🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
COM A PALAVRA, O CHEFE DO BC

Qual o futuro dos juros no Brasil? Campos Neto dá pistas sobre a trajetória da taxa Selic daqui para frente

O presidente do banco central falou sobre a inflação, o mercado de trabalho e sobre a trajetória da economia durante entrevista para a CNBC

Carolina Gama
17 de abril de 2024
20:03 - atualizado às 8:57
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central; o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne a cada 45 dias para definir a taxa básica de juros da economia, a Selic
Imagem: Raphael Ribeiro/BCB

Os investidores precisam esperar um pouco menos de um mês para saber o futuro dos juros no Brasil — o Comitê de Política Monetária (Copom) só volta a se reunir nos dias 7 e 8 de maio para definir o novo patamar da Selic, hoje em 10,75% ao ano. 

Depois de seis cortes seguidos da taxa básica, na última decisão, em 20 de março, o banco central fez uma mudança no comunicado que colocou em xeque a possibilidade de mais reduções dos juros ao longo de 2024. Entenda os detalhes dessa decisão.  

Nesta quarta-feira (17), o presidente do BC, Roberto Campos Neto, deu uma entrevista à rede CNBC no âmbito dos encontros promovidos pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, e jogou um pouco de luz sobre o futuro da política monetária no Brasil. 

Com a palavra, Campos Neto

Campos Neto abriu a entrevista falando da inflação. O chefe do BC brasileiro falou que o primeiro mês de 2024 trouxe um susto, com o aumento dos preços dos alimentos. 

“O aumento de preços dos alimentos no primeiro mês do ano trouxe muita preocupação para o governo, mas acreditamos que essa pressão tenha sido sazonal”, afirmou. 

Logo depois viria um recado sobre o que pode acontecer com os juros daqui para frente: “A última leitura da inflação veio abaixo do esperado e essa é uma tendência que deve se manter. Vemos um período de inflação indo para baixo”. 

A inflação oficial do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), desacelerou para 0,16% em março, de 0,83% em fevereiro e de 0,71% em março de 2023. Com o resultado, o IPCA acumula taxa de 1,42% no ano e de 3,93% em 12 meses, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Campos Neto, no entanto, chamou atenção para a inflação de serviços no Brasil. “Um dos fatores que ainda não convergiram é a inflação de serviços, que segue alta porque o mercado de trabalho está apertado”, disse ele, acrescentando que “de forma geral, a inflação está em linha com o que esperamos”.

CAMPOS NETO CORTOU A 'LETRINHA MÁGICA': E AGORA, ONDE OS JUROS VÃO PARAR? 

A última milha da inflação

Campos Neto disse que a "última milha" no combate à inflação, ao fim do dia, tem processos similares em diferentes lugares. 

"Em muitos lugares tem havido processo desinflacionário acompanhado por pleno emprego, uma combinação que não ocorre com muita frequência", disse. "Todos estão tentando compreender como será essa 'última milha'", acrescentou.

"O mercado de trabalho continua apertado e ainda há muitos estímulos fiscais por aí. Muitos lugares estão olhando para as mesmas variáveis", disse. 

"No caso do Brasil, eu diria que tivemos um resultado melhor na mais recente leitura de inflação. E dada a história, a tradição de inflação que se tem no País, conseguimos uma razoável convergência, com muito pouco custo para a sociedade", acrescentou.

O chefe do BC lembrou ainda que o crescimento econômico tem sido revisado para cima, os mercados de crédito estão voltando a se expandir e que o mercado de trabalho vai bem — e a inflação, ainda assim, está convergindo para a meta.

Os juros no Brasil

Campos Neto ainda mandou um recado para os investidores que avaliam a possibilidade de fim do ciclo de corte de juros no Brasil.

O presidente do Banco Central disse que se olha muito para as taxas nominais e para as taxas de juros reais, mas é preciso levar em conta o fato de a taxa de juros neutra — aquela que não aquece e nem esfria a economia — no Brasil, ser mais alta.

"E para a política monetária, não importa a taxa real que se tem, mas a diferença entre a taxa de juros neutra e a taxa de juros real no momento", afirmou.

"Quando olhamos para isso, nosso gap, nossa diferença é maior do que a se tem na maioria dos países da América Latina. E por que isso? Porque nossa taxa de juros neutra é mais alta do que a da maioria dos outros países", disse.

Compartilhe

Mudanças climáticas

Investimento verde é coisa de gringo, mas isso é bom para nós: saiba quais são as apostas ESG do investidor global no Brasil

17 de maio de 2024 - 6:33

Saiba para quais segmentos e tipos de negócios o investidor global olha no Brasil, segundo Marina Cançado, idealizadora de evento que aproximará tubarões internacionais com enfoque ESG do mercado brasileiro

LOTERIAS

Mega-Sena e Quina decepcionam de novo, mas Lotofácil faz 2 meio-milionários — e eles apostaram de um jeito diferente

17 de maio de 2024 - 5:42

Nenhum dos ganhadores da Lotofácil apostou em uma casa lotérica; na Mega-Sena e na Quina, os prêmios acumulados têm oito dígitos

E VEM MAIS POR AÍ

Uma ajuda extra da Receita: lote de restituição do Imposto de Renda para o Rio Grande do Sul supera R$ 1,1 bilhão

16 de maio de 2024 - 19:46

Além de incluir os gaúchos no primeiro lote de restituição, a Receita promoverá medidas para ajudar o contribuinte do estado castigado pelas enchentes

LOTERIAS

Lotofácil faz 2 meio-milionários, Quina acumula de novo e Mega-Sena oferece prêmio turbinado

16 de maio de 2024 - 5:58

Lotofácil sai para uma aposta comum e para um apostador “teimoso”; concurso de final 5 turbina prêmio da Mega-Sena

LOTERIAS

Bolão fatura Lotofácil e faz 4 milionários de uma vez só; Mega-Sena acumula e prêmio dispara

15 de maio de 2024 - 6:02

A Lotofácil estava acumulada ontem, o que engordou o prêmio da “máquina de milionários”; Quina acumulou de novo

MULTIMERCADOS

Ex-colega de Campos Neto no BC, gestor da Itaú Asset aposta em Copom mais rígido com os cortes na Selic daqui para frente

14 de maio de 2024 - 19:58

Ex-diretor de política monetária do BC entre 2019 e 2023 — sob o comando de RCN —, o economista Bruno Serra revelou o que espera para os juros no Brasil

LANCE REVISADO

Ata do Copom mostra divisão mais sutil entre Campos Neto e diretores escolhidos por Lula

14 de maio de 2024 - 10:18

Divergência entre os diretores do Banco Central se concentrou no cumprimento do forward guidance, mas houve concordância sobre piora no cenário

DE OLHO NAS REDES

Adeus, Campos Neto: logo a presidência do Banco Central deve ir para as mãos de um indicado de Lula — “o telefone vermelho vai tocar”

13 de maio de 2024 - 18:06

Campos Neto logo deixará a presidência do Banco Central. Quais são os riscos de um indicado de Lula tomar o lugar?

PESQUISA FOCUS

Projeção para Selic volta a subir após bola dividida no Copom a poucos meses da saída de Campos Neto

13 de maio de 2024 - 10:59

Estimativa para Selic no fim de 2024 sobe pela segunda semana seguida na Focus depois de Campos Neto ter precisado desempatar votação

SAINDO DO VERMELHO

Desenrola para MEI começa amanhã — e aqui está tudo o que você precisa saber para renegociar dívidas no Descomplica Pequenos Negócios

12 de maio de 2024 - 16:00

Não há limite para os valores das dívidas, mas só será possível renegociar débitos não pagos até 23 de janeiro deste ano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar