🔴 [TESTE GRÁTIS] NOVO APP PODE GERAR ATÉ R$ 680 POR DIA COM 3 CLIQUES – CONHEÇA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
CÂMBIO

Dólar acumula valorização de 0,72% frente ao real na semana — veja o que mexe com esse mercado

A semana mais curta de negociações foi marcada pela divulgação de dados de inflação aqui e nos EUA, que acabaram mexendo com a moeda norte-americana

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
25 de fevereiro de 2023
10:04 - atualizado às 9:54
Imagem conceitual de onda de dólares chegando
Onda de dólares a caminho do Brasil - Imagem: Shutterstock

Já faz um tempo que a covid-19 não é mais um empecilho para quem quer cruzar as fronteiras, mas a abordagem do Federal Reserve (Fed) para conter a inflação nos EUA ainda faz quem quer viajar para o exterior pensar duas vezes, principalmente por conta do dólar.  

O aperto monetário por lá tem ajudado no fortalecimento da moeda norte-americana, que voltou a fechar em alta na sexta-feira (02)

Após terminar a quinta-feira (23) no menor nível desde 2 de fevereiro, o dólar subiu 1,23% na sexta-feira (24), a R$ 5,1987. Na semana mais curta por conta do Carnaval, a divisa acumulou ganhos de 0,72%.

Como foi a semana para o dólar

As negociações começaram na quarta-feira de cinzas (22), em uma sessão que começou às 13h e foi marcada pela liquidez foi reduzida — o que deixou a formação da taxa de câmbio mais sujeita a operações pontuais.

O dólar começou a semana rompendo o teto de R$ 5,20, mas perdeu força no transcorrer do pregão e encerrou a quarta-feira cotado a R$ 5,1689, em alta de 0,14%. 

A escalada da moeda norte-americana no início do pregão foi atribuída à piora do apetite ao risco em razão da perspectiva de mais aumentos da taxa de juros nos EUA — divulgada na quarta-feira, a ata do mais recente encontro de política monetária do Federal Reserve (Fed, o BC norte-americano) ratificou a visão de continuidade do aperto monetário e taxa terminal acima de 5%.

Na quinta-feira (23), o dólar encerrou a sessão em queda de 0,64%, a R$ 5,1356 — o menor valor de fechamento desde 2 de fevereiro. O desempenho da moeda brasileira , de acordo com operadores, seguiu fluxos pontuais, ajustes técnicos e desmonte de posições defensivas no mercado futuro de câmbio.

Depois de fechar no menor nível desde 2 de fevereiro, o dólar terminou a sessão de sexta-feira (24) em alta de 1,23%, a R$ 5,1987, encerrando a semana, encurtada pelo feriado de Carnaval, com ganhos de 0,72%. 

O dia foi marcado por uma rodada de fortalecimento da moeda norte-americana no exterior, após leitura acima do esperado do índice de preços para gastos pessoais (PCE, na sigla em inglês) nos EUA. 

O dado é o preferido pelo Fed para medir a inflação no país e reforçou a perspectiva de mais elevações de juros por lá.

Por aqui, a aceleração do IPCA-15 de 0,55% em janeiro para 0,76% em fevereiro desencorajou as apostas no corte da Selic no primeiro semestre, apesar das críticas pesadas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à gestão da política monetária.

Compartilhe

FECHAMENTO DO MERCADO

Dólar supera os R$ 5,46: por que a moeda norte-americana voltou a subir e fechou no maior nível em quase dois anos

20 de junho de 2024 - 17:34

O dólar abriu o dia em queda, mas o alívio pós-decisão do Copom durou pouco e a moeda emendou o quinta pregão consecutivo de ganhos

GESTORAS

Studio Investimentos muda gestão de fundo após queda acumulada de mais de 30% no ano

20 de junho de 2024 - 16:57

A saída aconteceu pela necessidade de “alterar e reforçar a gestão” da família de fundos da casa, de acordo com a Studio, que tem R$1 bilhão sob gestão

(MAIS) DINHEIRO NO BOLSO

Os dividendos deste fundo imobiliário com mais de 40 mil cotistas devem subir nos próximos meses, segundo os cálculos da gestão

20 de junho de 2024 - 15:07

O SNCI11 já pagará proventos cerca de 5% maiores neste mês e, com um novo cenário macroeconômico traçado pelo mercado, a gestão espera dividendos ainda maiores

LADEIRA ABAIXO

Ações da rede social de Trump chegam a cair 15% hoje — o que explica a queda livre dos papéis?

20 de junho de 2024 - 14:11

A empresa que controla Truth Social perdeu US$ 2 bilhões em valor desde o início do mês; entenda o que está acontecendo com os papéis

AS QUERIDINHAS DA BAIXA RENDA

Cinco fatores por trás do otimismo com as ações de Direcional (DIRR3) e Cury (CURY3) — e qual delas é a favorita do Itaú BBA

20 de junho de 2024 - 13:21

O banco de investimentos revisou as suas estimativas para ambas as companhias e reforçou a visão positiva para o setor

MERCADOS HOJE

Lula não gostou, mas o mercado sim: após decisão de manter Selic em 10,5% e comunicado duro, Ibovespa salta 1% hoje

20 de junho de 2024 - 12:15

No mesmo horário, o dólar à vista era negociado próximo da estabilidade, ainda na faixa de R$ 5,40, reagindo ao cenário internacional

REPORTAGEM ESPECIAL

Taesa (TAEE11) e ISA Cteep (TRPL4): por que parte do mercado aposta na queda das ações preferidas dos “caçadores de dividendos”

20 de junho de 2024 - 6:18

Duas das principais transmissoras de energia do País, Taesa e ISA Cteep vêm recebendo desde o ano passado recomendações de “venda” de analistas

MOEDA EM ALTA

Não para de subir: dólar salta para R$ 5,47 hoje — e desta vez, o responsável não é (só) Lula

19 de junho de 2024 - 11:46

O feriado nos Estados Unidos reduziu a liquidez do dia, contribuindo com a volatilidade, além da aversão ao risco em relação à expectativas com o fim da reunião do Copom

DESTAQUES DA BOLSA

Ações de desenvolvedora imobiliária disparam mais de 5% na bolsa após contratação de banco para venda de ativos, incluindo hotéis em SP

18 de junho de 2024 - 11:22

A HBR Realty contratou o Bradesco BBI para ajudar na execução da estratégia de reciclagem de ativos da companhia

DE OLHO NAS REDES

O Brasil não tem condições para uma Selic de um dígito em 2024: por que este estrategista acredita ser impossível juros abaixo de 10% em 2024

17 de junho de 2024 - 16:41

Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) se aproximando, o mercado parece está cada vez menos esperançoso sobre os cortes na taxa básica de juros, a Selic. Para Rogério Benevente, sócio da GWM Investments e convidado desta semana do podcast Touros e Ursos, “é impossível pensar numa Selic abaixo de 10% em […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar