🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
COM A PALAVRA, GALÍPOLO

Sem compromisso com novos cortes na taxa Selic, diretor de política monetária do BC diz que Copom está “aberto às possibilidades”

Vale relembrar que o colegiado decidiu eliminar o “forward guidance” da comunicação no encontro mais recente, em maio. A próxima reunião está marcada para 18 e 19 de junho

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
6 de junho de 2024
17:07 - atualizado às 14:38
corte selic copom
Imagem: Adobe Stock/Montagem: Giovanna Figueredo

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Gabriel Galípolo, disse nesta quinta-feira que o Comitê de Política Monetária (Copom) chegará à sua próxima reunião, de 18 e 19 de junho, "aberto às possibilidades" para a taxa Selic.

O colegiado decidiu eliminar o "forward guidance" da comunicação no encontro mais recente, de maio.

Em palestra na final da Olimpíada Brasileira de Economia, em São Paulo, Galípolo elogiou as explicações do presidente do BC, Roberto Campos Neto, sobre os trade-offs que a autoridade monetária tem de considerar.

"Muitas vezes os dados não estão indicando para o mesmo lado e é a composição que estamos analisando e é por isso que estamos indo sem um guidance para a próxima reunião, abertos às possibilidades que existem", afirmou Galípolo. "A intenção é justamente não fornecer nenhum tipo de guidance."

O diretor lembrou que as condições financeiras do Brasil se apertaram depois da decisão do Copom de maio, quando a taxa Selic foi reduzida em 0,25 ponto porcentual, para 10,5%.

Ele também destacou que o crescimento da economia vem surpreendendo positivamente, mas evitou uma avaliação sobre se isso responde ou não a um aumento do PIB potencial. Segundo o diretor, ainda é difícil observar um crescimento de produtividade em alguns setores compatível com essa elevação.

Além da Selic, Galípolo afasta rumores de racha no BC

O diretor de Política Monetária do BC também fez um esforço para afastar a sensação de que haveria um racha na diretoria da autoridade monetária após a última reunião do Copom para definir os rumos da Selic.

Galípolo afirmou que, embora entenda a simbologia e a semiótica transparecida no último encontro, seria importante "deixar claro" que não houve uma discussão antagônica entre os diretores.

"E quem trabalha com modelos similares ao do BC sabe que 25 pontos-base estão dentro do intervalo de confiança, é uma discussão quase esotérica para inflação, o que não quer dizer que não tenha valor", disse o diretor da autoridade monetária.

Ele voltou a falar do peso do "forward guidance" na decisão de quem votou pela redução de 0,5 ponto porcentual da Selic, pontuando que os diretores mais antigos estão na "volta da vitória", desfrutando de uma credibilidade conquistada nos últimos anos que eventualmente não os vincularia a "entregar o guidance", o que não necessariamente aconteceria com os novos integrantes do BC.

"Se eu acreditar que é verdade o que vemos e lemos, a partir da autonomia, cada diretor vai ser analisado de forma individual", disse Galípolo, pontuando que isso pode provocar diferenças marginais como "aconteceu agora".

Argumentou, contudo, que seria equivocado entender que houve um trade off entre o compromisso com a guidance e o compromisso com a meta de inflação - que está "colocado", garantiu.

Galípolo também reconheceu ser curioso que, segundo ele, passe mais tempo defendendo o voto dos diretores que foram favoráveis a uma redução menor da taxa de juros, argumentando que há muito valor no consenso.

"Vejo muito valor no consenso não só por questão conjuntural, é menos fácil errar em nove do que errar sozinho. Todas as vezes temos diálogos francos, honestos. É um volume imenso de informações", disse o diretor, pontuando que ninguém teria se surpreendido com o seu voto ou com o do presidente do BC, Roberto Campos Neto.

Compartilhe

LOTERIAS

Quando a Mega-Sena falha, a Lotofácil não decepciona; veja os ganhadores

14 de junho de 2024 - 5:54

Enquanto o prêmio acumulado da Mega-Sena atingiu a marca de R$ 47 milhões, a Lotofácil teve dois ganhadores na noite de quinta-feira

Pressão do mercado

Haddad diz que “vai dar uma geral” no Orçamento 2025 e acelerar agenda de cortes de gastos

13 de junho de 2024 - 16:40

Segundo o ministro da Fazenda, será feita uma “revisão ampla, geral e irrestrita” das propostas para reduzir despesas

Questão fiscal brasileira

‘Modelo de arrecadação esgotou e governo tem que olhar para os custos’, afirma sócio da O2 capital

13 de junho de 2024 - 9:16

Oestes Costa comenta a necessidade de uma mudança na agenda econômica para “destravar o país” e recomenda investimentos para uma carteira diversificada; confira

LOTERIAS

Lotofácil sai para bolão em SP e Caixa recebe apostas exclusivas para a Quina de São João; Mega-Sena acumulada corre hoje

13 de junho de 2024 - 5:54

Enquanto a Lotofácil faz jus à fama de loteria “menos difícil” do Brasil, prêmio da Mega-Sena está acumulado em R$ 40 milhões

PRÊMIO BANCO CENTRAL DO ANO

Recado para Lula e Haddad? A declaração de Campos Neto sobre a autonomia do BC e as decisões de juros para conter inflação

12 de junho de 2024 - 19:54

Presidente da autoridade monetária recebeu o prêmio “Banco Central do Ano”, conferido pelo portal de notícias Central Banking, em Londres e aproveitou para falar sobre sua gestão

AJUDA AO GOVERNO

Dividendos pingando na conta do Tesouro: BNDES eleva pagamento de proventos para 50% — e cifra deve chegar a R$ 16 bilhões

12 de junho de 2024 - 19:30

Aumento do percentual de pagamento de dividendos de 25% para 50% não deve reduzir os desembolsos do banco, segundo Aloizio Mercadante

De olho nos petrodólares

Ministro da Agricultura elege sauditas como “parceiros preferenciais”

12 de junho de 2024 - 18:42

Fávaro disse que tem fechado acordos para infraestrutura e formação de fundos com a Arábia Saudita

PRESTAÇÃO DE CONTAS

O que o TCU viu de certo — e também de errado — nas contas do governo Lula em 2023?

12 de junho de 2024 - 18:21

A auditoria da prestação de contas de Lula no ano passado verificou cerca de R$ 109 bilhões em irregularidades e distorções de valor no balanço da União

MINISTROS DIVIDIDOS

A remuneração do FGTS vai mudar: confira a decisão do STF sobre o cálculo que pode afetar o setor imobiliário

12 de junho de 2024 - 16:15

Atualmente, os valores depositados no fundo remuneram a Taxa Referencial (TR) mais 3% ao ano, além do eventual lucro no período, mas o cálculo vai mudar.

MP da Compensação

Senado avalia usar Imposto de Renda, repatriação e dinheiro esquecido para compensar a desoneração da folha

12 de junho de 2024 - 12:03

Uma das fontes avaliadas pelo Senado para compensar desoneração é a taxação de compras internacionais

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar