🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero com especialização em Macroeconomia e Finanças (FGV) e pós-graduação em Mercado Financeiro e de Capitais (PUC-Minas). Com passagens pelo portal R7, revista IstoÉ e os jornais DCI, Agora SP (Grupo Folha), Estadão e Valor Econômico, também trabalhou na comunicação estratégica de gestoras do mercado financeiro.
INSATISFAÇÃO

Em sua primeira coletiva como presidente da Petrobras (PETR4), Prates se dedica a criticar atual política de preços da companhia e não esclarece dúvidas

Para o executivo, a Petrobras (PETR4) deve ser livre para praticar seus preços conforme “achar melhor”, mas não deu exemplos concretos de propostas

Jean Paul Prates, presidente da Petrobras
Jean Paul Prates - Imagem: Roque de Sá/Agência Senado

O novo presidente da Petrobras (PETR4), Jean Paul Prates, fez sua primeira coletiva como CEO da estatal nesta quinta-feira (2), após ter conversado com integrantes do mercado financeiro mais cedo.

Na sequência da divulgação de resultados da empresa, um dos pontos mais polêmicos é sobre qual será a política de preços a ser adotada em sua gestão, mas o executivo trouxe mais dúvidas do que propostas — algo que deve manter os investidores afastados das ações da companhia.

Questionado sobre como será um possível novo modelo, ele afirmou que a Petrobras fará "como achar melhor", reforçando que a prática da Paridade de Preços e Importação (PPI) para definição de preços não é necessariamente a melhor escolha.

Por diversas vezes Prates defendeu que a companhia seja capaz de atuar na precificação conforme a melhor oferta e condição, chegando a cutucar o mercado ao citar práticas de livre mercado.

"Estamos atrás de uma política de preços transparente para o Brasil", afirmou. Como exemplos, o CEO citou políticas de referência, de monitoramento de estoques e de estratégia, mas sem mais detalhes.

A grande polêmica em torno da política de preços da Petrobras acontece porque, conforme o modelo atual, quando o preço do petróleo lá fora ou do dólar no Brasil sobem, o valor dos combustíveis acompanha o mesmo movimento.

O objetivo é evitar uma defasagem nos preços internos, que poderia trazer como consequência menos importação de combustível e até desabastecimento. Para os resultados da Petrobras, é um modelo positivo.

Por outro lado, os críticos defendem que essa prática pesa demais no bolso do consumidor, especialmente em tempos de inflação tão alta. O próprio ministro da Fazenda, Fernando Haddad, já falou algumas vezes que essa não seria a melhor maneira de precificar os combustíveis.

Compartilhe

HORA DE VENDER?

Rumo: por que o Goldman Sachs calcula um potencial de ganho menor para as ações RAIL3

17 de maio de 2024 - 16:19

O banco norte-americano reduziu o preço-alvo dos papéis de R$ 27 para R$ 24,50 — o que representa um potencial de valorização de 16,5% com relação ao último fechamento

CHAMA O VAR

Com mais de R$ 395 milhões em dívidas, Polishop pede recuperação judicial, mas bancões tentam reter valores

17 de maio de 2024 - 15:09

Além da recuperação judicial, a Polishop vem tentando se blindar dos credores financeiros por meio de cautela tutelar

COMPRAR OU VENDER?

A Positivo pode mais? As ações POSI3 já subiram 50% este ano e esse banco gringo conta para você se há espaço para mais

17 de maio de 2024 - 13:46

Os papéis da empresa sobem cerca de 5% nesta sexta-feira (17), embalados pela nova recomendação do UBS BB; confira se chegou o momento de colocar ou tirar esses ativos da carteira

INVESTIMENTOS

Seguro mais seguro: por que o JP Morgan elevou recomendação para IRB Re (IRBR3) mesmo com catástrofe no RS?

17 de maio de 2024 - 11:07

Nas contas do banco norte-americano, o IRB é a companhia de seguros mais exposta ao RS, podendo ter um impacto de 15% a até 30% nos lucros até o fim de 2024

PODE BEIJAR!

3R Petroleum (RRRP3) e Enauta (ENAT3) oficializam fusão e formam uma das maiores operadoras de petróleo do Brasil; ações sobem na B3

17 de maio de 2024 - 9:41

De acordo com os termos do acordo, a 3R irá incorporar a Enauta e deterá 53% da nova empresa resultante da fusão, enquanto os acionistas da segunda empresa ficarão com 47% do negócio

BATEU O MARTELO

Rede D’Or reforça imunidade financeira com venda de corretora de seguros por R$ 800 milhões

17 de maio de 2024 - 9:34

Antes disso, os especialistas do Itaú BBA haviam elevado a recomendação dos papéis de neutro para “outperform” — equivalente a compra

O AGRO NÃO É MAIS POP?

Ações da AgroGalaxy (AGXY3) tombam 16%, mas esse banco diz que é hora de comprar — e explica por quê

16 de maio de 2024 - 14:50

O Citi manteve a indicação de compra para os papéis da companhia, com preço-alvo para 12 meses de R$ 6 a ação — o que representa um potencial de valorização de 259,3% em relação ao último fechamento

ZUCKERBERG NA MIRA

Meta vira alvo de investigação na União Europeia sobre riscos à segurança infantil no Facebook e Instagram

16 de maio de 2024 - 14:07

A União Europeia suspeita que a Meta não vem fazendo o suficiente para proteger jovens e crianças, mas não é a primeira vez que dona do Facebook enfrenta investigações do tipo

PAGOU CARO?

CEO da Auren afirma que “não poderia ter transação melhor do que a aquisição da AES Brasil” — mas AURE3 cai forte na bolsa, enquanto AESB3 dispara

16 de maio de 2024 - 12:44

A Auren abocanhou na noite passada as operações AES no Brasil, em um acordo que dará origem à terceira maior empresa geradora de energia do país

DEPOIS DA TEMPESTADE

Quando Magda Chambriard assumirá o lugar de Prates? Conheça o cronograma da sucessão na Petrobras (PETR4)

16 de maio de 2024 - 10:11

A indicação precisa seguir os ritos estatutários da Petrobras até que seja apreciada pelo Conselho de Administração da companhia

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar