🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
ANIVERSÁRIO DE 1 ANO

A guerra 365 dias depois: os sinais de que Putin planejava a invasão à Ucrânia, mas o Ocidente fingiu não ver

Pronunciamentos, sanções, envio de equipamentos, plano de paz da China — confira também os principais eventos que marcam o dia

Carolina Gama
24 de fevereiro de 2023
14:14 - atualizado às 18:18
Putin acelera relógio do fim do mundo ameaça de guerra nuclear com guerra na Ucrânia
Presidente russo, Vladimir Putin - Imagem: Montagem / Seu Dinheiro

Já se passaram 365 dias desde que as forças russas chegaram à Ucrânia e, até agora, não há sinais reais de uma saída para a guerra — nenhum dos lados parece preparado para uma vitória direta, e o progresso na mesa de negociações neste momento é improvável.

Ao mesmo tempo, nem o presidente russo, Vladimir Putin, nem o ucraniano, Volodymyr Zelensky, mostram sinais de que podem recuar e abandonar um dos maiores conflitos militares desde o final da Segunda Guerra Mundial. 

Para os civis que estão no meio do fogo cruzado, isso significa que o derramamento de sangue e o sofrimento provocados pela guerra não têm fim próximo.

Os sinais da invasão

Sentindo-se encurralado, Putin alertou que poderia realizar uma “operação militar especial” na Ucrânia para defender o que chamou de soberania russa — mas o Ocidente entendeu o aviso da guerra como blefe.

Só que os sinais da Rússia vinham sendo emitidos muito antes daquele 24 de fevereiro de 2022. Desde pelo menos 2001, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) vem acelerando sua expansão em direção às fronteiras da Rússia, mas foi em 2014 que as hostilidades ganharam outra escala, com a anexação russa da Crimeia.

Embora diversos sejam os motivos para a invasão, o mais relevante deles é a influência da Otan no Leste Europeu — tendo como gatilho o pedido da Ucrânia para se tornar membro permanente da aliança. 

Para Putin, a Ucrânia na Otan significa a presença da aliança militar do ocidente em fronteiras russas, o que inclui o temor de nuclearização do território ucraniano.

Fonte: BBC

Os eventos do primeiro ano da guerra

Os sinais foram ignorados e Putin invadiu a Ucrânia. O primeiro ano da invasão está sendo marcado por alguns eventos importantes, tanto para um lado como para o outro. 

Na Ucrânia e em outros países, a data foi lembrada com momentos de silêncio, vigílias à luz de velas e protestos.

Confira os eventos recentes que marcaram o dia:

  • União Europeia promete apoio adicional para de refugiados ucranianos: A vice-presidente da Comissão da UE, Margaritis Schinas, disse que o número de refugiados ucranianos é estável e que não acredita que deve aumentar nos próximos meses. “Se acontecer, estamos preparados, mas não parece ser o caso por enquanto”, afirmou.
  • G-7 anuncia nova rodada de sanções contra a Rússia: O Grupo dos Sete (G7) anunciou uma série de novas sanções econômicas, militares e financeiras contra a Rússia. O grupo formado por Alemanha, Canadá, EUA, Reino Unido, Japão, França e Itália indicou que tomará medidas sem precedentes para enfraquecer a Rússia, prometendo medidas contra as exportações russas de diamantes, e alertou que terceiros países que ajudam a Rússia a escapar das sanções enfrentariam “custos severos”.
  • EUA fornecerão mais ajuda militar para a Ucrânia: O pacote de assistência militar norte-americano incluirá vários novos sistemas de drones e antidrones que os EUA não disponibilizaram anteriormente, bem como equipamentos para ajudar a Ucrânia a combater a guerra eletrônica russa. Os EUA também enviarão mais munição para os sistemas de foguetes de artilharia de alta mobilidade (Himars) e canhões de obus de 155 mm que Washington forneceu ao longo do ano.
  • Reino Unido proíbe a exportação centenas de produtos russos: O governo britânico barrou a compra de todos os itens que a Rússia usou no campo de batalha até o momento, uma lista que abrange centenas de produtos, incluindo peças de aeronaves, equipamentos de rádio e componentes eletrônicos. Os britânicos também impuseram sanções a altos executivos da estatal russa de energia nuclear Rosatom, que a Ucrânia diz serem cúmplices da apreensão e mudança forçada de nacionalidade dos funcionários da usina nuclear de Zaporizhzhia.
  • Banco Mundial anuncia US$ 2,5 bilhões em financiamento adicional para a Ucrânia: O Banco Mundial anunciou US$ 2,5 bilhões em financiamento adicional para a Ucrânia para apoiar o orçamento do país e manter serviços essenciais. Os fundos irão para apoiar os principais setores da Ucrânia, incluindo saúde, escolas, pagamento de pensões, pagamentos para pessoas deslocadas internamente, programas de assistência social e salários para funcionários que prestam serviços governamentais essenciais.
  • Ucrânia e Rússia saúdam a intervenção da China no processo de paz: A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que Moscou apreciou o plano da China para resolver o conflito na Ucrânia e disse que estava aberta para alcançar os objetivos do que chama de “operação militar especial” por meios políticos e diplomáticos. Já o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que é bom que a China esteja falando sobre a Ucrânia. A declaração da China “respeita nossa integridade territorial”, disse Zelensky, acrescentando que há alguns pensamentos na declaração de Pequim que são “compreensíveis” para ele e outros dos quais ele discorda.
  • Zelensky quer ir à cúpula de países latino-americanos: O presidente da Ucrânia  disse que quer fazer uma cúpula com os países latino-americanos, à qual ele diz que participaria pessoalmente “apesar de ser muito difícil deixar a Ucrânia”. Ele também quer que a Índia e a China participem de uma “cúpula de paz” para acabar com a guerra na Ucrânia.
  • O jeito russo de homenagear as vítimas da guerra: Em Nova York, o embaixador russo na ONU, Vasily Nebenzya, interrompeu um minuto de silêncio durante uma reunião do conselho de segurança. O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, pediu um minuto de silêncio para homenagear “as vítimas da agressão”. Quando os membros da assembleia se levantaram, Nebenzya começou a bater em seu microfone e pediu a palavra. Ele disse: “Estamos nos levantando para homenagear a memória de todas as vítimas do que aconteceu na Ucrânia, a partir de 2014. Todos aqueles que pereceram. Todas as vidas não têm preço”, disse.
  • Polônia entrega os primeiros tanques Leopard para a Ucrânia: O presidente da Polônia, Andrzej Duda, disse que seu país entregou seus primeiros tanques Leopard à Ucrânia. Duda disse que estava feliz que a Polônia foi a primeira nação a oferecer os tanques avançados para a Ucrânia. A Polônia prometeu 14 tanques Leopard 2 de fabricação alemã para a Ucrânia. Não ficou claro quantos tanques foram entregues.
  • Grécia expressa apoio à Ucrânia: O ministro das Relações Exteriores grego, Nikos Dendias, foi ao Twitter para expressar o apoio de seu país à Ucrânia. “Um ano desde a invasão russa da Ucrânia: a Grécia esteve e permanece ao lado do povo ucraniano, comprometida com seus princípios de respeito à legalidade internacional e à soberania territorial de todos os estados e contra qualquer revisionismo”, escreveu Dendias.
  • Zelensky recebe primeiro-ministro polonês: O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, postou no Telegram sobre a visita do primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, a Kiev hoje. Zelensky escreveu: “A Polônia estava conosco antes mesmo do início da guerra em grande escala, estava conosco a cada minuto deste ano e, tenho certeza, estará conosco até nossa vitória. Nossa vitória conjunta!” Ambos discutiram toda a gama de questões de defesa. As negociações envolveram armas para a Ucrânia e a cooperação em relação ao tratamento e reabilitação de soldados ucranianos.
  • Suécia enviará até 10 tanques Leopard para a Ucrânia: A Suécia enviará até 10 tanques Leopard e sistemas antiaéreos para a Ucrânia, segundo o primeiro-ministro, Ulf Kristersson, e o ministro da Defesa, Pål Jonson. O governo sueco disse em um comunicado: “Os tanques suecos reforçam a contribuição do Leopard 2 que outros países europeus fazem. A coordenação do apoio está em andamento com parceiros internacionais doando Leopard 2 ou outros tanques.”
  • Canadá fornecerá mais de US$ 32 milhões para segurança e a estabilização da Ucrânia: Os US$ 32 milhões incluem US$ 7,5 milhões para esforços de retirada de minas terrestres, mais de US$ 13 milhões para esforços de responsabilização que incluem abordar a violência sexual relacionada a conflitos e mais de US$ 12 milhões para “combater ameaças químicas, biológicas, radiológicas e nucleares. “Por um ano inteiro, o Canadá e a comunidade internacional se reuniram como nunca antes para apoiar a resiliência da Ucrânia diante das agressões do presidente Putin. O apoio do Canadá à soberania da Ucrânia é inabalável. Não vamos desistir até que a Rússia seja responsabilizada por seus crimes”, disse a ministra das Relações Exteriores do Canadá, Mélanie Joly.
  • Biden reforça apoio à Ucrânia e anuncia mais sanções: O presidente dos EUA, Joe Biden, manifestou seu apoio à Ucrânia hoje no Twitter, com uma foto com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, em Kiev. “A Ucrânia nunca será uma vitória para a Rússia. Nunca”, escreveu. Biden também anunciou uma nova rodada de sanções contra a Rússia. 
  • China pede negociações de paz entre Rússia e Ucrânia: O governo da China pediu negociações de paz entre a Ucrânia e a Rússia, enquanto pede a todas  as partes para evitarem uma escalada nuclear e acabarem com os ataques a civis, em um comunicado que parece manter a posição de Pequim de que o Ocidente está alimentando o conflito. O documento de 12 pontos foi divulgado nesta sexta-feira (24) e afirma que a comunidade internacional deve “criar condições e plataformas” para o reinício das negociações, e afirma que a China continuará a “desempenhar um papel construtivo nesta matéria”.
  • Rússia adverte sobre tropas na Moldávia: O Ministério das Relações Exteriores da Rússia alertou que qualquer ação que ameace suas tropas na região separatista da Moldávia, seria vista como um ataque direto à própria Rússia e desencadearia uma “resposta adequada”. O alerta de hoje veio um dia depois que o Ministério da Defesa da Rússia alegou que a Ucrânia planejava invadir a região separatista depois de encenar uma operação de bandeira falsa. A região se  separou da então Moldávia soviética em 1990 e é controlada pelos separatistas da Rússia.
  • Putin tenta silenciar o Wagner, grupo de mercenários que luta na guerra: Vários meios de comunicação estatais russos foram instruídos a não citar declarações feitas pelo fundador do grupo mercenário Wagner. Yevgeny Prigozhin, que é um dos associados mais notórios de Vladimir Putin, passou grande parte da última semana criticando publicamente os principais líderes militares da Rússia, acusando-os de "alta traição" e dizendo que eles se recusaram a fornecer munições a ele em uma tentativa de acabar com sua força de combate.
  • O plano de paz da Ucrânia para acabar com a guerra: O conselheiro presidencial ucraniano, Mykhailo Podolyak, disse que qualquer “plano de paz” para acabar com o conflito deve envolver a retirada das tropas russas para as fronteiras de 1991. No Twitter, ele disse que um cessar-fogo que resultaria na ocupação contínua do território russo “não é sobre a paz, mas sobre o congelamento da guerra, a derrota da Ucrânia, os próximos estágios do genocídio”.

Compartilhe

DÊ O PLAY!

Javier Milei já conseguiu avançar muito na Argentina — mas os últimos cortes deixaram a ‘faca’ do presidente cega?

25 de maio de 2024 - 11:00

Esse foi o tema do mais recente episódio do Touros e Ursos, o podcast do Seu Dinheiro, que contou com a presença do nosso colunista, Matheus Spiess

AYUDA, HERMANOS

A motosserra de Milei ficou sem combustível? Entenda por que o dólar voltou a bater máximas na Argentina — e por que isso já era esperado

23 de maio de 2024 - 12:55

Ao mesmo tempo em que o mercado aumentou o apetite por dólares, Javier Milei, o presidente do país, virou capa da revista Time

VAI VOLTAR A SUBIR?

Ata do Fed joga balde de água fria nas bolsas — entenda o que acabou de vez com o apetite por risco dos investidores hoje

22 de maio de 2024 - 16:04

Dirigentes do Fed estão descontentes com o ritmo da queda da inflação nos EUA e veem juros no atual nível por mais tempo

REI CHARLES AUTORIZOU

Primeiro-ministro dissolve o Parlamento e antecipa as eleições gerais no Reino Unido

22 de maio de 2024 - 14:44

Assim, os deputados perdem o seu mandato e agora precisam fazer campanha para a reeleição se quiserem continuar

EL PELUCA

Seis meses de Javier Milei: como está a Argentina hoje para o investidor — e para o viajante — após novo presidente assumir? 

22 de maio de 2024 - 6:20

Desde que assumiu, Milei colecionou algumas vitórias e derrotas no seu primeiro semestre de gestão; conheça algumas delas e saiba se a Argentina ainda é um destino turístico atrativo, do ponto de vista financeiro

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

NO ORIENTE MÉDIO

Helicóptero que levava presidente e ministros do Irã faz pouso forçado; equipes tentam acessar o local

19 de maio de 2024 - 13:23

Houve registro de chuva forte e neblina com algum vento, o que poderia ter causado uma instabilidade na aeronave

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar