🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
FOGO NO SETOR

Gigantes do mercado financeiro desafiam CVM dos EUA e investem em produtos usando bitcoin (BTC) em meio a cruzada contra criptomoedas

Juntas, as principais empresas de olho no mundo cripto acumulam um montante de US$ 27,294 trilhões — sim, trilhões — de ativos sob gestão

Blackrock e outras empresas querem investir no setor de criptomoedas
Imagem: Montagem: Seu Dinheiro / Divulgação

O mercado de criptomoedas dos Estados Unidos vive uma verdadeira guerra no âmbito regulatório. A SEC, a CVM norte-americana, instaurou um processo contra grandes empresas do setor, como a Binance e a Coinbase, há pouco menos de um mês.

O pânico com o avanço inesperado do órgão regulador do mercado de capitais refletiu nas cotações dos principais tokens do mercado. Entretanto, um outro movimento aconteceu na sequência — e que impulsionou os preços das criptomoedas. 

A BlackRock, maior gestora do planeta com mais de US$ 9 trilhões em ativos, deu entrada no processo para criação de um fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) que replica o preço à vista do bitcoin (BTC) — também chamado de preço spot, no jargão.

Diferentemente do que acontece no Brasil, os EUA só possuem ETFs de futuros de bitcoin devido a uma ausência de regulação no país. Já por aqui, são mais de uma dezena fundos do gênero negociados na B3.

Além da BlackRock, Fidelity, JP Morgan, Morgan Stanley, Goldman Sachs, BNY Mellon, Invesco e Bank of America (BofA) também deram início a processos junto à SEC para oferecerem custódia e outros produtos — incluindo fundos, derivativos, entre outros — relacionados a ativos digitais.

Mas por que as empresas resolveram “dobrar a aposta” e avançar com o oferecimento de produtos, mesmo com a negativa constante do xerife do mercado de capitais dos EUA?

Dobrando a aposta com criptomoedas

A entrada de investidores institucionais têm um grande potencial de injetar mais recursos no mercado de criptomoedas. Juntas, todas as empresas citadas anteriormente tem um montante de US$ 27,294 trilhões — sim, trilhões — de ativos sob gestão.

Apesar do movimento coordenado, existem mais especulações do que certezas sobre o que pode ter desencadeado esse aumento de interesse dos investidores institucionais.

“Em primeiro lugar, o dinheiro institucional quer entrar em cripto, e uma das únicas empresas que pode bater de frente com a SEC é a BlackRock”, explica Rafael Castaneda, fundador do canal Casta Cripto e ex-analista da Mercurius Crypto.

Até hoje, 90% dos ETFs formulados pela BlackRock foram aprovados pela SEC, diz Castaneda, o que gera grandes expectativas para o primeiro fundo de spot de BTC. 

  • Quer buscar lucros de até US$ 100 mil nos próximos meses? Casa de análise abre inscrições para grupo de investidores interessados em lucrar com o mercado de criptomoedas. O objetivo é liberar o acesso a uma carteira com ativos digitais com potencial de valorização exponencial. [INSCREVA-SE AQUI]

Saldão de criptomoedas

O segundo motivo, explica Castaneda, tem a ver mais com a visão dessas empresas sobre os ativos digitais.

Acontece que bitcoin e as demais criptomoedas estão com as cotações bastante descontadas em relação aos seus fundamentos — e essas companhias que acreditam no setor querem aproveitar as barganhas.

Entretanto, a ausência de regulação é um fator limitante para a entrada dos investidores institucionais no mercado de criptomoedas.

Se aprovado, o lançamento de um ETF de bitcoin spot — que demora cerca de sete a oito meses — coincidiria com o halving do BTC, momento em que a recompensa pela mineração da criptomoeda cai pela metade.

Dados históricos mostram que o preço do bitcoin tende a disparar após o halving, apesar dessa expectativa estar reduzida para o próximo ano.

Por que o halving não deve ser tudo isso este ano?

Recapitulando, o mecanismo que valida a rede do bitcoin e coloca novos tokens à disposição do mercado é a mineração. Os mineradores resolvem um problema e ganham recompensas por isso. Leia mais sobre como “emitir criptomoedas” aqui.

Essa recompensa cai pela metade a cada quatro anos mais ou menos. No passado, esse corte no “pagamento” dos mineradores influenciava diretamente na liquidez e, consequentemente, no preço do bitcoin.

Atualmente, com mais de 90% dos BTCs já em circulação, a recompensa dos mineradores influencia marginalmente no desempenho do mercado.Em outras palavras, a expectativa é de que o halving tenha um efeito mais psicológico nos investidores do que prático — isto é, a alta pode ser marginal.

Compartilhe

CRYPTO INSIGHTS

Estamos apenas no começo de um novo ciclo do bitcoin (BTC)? 6 gráficos para entender o momento atual do ‘bull market’ — e onde estamos agora

18 de junho de 2024 - 15:56

O BTC já atingiu seu all time high esse ano e segue próximo dessa faixa sem mesmo o FED ter começado o corte de juros nos Estados Unidos

SOMBRA DO GAVIÃO

Bitcoin (BTC) se aproxima de “nível crítico” e pode cair ainda mais; veja o que movimenta a semana das criptomoedas

17 de junho de 2024 - 10:49

Os investidores internacionais reagem ao comunicado da semana passada do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos), além de analisar dados on-chain

CHEGAMOS AO FIM

Acabou: Laboratório responsável pela Terra (LUNA) pagará US$ 4,5 bilhões para SEC e encerrará atividades — como fica “nova” criptomoeda agora?

13 de junho de 2024 - 19:15

Chris Amani, CEO da Terraform Labs, publicou no X, antigo Twitter, que, a partir de agora, a comunidade da criptomoeda Terra é quem cuidará do protocolo

MELHORES DO ANO

Enquanto EUA celebram primeiros ETFs de criptomoeda, Brasil tem 11 fundos do tipo — que tiveram o melhor desempenho de 2024 até agora; veja

13 de junho de 2024 - 6:22

Só em 2024, o bitcoin avançou cerca de 60%, enquanto os ETFs brasileiros também têm variações positivas, na casa dos dois dígitos — vão de 14% e chegam a 69%

RALI EM CRIPTO

Bitcoin (BTC) passa pelo primeiro teste de fogo e mira os US$ 70 mil, mas segundo round pode ser ainda mais difícil de superar; entenda

12 de junho de 2024 - 11:03

O começo eletrizante dos negócios nesta quarta-feira (12) se deve à divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI, em inglês) dos EUA

CRYPTO INSIGHTS

Até quando o bitcoin (BTC) vai ficar de lado?

11 de junho de 2024 - 19:31

Não estamos ainda no auge do bull market, pois o fator fundamental para isso (liquidez) ainda está em níveis não favoráveis para as conhecidas e tão desejadas alavancadas de preço

NEGATIVO

Entenda os dois fatores que fizeram o bitcoin (BTC) cair quase 4% hoje e derrubam o mercado de criptomoedas

11 de junho de 2024 - 11:03

No caso das criptomoedas, as liquidações nas últimas 24h cresceram mais de 200%, atingindo o patamar de US$ 195,41 milhões, segundo o CoinGlass

EM ALTA

Bitcoin (BTC) supera fase de consolidação de preços e toca os US$ 71 mil; ethereum (ETH) e outras criptomoedas sobem hoje

4 de junho de 2024 - 15:10

O último grande evento do mercado havia sido a aprovação dos primeiros ETFs de ethereum (ETH) à vista (spot) dos Estados Unidos

SEM LASTRO NEM RASTRO

A incrível história da ‘rainha cripto’ que deu um golpe de mais de R$ 20 bilhões — e hoje ninguém sabe se ela está escondida ou morta

3 de junho de 2024 - 16:06

Conhecida como rainha cripto, Ruja Ignatova não é vista desde 2017 — e especula-se que isso tenha relação com seu suposto envolvimento com um mafioso búlgaro

FIM DE SEMANA EM CRIPTO

O que a aprovação do primeiro ETF de ethereum (ETH) à vista dos EUA tem a ver com o bitcoin (BTC) na Zona da Banana; entenda aqui

1 de junho de 2024 - 15:37

A maior criptomoeda do mundo “estacionou” no patamar próximo dos US$ 68 mil, enquanto as demais moedas também tem valorizações modestas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar