conta de quantos consumidores entre confusos e revoltados atendi nos meses que se seguiram. Nesse meio tempo, fui atrás de mais informações sobre aquela crise, intrigado como problemas em países tão distantes como a Rússia ou a Coreia podiam influenciar a nossa economia. Além, é claro, de nossos próprios erros e fragilidades.

Conforme aprendia, fui tomando gosto por essa coisa de economia. Deixei o Procon, onde era funcionário concursado, logo depois da formatura para abraçar a profissão de jornalista. A banda de rock, quem diria, jamais deixou a garagem, e os planos de entrevistar prêmios Nobel de literatura foram substituídos pelos meus próprios livros de ficção. Escrevi os romances O Roteirista, publicado pela Rocco em 2007, e Abandonado, que saiu pela Geração em 2015 – nenhum deles descoberto (ainda) pela Academia Sueca.

Junto com a paixão (e sofrimento) por escrever, a curiosidade por entender mais sobre economia e finanças só aumentou nesse período. Como repórter, tive a oportunidade de estar bem próximo dos acontecimentos que movimentaram o mercado de capitais brasileiro nos últimos anos.

Eu cobria o sobe e desce da bolsa quando o Ibovespa atingiu seu primeiro grande recorde histórico em 2008. Assisti ao discurso do ex-presidente Lula, que na época ainda era “o Cara”, para uma plateia de banqueiros na bolsa no fechamento da megacapitalização da Petrobras. Acompanhei o Brasil ganhar e perder o grau de investimento das agências de classificação de risco. E reforcei a equipe de política na votação do Senado que selou o impeachment da ex-presidente Dilma.

Agora estou aqui no Seu Dinheiro, para trazer a você algumas dessas histórias enquanto outras histórias se repetem, mas sempre de uma maneira nova. Espero que você me acompanhe e também faça parte deste filme, que ainda promete muitas emoções.

Aquele abraço,

Vinícius Pinheiro

Mostrar mais
Publicações
Dinheiro no bolso

Sócios da XP vão vender ações em oferta na Nasdaq. E o Itaú não está entre eles

Fundo General Atlantic e a XP Controle – a holding que reúne a participação dos sócios e executivos da XP – vão vender até US$ 978 milhões em ações da corretora

Dívida de R$ 150 milhões

Ambipar vai usar parte do dinheiro de IPO para pagar dívida com Bradesco

O IPO da empresa de tratamento de resíduos pode movimentar até R$ 1,270 bilhão se as ações forem vendidas no teto da faixa indicativa, que varia de R$ 18,75 a R$ 24,75

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O passado, o presente e o futuro do ouro

Quando os conquistadores espanhóis invadiram o México, chamaram a atenção dos Astecas que habitavam a região pela obsessão pelo ouro. O que havia de tão especial naquele metal amarelo e brilhante que nem sequer podia ser usado em ferramentas ou armas? A resposta de Hernán Cortés aos astecas foi: “eu e os meus companheiros sofremos […]

seu dinheiro na sua noite

Como uma (segunda) onda

Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia. Está aí uma maneira mais poética de falar sobre o “novo normal”, esse termo que os metidos a intelectuais adoram odiar. Aprendemos a cantar com o Lulu Santos que a vida vem em ondas como o mar, num indo e vindo […]

seu dinheiro na sua noite

Do nocaute à vitória

Um gestor de fundos me perguntou certa vez como eu fazia para arrumar assunto para escrever os textos que publico aqui no Seu Dinheiro. Eu fiz um charme e disse que às vezes podia ser difícil. Mas certamente menos do que ser o responsável pelo dinheiro de milhares de cotistas de um fundo de investimentos. O […]

Briga de sócios

XP diz que leva R$ 150 milhões por dia do Itaú e que Personnalité pode acabar em 3 anos

Gabriel Leal, sócio da XP, disse que o Itaú deveria repensar o investimento na corretora se está desconfortável com o modelo da empresa

Fundos

Levanta, sacode a poeira: fundos multimercados que caíram na crise voltam a superar o CDI

A rápida e inesperada retomada dos mercados a partir de maio acabou ajudando a tirar boa parte dos fundos da lona. Dos 300 multimercados que estavam no vermelho em março, 112 viraram para o positivo e 39 já superam o CDI

Entrevista

Itaú diz que aprendeu com as críticas e defende modelo sem conflitos de interesse em investimentos

Intenção do banco com a campanha publicitária em que critica agentes autônomos foi colocar em pauta os modelos de distribuição de produtos de investimento, segundo diretores

Análise

O império contra-ataca: O que está em jogo na briga entre Itaú e XP

Não há mocinhos ou vilões claramente definidos na disputa entre o bancão e a corretora. No fim do dia, todos estão do mesmo lado: o do dinheiro. O que não necessariamente é um problema se houver competição e transparência

seu dinheiro na sua noite

XP e BTG no GP de Mônaco das corretoras

Imagine disputar uma corrida de Fórmula 1 no circuito de Mônaco, e com ninguém menos do que Ayrton Senna na liderança, quase uma volta na frente do segundo colocado. Se já é difícil ultrapassar na pista estreita e com curvas fechadas, alcançar o primeiro colocado, que ainda por cima não para de acelerar, parece uma […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements