🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Estiagem na bolsa

Dynamo, Bogari e outros fundos de ações estrelados ficam atrás do Ibovespa pelo período mais longo da história. Afinal, as melhores gestoras do mercado perderam a mão?

Aposta no setor de consumo custou caro aos fundos de ações mais vitoriosos do mercado, como Atmos, Brasil Capital, Bogari e Dynamo

Flavia Alemi
Flavia Alemi
20 de março de 2023
6:53 - atualizado às 15:07
Fundos de ações estão sofrendo para bater o Ibovespa
Imagem: Pexels

Quando o lendário fundo de ações Dynamo Cougar reabriu para captação, em janeiro do ano passado, a disputa por cotas foi tão acirrada quanto os ingressos para um festival de música.

Em menos de dois minutos, a gestora bateu a meta de levantar R$ 450 milhões com os que já eram clientes e muitos investidores ficaram de fora da rara oportunidade de abocanhar um espaço num dos fundos com maior retorno acumulado do país — foi apenas a segunda vez nos últimos 10 anos que a gestora o abriu para novos aportes. 

No entanto, quem colocou dinheiro no Dynamo Cougar naquela época amarga uma perda superior a 18% até o momento. Vale ponderar que a bolsa de modo geral não teve um bom desempenho nesse período, mas o Ibovespa teve recuo bem mais modesto, de 8%.

Em quase três décadas de vida, a gestora já passou por outros períodos de “seca”, o que não impediu o fundo de acumular uma valorização de impressionantes 24.000%, contra apenas 2.000% do Ibovespa, de acordo com dados do site Mais Retorno. Mas a Dynamo nunca ficou por um período tão longo atrás do principal índice de ações do mercado.

E o caso está longe de ser isolado na indústria. Outras gestoras tradicionais, com fundos de ações famosos, passam por uma trajetória parecida e estão há dois anos consecutivos no vermelho. O Bogari Value, por exemplo, também reabriu para captação entre maio e junho do ano passado e está em queda de 21% desde então, ante recuo de 7% do Ibovespa. 

Outros notáveis da indústria de fundos, como o Brasil Capital e o Atmos Ações, também desidrataram nos últimos dois anos. Observando os dados, é comum a todos eles um ponto de virada marcado no tempo: o segundo semestre de 2021.

Afinal, o que aconteceu de tão importante naquela época para virar os ânimos da renda variável a ponto de os fundos terem desempenho muito inferior ao principal índice de mercado?

Fonte: Mais Retorno

Juros em alta

A “culpa” recai sobre o ciclo dos juros. No Brasil, a Selic vinha em trajetória de alta e começava a tirar a atratividade do mercado acionário, tanto que a janela para ofertas públicas iniciais (IPOs) na bolsa se fechou no segundo semestre de 2021 — o último IPO foi da Oncoclínicas (ONCO3) em agosto.

Além disso, entre setembro e outubro o mercado americano passou a precificar aumento maior nos juros do que o Federal Reserve indicava até aquele momento.

“Todo esse movimento secou a liquidez da renda variável, o que levou esses fundos a sofrerem muito, como toda a indústria”, afirmou Juliana Machado, analista de fundos do BTG Pactual.

Foi nesse mesmo período que os fundos de ações, que vinham registrando captação líquida há meses, passaram a sofrer resgates líquidos. Em 2021, a classe ainda conseguiu encerrar com captação positiva de R$ 5,421 bilhões. Mas, no ano passado, o saldo ficou negativo em R$ 70,460 bilhões.

Mais do que a dinâmica de juros, porém, a filosofia de investimento das gestoras citadas acima também serve como explicação para a baixa.

Os fundos seguem uma abordagem bottom-up fundamentalista, o que significa dizer que os gestores não operam ciclos de mercado. A escolha por investir em determinada empresa se dá por fatores como qualidade da gestão, potencial de crescimento, comparação com outras companhias semelhantes etc.

Setor de consumo sofre

Toda a bolsa é afetada por uma fuga de capital quando os juros da economia começam a subir, mas um setor em específico costuma se dar pior que outros: o de consumo.

Isto porque, pela própria natureza do negócio, as empresas de consumo são mais alavancadas, o que as coloca em posição de desvantagem quando o dinheiro começa a ficar mais caro. Assim, acontece uma reprecificação dos papéis.

No Índice de Consumo da B3 (ICON), que estabelece uma carteira teórica formada pelas principais ações do setor, fica claro o colapso dos papéis na bolsa.

O índice partiu de um patamar de 5.600 pontos em junho de 2021 para encerrar aquele ano ao redor de 3.900, o que dá uma queda de cerca de 30%. A título de comparação, o Ibovespa recuou aproximadamente 19% no mesmo período.

Mas a trajetória de queda do setor de consumo se estendeu ao longo de 2022 e, desde o começo deste ano, o índice sequer superou os 3 mil pontos.

Analisando as carteiras dos fundos naquela época, é possível observar que mais de ¼ do patrimônio líquido de cada um estava investido em empresas do setor de consumo, tanto cíclico quanto não cíclico.

As vilãs nos fundos

Em setembro de 2021, a Natura (NTCO3) era a segunda principal posição do Dynamo Cougar, com uma fatia de 7,09% do fundo. No mês seguinte, ela passou para o primeiro lugar, com 7,16%. O problema é que, entre 1º de setembro e 31 de outubro, o papel derreteu 26%.

“A companhia sofreu bastante. Entre setembro e outubro de 2021 mudou muito a perspectiva do Brasil. A Natura teve um ano muito desafiador, de pressão de custo das commodities, consumo no Brasil desacelerando e juros subindo com a companhia mais alavancada, o que afetava o fluxo de caixa”, disseram os gestores da Dynamo ao Seu Dinheiro.

Da mesma forma, a Alpargatas (ALPA4), que respondia por 3,5% do fundo naquele setembro, despencou 35% na mesma base comparativa. O Cougar teve queda acumulada de 19% em apenas dois meses.

A Natura também tinha lugar de destaque nas carteiras dos outros fundos citados na reportagem, mas, desde então, a exposição à companhia foi reduzida gradualmente. O Brasil Capital foi além e liquidou a posição no começo do ano passado.

Por mais que os papéis da Natura tenham caído bastante, isto não significa, na visão da Dynamo, que a empresa seja ruim. 

“O negócio mudou? Piorou a qualidade do negócio, da marca, das pessoas? Não”, disse a Dynamo. Mas a gestora reconhece que, dentro de um fluxo de caixa projetado, os anos de 2021 e 2022 foram abaixo do que se esperava.

Na carteira mais recente disponível do Dynamo, de novembro de 2022, as ações da Natura respondiam por 4,67% do fundo. A principal posição era em Eneva (ENEV3) com 9,03%.

A reportagem do Seu Dinheiro também procurou a Atmos, Bogari e Brasil Capital, mas as gestoras não quiseram comentar a performance recente dos fundos.

Pior que o Ibovespa

Apesar dos gestores de fundos como o Cougar não gostarem de comparar o desempenho de seus produtos com o Ibovespa, é impossível não fazê-lo. Afinal, o investidor precisa saber se vale a pena remunerar os especialistas em troca de retornos vultosos ou se é mais vantajoso simplesmente comprar um ETF que replique o índice.

Como em todo processo de investimento, o tempo é elemento essencial para uma tomada de decisão. Afinal, dependendo da janela que se analisa, qualquer ativo pode parecer maravilhoso ou desastroso.

Tomando o Dynamo Cougar, que é o mais antigo dos fundos que tratamos, a rentabilidade acumulada desde o início é imbatível. Porém, reduzindo a janela para os últimos 24 meses, ele está com desempenho pior do que o Ibovespa: queda de 32%, ante recuo de 10% do índice.

A alta concentração em ações de commodities e bancos costuma ser um defeito do Ibovespa, e por isso mesmo as gestoras não usam o índice como benchmark. Mas foi o que garantiu a vitória do principal índice da B3 contra os fundos estrelados nos últimos dois anos.

Mas isso não significa que os grandes gestores não tenham posições em empresas do Ibovespa. Eles apenas têm uma distribuição diferente. Nas carteiras disponíveis mais recentes, nota-se que as principais posições dos fundos citados na reportagem são, inclusive, em empresas que estão no índice. Confira:

DYNAMO COUGAR

EMPRESAPL % FUNDO
Eneva (ENEV3)9,03%
Cosan (CSAN3)7,00%
Vibra (VBBR3)6,25%
Localiza (RENT3)5,72%
Natura (NTCO3)4,67%

ATMOS AÇÕES

EMPRESAPL % FUNDO
Equatorial (EQTL3)6,57%
Eneva (ENEV3)6,17%
Localiza (RENT3)5,36%
Hapvida (HAPV3)4,36%
B3 (B3SA3)3,02%

BOGARI VALUE

EMPRESAPL % FUNDO
Vibra (VBBR3)9,15%
Hapvida (HAPV3)7,71%
Eletrobras (ELET3)6,24%
Eneva (ENEV3)6,15%
Itausa (ITSA4)5,85%

BRASIL CAPITAL

EMPRESAPL % FUNDO
Cosan (CSAN3)10,99%
Localiza (RENT3)10,06%
Itaú Unibanco (ITUB4)6,32%
Hypera (HYPE3)5,82%
Suzano (SUZB3)5,71%

Os fundos daqui em diante

Com a queda acumulada nos últimos dois anos, os fundos tentam recuperar a cota, mas o ambiente econômico está turbulento para onde quer que se olhe. A elevação das taxas de juros tem provocado crises de crédito em várias companhias e, em momentos nebulosos, o horizonte de investimento dos cidadãos fica mais voltado para o curto prazo.

Isso penaliza ainda mais os fundos de ações long only como os citados na reportagem, pois eles só operam comprados, apostando na valorização dos papéis no longo prazo. No Brasil, o caso Americanas colocou tempero extra ao caldo da crise.

“Acho que a gente tem um cenário de curto prazo desafiador com o impacto de Americanas, Oi, Light… Algumas companhias vão tentar renegociar dívidas, o que vai deixar o mercado com spreads altos. Mas não vemos problema sistêmico”, disseram os gestores da Dynamo.

Para a casa, o ambiente contamina outras empresas de varejo, que, apesar de terem fundamentos favoráveis, acabam sofrendo na bolsa. “É nesse momento que aparecem boas oportunidades”, avaliam. 

Na visão da Dynamo, o Mercado Livre é o principal concorrente que se beneficia deste cenário, seguido pela Amazon. Ambas as empresas têm ações negociadas no exterior, com BDRs listados na B3.

Só o tempo e a boa gestão poderão recuperar as cotas, mas vale ressaltar que apenas quem conseguiu entrar nas reaberturas no ano passado vai conseguir sentir isso. Os fundos seguem fechados para novos aportes, e a perspectiva é de que isso se mantenha por um bom período.

E para quem colocou dinheiro em um desses fundos nas janelas mais recentes de captação, é hora de sacar os recursos? Para a Juliana Machado, analista do BTG, as gestoras mantêm seu valor apesar da performance mais fraca nos últimos anos.

“Essa é uma escola que tem fundamento e não deixou de ser válida, mas ela vai sofrer em determinados momentos porque não vai capturar alguns movimentos. E tudo bem. A gente não espera que esses gestores ganhem com ciclos”, ressaltou.

Compartilhe

OPERAÇÃO GREENWASHING

Como uma operação da polícia federal deve afetar os dividendos de dois fiagros com mais de 40 mil cotistas

12 de junho de 2024 - 13:26

Os proventos do AZ Quest Sole (AAZQ11) e do AZ Quest negociado na Cetip, devem ser afetados pelos desdobramentos de uma operação deflagrada na semana passada

TERREMOTO NO MERCADO

Dólar dispara a R$ 5,42 e Ibovespa atinge menor nível em um ano: o que Lula tem a ver com isso?

12 de junho de 2024 - 12:35

Declarações do presidente da República suscitaram mais preocupações sobre o cenário fiscal; mercado vê enfraquecimento de Haddad

CAPITAL PRIVADO

Como a seca dos IPOs na B3 vem atrapalhando a indústria de private equity — e o que esperar daqui pra frente, segundo a presidente da ABVCAP

12 de junho de 2024 - 9:31

Em entrevista ao Seu Dinheiro, Priscila Rodrigues detalhou as oportunidades que existem no mercado de capitais privado atualmente; confira

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Fed mantém juros inalterados; Ibovespa opera em queda de 1%

12 de junho de 2024 - 7:14

RESUMO DO DIA: Chegou o dia da decisão sobre juros nos Estados Unidos. Enquanto o Fed não divulga a política monetária, os investidores locais concentram as atenções no cenário fiscal doméstico. Em evento, o presidente Lula afirmou que o governo está “colocando as contas públicas em ordem para assegurar o equilíbrio fiscal”. A declaração foi […]

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa ignora IPCA e recupera os 121 mil pontos com bancos; dólar sobe à espera dos juros nos EUA

11 de junho de 2024 - 17:11

RESUMO DO DIA: Na véspera da decisão de política monetária dos Estados Unidos, os bancos brasileiros foram os impulsionadores do Ibovespa — em dia de alguns ventos contrários para a economia local. O principal índice da bolsa brasileira recuperou o fôlego deixado nos últimos minutos da sessão anterior e fechou o pregão hoje com a […]

PERDENDO O PODERIO

Acabou para o dólar? FMI confirma perda gradual e constante da dominância da verdinha — e moedas que ganharam espaço surpreenderam

11 de junho de 2024 - 15:03

Ainda que as incertezas econômicas contribuem para a valorização do dólar, alguns países começaram a incluir outras moedas nas reservas cambiais

FUNDOS IMOBILIÁRIOS HOJE

Maxi Renda (MXRF11) oficializa oferta de até R$ 1 bilhão e diz quanto custará cada nova cota; vai ter desconto?

11 de junho de 2024 - 12:28

O FII quer levantar até R$ 1 bilhão, considerando a oferta-base de R$ 800 milhões e um lote adicional de até R$ 200 milhões

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) ‘rouba’ a cena e segura Ibovespa aos 120 mil pontos; dólar sobe de olho no Fed

10 de junho de 2024 - 17:20

RESUMO DO DIA: A semana focada na política monetária dos Estados Unidos começou com alívio para as bolsas de NY, mas não para o Ibovespa. Isso porque o avanço do petróleo – que favoreceu a Petrobras (PETR4) – foi insuficiente para dar um pouco de tração positiva ao principal índice da bolsa brasileira.   O Ibovespa […]

DE OLHO NAS REDES

Dólar acima dos R$ 5,30: “nove em cada dez analistas apostavam na queda da moeda há alguns meses” — o que aconteceu? 

10 de junho de 2024 - 17:07

O dólar voltou a disparar nos últimos dias, superando a marca dos R$ 5,30. A alta vai na contramão do que a grande maioria dos analistas esperava no começo do ano.  A aposta generalizada era na queda da moeda norte-americana – tanto é que o Bank of America não só projetava queda da divisa estadunidense […]

DESTAQUE DA BOLSA

Estreia na bolsa: Vitru (VTRU3) dispara mais de 12% em primeiro dia de negociações na B3 

10 de junho de 2024 - 15:00

Depois de quatro anos de negociações em Wall Street, a empresa deixou a Nasdaq; os papéis começaram as operações cotados a R$ 14,01

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar