🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Alívio no bolso

Pensão alimentícia agora é isenta de IR, e quem pagou o imposto nos últimos anos pode reaver a bolada; veja como

Plenário do STF confirmou decisão de junho que isenta pensão alimentícia de imposto de renda; veja se você já pode parar de pagar o carnê-leão e como pleitear o ressarcimento dos valores pagos nos últimos cinco anos

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
4 de outubro de 2022
18:21 - atualizado às 18:30
Leão do Imposto de Renda dormindo
Quem recebe pensão alimentícia não precisa mais pagar IR sobre os valores, e quem paga continua deduzindo benefício na declaração. - Imagem: Debbie Steinhausser/Shutterstock

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou, por unanimidade, a decisão que isenta de imposto de renda os valores recebidos a título de pensão alimentícia, estabelecida judicialmente ou por meio de escritura pública. A decisão põe fim a uma disputa entre União e pensionistas que durava cerca de sete anos.

A isenção de IR sobre as pensões alimentícias já havia sido decidida em junho pelo plenário por oito votos a três. No último dia 30, porém, todos os 11 ministros do Supremo rejeitaram um recurso em que a União dizia haver obscuridades e buscava amenizar a decisão do STF.

Com a rejeição total deste último embargo de declaração, o governo deve agora deixar de arrecadar R$ 1,05 bilhão por ano, segundo estimativas da Receita Federal anexadas ao processo pela Advocacia-Geral da União (AGU).

O impacto fiscal, porém, pode ser bem maior, pois além de deixar de recolher o IR via carnê-leão daqui para frente, que recebe pensão alimentícia terá direito a pedir de volta o imposto de renda pago sobre as pensões recebidas nos últimos cinco anos.

De acordo com as estimativas oficiais, com esse ressarcimento, o impacto nos cofres públicos pode chegar a R$ 6,5 bilhões pelos próximos cinco anos.

Prevaleceu ao final o entendimento do relator, ministro Dias Toffoli. Ele frisou, por exemplo, que “a tributação reconhecida como inconstitucional feria direitos fundamentais e, ainda, atingia interesses de pessoas vulneráveis”.

Por esse motivo, não seria possível impedir a restituição das cobranças indevidas feitas no passado pela Receita Federal, pois fazer isso seria ferir a dignidade da pessoa humana, cláusula pétrea da Constituição e “um dos fundamentos da pensão alimentícia”, escreveu o ministro.

Dessa maneira, Toffoli e os demais ministros que o seguiram rejeitaram qualquer modulação para que a decisão produzisse efeitos somente do julgamento em diante.

Como era a tributação da pensão alimentícia

Até a decisão do STF, as pensões alimentícias acordadas judicial ou extrajudicialmente eram dedutíveis na declaração de imposto de renda do alimentante (aquele que paga a pensão) e tributadas para o alimentando (quem as recebe).

O alimentando devia, então, recolher imposto de renda mensalmente via carnê-leão sobre os valores recebidos, conforme as alíquotas da tabela progressiva de IR, válida também para salários, aluguéis recebidos e aposentadorias:

MensalAnual
Base de cálculoAlíquotaParcela a deduzirBase de cálculoAlíquotaParcela a deduzir
Até R$ 1.903,98Isento-Até R$ 22.847,76Isento
De R$ 1.903,99 até R$ 2.826,657,5%R$ 142,80De R$ 22.847,77 até R$ 33.919,807,5%R$ 1.713,58
De R$ 2.826,66 até R$ 3.751,0515%R$ 354,80De R$ 33.919,81 até R$ 45.012,6015%R$ 4.257,57
De R$ 3.751,06 até R$ 4.664,6822,5%R$ 636,13De R$ 45.012,61 até R$ 55.976,1622,5%R$ 7.633,51
Acima de 4.664,6827,5%R$ 869,36Acima de R$ 55.976,1627,5%R$ 10.432,32

A pensão alimentícia era também um rendimento sujeito ao ajuste anual, isto é, na época de preencher a declaração de imposto de renda, os valores de pensão deviam ser informados na declaração do alimentando (se este for obrigado a declarar) ou na declaração do contribuinte do qual ele porventura seja dependente.

Neste segundo caso, porém, os valores recebidos a título de pensão alimentícia se somavam às demais rendas recebidas pelo titular da declaração e que fossem tributadas pela tabela progressiva.

Então mesmo que a pensão tivesse sido isenta ou tributada a uma alíquota baixa, no mês a mês, ao se somar a outras rendas tributáveis no ajuste anual ela podia ser tributada a uma alíquota mais alta, ou mesmo pela alíquota máxima.

Ou seja, os recursos destinados ao sustento de um filho, por exemplo, podiam levar facilmente uma mordida de 27,5% do Leão.

Como fica daqui para frente

A consequência direta dessa decisão do STF é tornar as pensões alimentícias isentas de IR para quem as recebe e ainda assim dedutíveis para quem as paga. Ou seja, os alimentantes não perdem o direito de abater os valores pagos a título de pensão nas suas declarações de imposto de renda.

Os alimentandos, por sua vez, não precisam mais recolher o imposto mensalmente via carnê-leão, e o titular da declaração na qual a pensão é declarada não verá mais seu IR devido aumentar na época do ajuste anual.

Além disso, os valores não serão mais declarados como Rendimentos Recebidos de PF/Exterior, mas sim como Rendimentos Isentos e Não Tributáveis - provavelmente a Receita Federal criará um novo item nesta ficha da declaração para a informação das pensões alimentícias.

Já devo parar de pagar o carnê-leão?

Teoricamente, desde a decisão do STF em junho o IR sobre as pensões alimentícias não é mais devido. Porém simplesmente parar de recolher o carnê-leão pode não ser a melhor alternativa.

Especialistas acham mais prudente aguardar o acórdão ratificando a decisão do STF antes de parar de pagar de vez o imposto de renda sobre as pensões recebidas.

Segundo o advogado tributarista Samir Choaib, sócio da Choaib Paiva & Justo Advogados Associados, como a decisão ainda não transitou em julgado, pode haver novos embargos, embora ele não acredite na reversão da decisão.

Ainda assim, para ele, o mais indicado seria continuar recolhendo o IR devido normalmente até que saia o acórdão - e depois pedir a restituição toda a que tiver direito - ou então depositar os pagamentos em juízo, o que Choaib considera ser a melhor alternativa.

“Para isso, o contribuinte deve entrar com uma ação, solicitando uma autorização para, tendo em vista toda essa discussão no judiciário, depositar os pagamentos de IR em juízo até que saia a decisão final. Caso a cobrança seja realmente considerada inconstitucional, basta o depositante levantar de volta os recursos depositados, que serão corrigidos pela Selic”, esclarece.

Richard Domingos, diretor executivo da Confirp Contabilidade, também acha melhor aguardar o acórdão, até porque, com a última decisão do STF, já está claro que será possível pleitear o ressarcimento do que foi pago indevidamente nos últimos cinco anos - prazo em que ainda é possível retificar declarações, restituir impostos pagos a maior, além de questionar (ou ser questionado sobre) decisões relativas a tributos no Brasil.

Como reaver o IR pago sobre pensões alimentícias nos últimos cinco anos

Para Domingos, a Receita Federal provavelmente ainda vai se manifestar sobre o procedimento para restituir o imposto de renda pago sobre pensões alimentícias nos últimos cinco anos, até porque seus sistemas ainda não estão preparados para tratar esses benefícios como rendimentos isentos, em vez de tributáveis.

Atualização: no dia 7 de outubro, a Receita Federal realmente se manifestou a respeito e divulgou em seu site o procedimento para pedir o ressarcimento do imposto de renda pago nos últimos anos sobre pensões alimentícias, que confirma as orientações que o especialista da Confirp dá a seguir. Você pode conferir a orientação da Receita neste link.

Mas, segundo o diretor executivo da Confirp, o primeiro passo para pedir restituição provavelmente será retificar até cinco declarações passadas (do IR 2018 até o IR 2022) que tenham incluído as pensões alimentícias recebidas como rendimento tributável (na ficha Rendimentos Tributáveis Recebidos de PF/Exterior), mudando os valores recebidos para a ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis. Saiba como retificar o imposto de renda.

Nos anos em que o contribuinte tiver tido imposto a restituir, a restituição deverá aumentar. Pode ser também que o contribuinte tenha, em alguns anos, pago IR, mas depois da correção passe a ter direito a restituição. Em ambos os casos, diz Domingos, o contribuinte provavelmente receberá os valores devidos em algum lote residual de restituição do imposto de renda, a ser pago futuramente pela Receita.

Já nos casos em que o contribuinte tiver pago imposto de renda e simplesmente reduza o IR a pagar após a retificação, provavelmente será preciso pedir a compensação do imposto junto à Receita por meio de um serviço do Fisco chamado PER/DCOMP, acredita Domingos.

Seja como for, o diretor executivo da Confirp acredita que, para reaver os valores pagos no passado, o contribuinte também deve esperar pelo acórdão e uma manifestação formal da Receita Federal sobre o assunto.

Isso porque se o contribuinte retificar a declaração antes que a Receita adapte os seus sistemas, é possível que ele caia na malha fina, diz Richard Domingos.

De qualquer forma, ele acredita que a manifestação da Receita ainda deverá ocorrer em 2022, pois depois da virada do ano os contribuintes que já recebem pensão alimentícia há mais de cinco anos perdem o direito de pleitear o ressarcimento pelo ano fiscal mais antigo.

Caso a Receita ainda não tenha se manifestado perto do fim do ano, o diretor executivo da Confirp orienta o contribuinte que recebe pensão alimentícia há cinco anos ou mais a retificar a declaração do IR 2018 para garantir o direito ao ressarcimento naquele ano, ainda que venha a cair na malha fina, por alguma questão técnica.

União tentou barrar isenção sobre pensões alimentícias de valor mais alto

O plenário do STF rejeitou ainda outro pedido feito pela União, que queria esclarecimentos sobre a isenção de IR no caso das pensões pagas em decorrência de acordos extrajudiciais, que são registradas em escrituras públicas e não passam pelo crivo da Justiça.

Na petição, a AGU argumentou que, nesses casos, o valor das pensões chega a ultrapassar a faixa mais alta de renda na tabela do IR. Segundo cálculos da Receita Federal, as 40 maiores pensões superam os R$ 2 milhões mensais.

Com argumentos parecidos, a União pedia também que o Supremo limitasse a decisão às pensões com valor até o piso de isenção do IR (R$ 1.903,98).

Em seu voto, Toffoli destacou que a questão já havia sido enfrentada, e que atender ao pedido acarretaria na “conversão, ao menos em parte, da corrente vencida em corrente vencedora”, o que não seria possível por meio de embargos de declaração.

*Com informações da Agência Brasil.

Compartilhe

IR 2024

Investimento alternativo ou vitória judicial: veja como declarar precatórios no imposto de renda

24 de maio de 2024 - 7:31

Se você recebeu o pagamento de um precatório no ano passado ou se investe nesse tipo de ativo alternativo, veja como informar esse tipo de situação na sua declaração

IRPF 2024

Receita Federal libera hoje consulta ao maior lote de restituição do imposto de renda 2024, com mais de R$ 9 bilhões em créditos

23 de maio de 2024 - 9:18

De acordo com o Fisco, serão contemplados cerca de 5,56 milhões de contribuintes; veja se você tem algum valor a receber

IR 2024

Como declarar os seus investimentos no imposto de renda 2024: um guia completo

23 de maio de 2024 - 6:26

Você também precisa prestar contas das suas aplicações financeiras ao Leão! Confira nosso guia completo sobre como declarar investimentos no IR 2024

'PIX' DO LEÃO

Imposto de Renda: começa amanhã consulta a lote de restituição recorde de R$ 9,5 bilhões, o maior da história do IR

22 de maio de 2024 - 11:40

Por conta das enchentes no Rio Grande do Sul, o lote inclui todos os contribuintes gaúchos com direito a restituir IR

IR 2024

Reta final do IR 2024: o que acontece se eu não declarar o imposto de renda?

22 de maio de 2024 - 7:32

Prazo para entregar a declaração de imposto de renda 2024 termina dentro de 10 dias, em 31 de maio. Acha que não vai dar tempo? Veja o que pode acontecer com quem não entrega a declaração

IR 2024

Já entregou a declaração de IR 2024? Como verificar se a sua restituição de imposto de renda já foi liberada

21 de maio de 2024 - 7:25

Primeiro lote é pago para as prioridades definidas por Lei e também priorizará 900 mil gaúchos, em razão das enchentes; ordem de pagamento respeita a ordem de entrega da declaração

IR 2024

Os 5 principais erros na declaração de imposto de renda que podem te levar à malha fina

20 de maio de 2024 - 8:04

Omissões de rendimentos e erros na declaração de despesas de saúde estão entre os principais erros que podem levar o contribuinte à malha fina. Veja como evitá-los

IR 2024

8 maneiras de aumentar a sua restituição do imposto de renda na declaração de IR 2024

17 de maio de 2024 - 7:13

Ainda não declarou e deseja engordar a restituição? Siga essas dicas

IR 2024

Vai declarar ações ou fundos imobiliários no imposto de renda 2024? Saiba como obter o CNPJ de todas as empresas e FII da B3

16 de maio de 2024 - 8:07

Informar no imposto de renda o CNPJ da empresa emissora da ação ou do fundo emissor da cota é obrigatório

IR 2024

Como a Receita calcula o imposto de renda devido e o valor das restituições

15 de maio de 2024 - 8:03

Jeito de calcular o imposto de renda devido e a eventual restituição varia de acordo com o modelo escolhido de declaração, se completo ou simplificado

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar