IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2023-01-11T15:53:46-03:00
Camille Lima
GUINNESS BOOK

Elon Musk entra para o livro dos recordes como a maior perda de fortuna pessoal da história; o que fez o patrimônio do CEO da Tesla desabar?

Segundo o Guinness, o número exato do quanto Musk perdeu de dinheiro é quase impossível de determinar, mas fica entre US$ 182 bilhões e US$ 200 bilhões

10 de janeiro de 2023
13:43 - atualizado às 15:53
Fortuna de Elon Musk, CEO da Tesla, desaba
Fortuna de Elon Musk, CEO da Tesla, desaba - Imagem: Shutterstock/Reprodução/Bloomberg//Montagem Seu Dinheiro

Elon Musk é um homem do “tudo ou nada”, o famoso “8 ou 80”. Outrora considerado o homem mais rico do mundo, o bilionário hoje ocupa lugar de destaque no Guinness Book, o livro anual de recordes.

Desde o começo deste ano, o CEO da Tesla e do Twitter tornou-se oficialmente o executivo com a maior perda de fortuna pessoal da história.

Segundo o Guinness, o número exato do quanto Musk perdeu de dinheiro é quase impossível de determinar.

  • Derrocada dos papéis da Tesla (TSLA34) não quer dizer que você deve fugir do mercado internacional: veja 5 ações globais que podem ‘decolar’ em 2023, CLICANDO AQUI. 

Nas estimativas da Forbes, o montante está próximo de US$ 182 bilhões. Para outras fontes, o valor poderia chegar a US$ 200 bilhões.

A fortuna de Elon Musk

De 2020 até o ano passado, Musk viu sua fortuna se multiplicar exponencialmente, chegando a atingir o patamar de US$ 338 bilhões na máxima — e consagrando-se, com larga vantagem, o maior bilionário do planeta.

Porém, desde que fechou a compra do Twitter, o patrimônio do CEO da Tesla entrou em derrocada. 

O empresário perdeu tanto dinheiro que deixou até mesmo a posição de homem mais rico do mundo — cargo este que foi assumido pelo dono do conglomerado de luxo LVMH, Bernard Arnault.

A queda-livre da sua riqueza foi tamanha que o executivo entrou para o livro de recordes Guinness Book, desta vez com um reconhecimento nada positivo: Elon Musk quebrou oficialmente o recorde mundial de maior perda de fortuna pessoal da história.

Apesar de imensurável com exatidão, a perda extraordinária da fortuna de Musk supera — e muito — o recorde anterior, ocupado pelo investidor japonês Masayoshi Son: em 2020, ele viu US$ 58,6 bilhões evaporarem de seu patrimônio.

VEJA TAMBÉM - O Bitcoin foi devastado em 2022, descubra se há luz no fim do túnel para este ano

A Tesla e o patrimônio de Elon Musk

De acordo com dados do Índice de Bilionários da Bloomberg, o patrimônio líquido de Elon Musk despencou do pico de US$ 338 bilhões em maio de 2021 para os atuais US$ 138 bilhões em janeiro de 2023.

Vale lembrar que a riqueza do chefe do Twitter é constituída principalmente por suas participações em empresas e ativos de baixa liquidez — o que quer dizer que, quando os papéis caem ou sobem na bolsa, o patrimônio do executivo é impactado quase imediatamente.

Isso significa que, do mesmo modo que a fortuna de Elon Musk pode despencar dezenas de bilhões de dólares em um só dia, ela também pode disparar na mesma proporção. 

Acontece que as ações da Tesla, a fabricante de carros elétricos de Elon Musk, tiveram o pior ano da história em 2022 — uma derrocada que coincide com a aquisição do Twitter. 

Muitos apontam que, de lá para cá, o bilionário redirecionou suas energias quase que inteiramente para a reconstrução da rede social. 

Os papéis TSLA acumularam desvalorização de 65% na Nasdaq em 2022; em paralelo, o patrimônio líquido de Elon Musk acumulou uma brutal queda de 48,9% no ano passado.

Como o bilionário tornou-se tão rico?

É difícil não ter visto o nome de Elon Musk em algum lugar. Fundador de empresas como Tesla, SpaceX, Neuralink e Starlink, o bilionário só veio a aparecer no ranking das 10 pessoas mais ricas do mundo no ano passado.

Atualmente, o CEO do Twitter ocupa a segunda posição na lista dos maiores bilionários do planeta, com uma fortuna estimada em US$ 130 bilhões hoje, segundo a Bloomberg.

A história de Elon Reeve Musk começou em 1971, na África do Sul, fruto de um engenheiro sul-africano, Errol, e uma nutricionista e modelo canadense, Maye.

Musk não só demonstrou interesse em computadores como também mostrou talento para empreendedorismo e tecnologia já antes da adolescência. 

Sozinho, ele aprendeu a programar. Em 1983, quando tinha apenas 12 anos, Elon desenvolveu um jogo de videogame sobre o espaço chamado “Blastar” para uma revista de informática por US$ 500. 

Em 1992, Musk seguiu os estudos na Universidade da Pensilvânia, onde formou-se em física e economia.

O jovem até tentou seguir carreira acadêmica e iniciou um Ph.D. em física na renomada Universidade de Stanford, na Califórnia, em 1995. 

  • Derrocada dos papéis da Tesla (TSLA34) não quer dizer que você deve fugir do mercado internacional: veja 5 ações globais que podem ‘decolar’ em 2023, CLICANDO AQUI. 

Porém, Musk desistiu do programa para perseguir sua nova meta: iniciar sua jornada no empreendedorismo, com destaque para a empreitada no novo reino da internet.

Junto com seu irmão mais novo, Elon fundou a primeira startup de sua carreira, batizada de Zip2, uma plataforma digital de jornais. 

Em 1999, a dupla conseguiu fechar negócios com a Compaq para vender a companhia. A operação rendeu aos irmãos cerca de US$ 341 milhões em dinheiro e ações. 

No bolso de Elon Musk, entrou um cheque de US$ 22 milhões, o que permitiu que o empresário partisse para um novo desafio.

Utilizando uma parcela do montante que faturou com a venda da Zip2, Elon se arriscou a criar um banco on-line. Chamada de X.com, logo a instituição financeira digital se transformou no PayPal. 

Em 2002, o eBay, rival do PayPal na época, fez uma proposta para comprar a companhia por US$ 1,5 bilhão. A venda rendeu a Musk aproximadamente US$ 180 milhões, descontados os impostos.

Após a operação com o PayPal, Musk estava ávido por novos desafios e investiu todo o dinheiro embolsado com a venda do PayPal em três novas empreitadas: a Tesla, a SpaceX e a Solar City.

A maior fatia foi alocada na criação da SpaceX, com um investimento inicial de aproximadamente US$ 100 milhões, reflexo da sua meta de cortar em 10 vezes os custos altíssimos dos voos espaciais.

Os US$ 80 milhões restantes que Elon Musk recebeu na venda do PayPal foram distribuídos entre a Tesla, com uma aplicação de US$ 70 milhões, e a Solar City, com US$ 10 milhões. 

Atualmente, as companhias valem:

  • Tesla: US$ 378,2 bilhões
  • SpaceX: US$ 137 bilhões
  • Solar City: US$ 2,6 bilhões

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

maus ventos

O Brasil vai acabar? Inflação pode deixar de responder ao BC se Lula conseguir mudar meta, dizem gestores

31 de janeiro de 2023 - 21:24

Rodrigo Azevedo, da Ibiuna, e Felipe Guerra, da Legacy, estão com visão pessimista para o Brasil

DIA 31

Está confirmado: Lula vai para os EUA no dia 10 de fevereiro — veja o que ele vai discutir com Biden

31 de janeiro de 2023 - 20:06

Enquanto o encontro não chega, o petista tentou acalmar os ânimos dos investidores — que seguem desconfiados em relação à responsabilidade fiscal do novo governo

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa sobe em meio ao caos de um interminável janeiro; o que afeta a bolsa nos próximos dias?

31 de janeiro de 2023 - 18:57

Veja tudo o que movimentou os mercados nesta terça-feira, incluindo os principais destaques do noticiário corporativo

MELHORES DO MÊS

Renascimento cripto: bitcoin (BTC) volta a brilhar, sobe mais de 30% e é disparado o melhor investimento de janeiro; títulos do Tesouro ficam na lanterna

31 de janeiro de 2023 - 18:46

As medalhas de prata e bronze foram para o ouro e para o Ibovespa, em um movimento de busca por segurança — e barganhas

ESTAGNOU?

Dividendos do Maxi Renda (MXRF11) não cresceram em 2022, mas os proventos destes outros três fundos imobiliários subiram mais de 50% — veja quais são

31 de janeiro de 2023 - 18:33

O melhor resultado foi obtido pelo Santander Papéis Imobiliários CDI (SADI11), com alta de 77,1%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies