IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2022-11-28T12:45:05-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
FINANÇAS PESSOAIS

Crédito mais caro! Juros do rotativo do cartão disparam em outubro e chegam a quase 400% ao ano

A taxa de inadimplência nas operações de crédito livre com os bancos registrou leve alta na base mensal, ao subir de 4,1% para 4,2% em outubro

28 de novembro de 2022
12:44 - atualizado às 12:45
Três pilhas de moedas

O ciclo de alta da Selic pode até ter chegado ao fim, mas a maré de alta dos juros nos rotativos do cartão de crédito não dá sinais de desaceleração. Muito pelo contrário, aliás. O juro médio total cobrado pelos bancos disparou 8,8 pontos percentuais em outubro na comparação mensal, segundo o Banco Central.

Com a escalada de setembro para outubro, a taxa passou de 390,7% para quase 400% ao ano, em 399,5%.

No caso do parcelado, ainda dentro de cartão de crédito, o juro cedeu no mês, recuando de 185,6% para 184,5% ao ano.

Já ao considerar o juro total do cartão de crédito, que considera as operações do rotativo e do parcelado, a taxa avançou de 89,8% para 95%.

Assim como o cheque especial, os rotativos do cartão são uma modalidade de crédito emergencial cara, porém extremamente acessada pela população em momentos de dificuldades.

Desde abril de 2017, o governo passou a obrigar os bancos a transferir a dívida do rotativo do cartão de crédito para o parcelado, a juros mais baixos, após um mês.

A intenção da nova regra era permitir que a taxa de juros para o rotativo recuasse, já que, em teoria, o risco de inadimplência recua com a migração para o parcelado.

Os juros no crédito livre

A taxa média de juros no crédito livre também registrou alta em outubro, ao avançar de 40,7% ao ano em setembro para 42,4% ao ano. No mesmo período de 2021, a taxa era de 32,4%.

Quando analisados os juros no crédito livre para as pessoas físicas, a taxa média passou de 54% para 56,6% ao ano de setembro para outubro. Enquanto isso, a porcentagem para as pessoas jurídicas foi de 23% para 23,5%.

Cheque especial

Uma das principais linhas de crédito livre para a pessoa física, os juros do cheque especial caíram de 134,3% em setembro para 132,5% ao ano em outubro. No crédito pessoal, a taxa passou de 40,2% para 42,4% ao ano.

Os bancos passaram a oferecer um parcelamento para dívidas no cheque especial desde 2018. A opção vale para débitos superiores a R$ 200.

Em janeiro de 2020, o Banco Central também passou a aplicar uma limitação dos juros do cheque especial, em 8% ao mês — isto é, 151,82% ao ano.

Veículos

De acordo com os dados do BC, os juros para aquisição de veículos ficaram próximos da estabilidade na comparação mensal, ao passar de 27,1% ao ano em setembro para 27,2% em outubro.

Leia também:

Operações de crédito livres e direcionadas

O Banco Central divulgou nesta segunda-feira que a taxa média de juros no crédito total, que inclui operações livres e direcionadas — isto é, aquelas com recursos da poupança e do BNDES —, subiu de 28,8% ao ano em setembro para 29,9% ao ano em outubro.

Já o Indicador de Custo de Crédito (ICC) cresceu 0,3 ponto porcentual (p.p) em outubro na base mensal, para 21,6% ao ano.

Vale destacar que a porcentagem reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas no mês. Na prática, o indicador reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento.

A inadimplência nas operações de crédito

A taxa de inadimplência nas operações de crédito livre com os bancos registrou leve alta na base mensal, ao subir de 4,1% para 4,2% em outubro, informou o Banco Central.

Para as pessoas físicas, a taxa de inadimplência passou de 5,8% para 5,9% de um mês para o outro. No caso das empresas, variou de 1,9% para 2% no período.

Já a inadimplência do crédito direcionado, com recursos da poupança e do BNDES, se manteve estável em outubro, a 1,2%.

Enquanto isso, o total do crédito livre mais o direcionado mostra que a taxa de inadimplência variou de 2,9% em setembro para 3% em outubro.

Concessões de crédito livre

As concessões dos bancos no crédito livre caíram 4,3% em outubro ante setembro, para R$ 437,5 bilhões, informou o Banco Central. No acumulado dos últimos 12 meses até outubro, a alta é de 24,2%.

No crédito para pessoas físicas, as concessões subiram 2,1% em outubro, para R$ 241,5 bilhões. No período de 12 meses até outubro, houve aumento de 23,2%.

Já no caso de pessoas jurídicas, as concessões caíram 11,2% em outubro ante setembro, para R$ 196 bilhões. Em 12 meses, a taxa ainda acumula crescimento de 25,3%.

Endividamento das famílias

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro também voltou a subir marginalmente, ao passar de 49,8% em agosto para 49,9% em setembro.

Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 31,7% no mês, contra um percentual de 31,6% em agosto.

Neste mês, o Banco Central anunciou uma revisão extraordinária na série de endividamento das famílias e comprometimento de renda devido à divulgação do Sistema de Contas Nacionais 2020 pelo IBGE.

A divulgação final pelo instituto provocou uma atualização das estimativas mensais da Renda Nacional Disponível Bruta das Famílias, utilizada para medir o endividamento e comprometimento de renda.

Apesar da revisão, a trajetória do endividamento continua similar, com o pico da série alcançado em julho — de 50,1%, contra 53,2% antes da revisão — e relativa estabilidade nos meses seguintes.

Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional saltou 1 ponto percentual de agosto para setembro, para 28,7%. 

Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 26,6% em setembro, de 25,7% em agosto.

Outros indicadores em operações de crédito

De acordo com o BC, o spread em operações de crédito apresentou elevação em outubro. O spread médio no crédito total, que considera o livre e o direcionado, foi de 18,9 em setembro para 20,1 pontos porcentuais em outubro.

O indicador é calculado com base na diferença entre o custo de captação de recursos pelos bancos e o que é efetivamente cobrado das famílias e empresas em operações de crédito.

No crédito livre, o spread bancário médio passou de 28,6 pontos porcentuais em setembro para 30,3 p.p no mês passado.

Enquanto isso, o spread médio da pessoa física no crédito livre passou de 41,7 para 44,4 pontos porcentuais entre os dois meses. Já para a pessoa jurídica, a taxa média avançou de 11,1 para 11,7 pontos porcentuais na base mensal.

O spread médio do crédito direcionado foi de 3,9 para 4,2 pontos porcentuais na passagem de setembro para outubro.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

DIA 30

“Vocês fizeram falta, caro Lula” — a conversa com Olaf Scholz, o ministro alemão, que teve até recado duro para a China

30 de janeiro de 2023 - 20:26

Mercosul, OCDE e guerra na Ucrânia estiveram na pauta do encontro, mas teve um assunto que arrancou aplausos da plateia formada pela delegação da Alemanha: o meio ambiente

NÃO VAI VOLTAR?

Bolsonaro entra com pedido de visto de turista nos EUA — veja quanto tempo ele pode ficar por lá

30 de janeiro de 2023 - 19:05

O pedido foi apresentado na sexta-feira (27), de acordo com o Financial Times. O visto diplomático que ele usou para entrar no país em 30 de dezembro vence hoje.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Agenda cheia prejudica Ibovespa e CVC (CVCB3) tomba mais de 14% — o que derrubou a cotação da empresa de turismo?

30 de janeiro de 2023 - 18:46

Veja tudo o que movimentou os mercados nesta segunda-feira, incluindo os principais destaques do noticiário corporativo

SEM DEMISSÕES À VISTA

Futuro incerto da Americanas não impactou (ainda) os funcionários da varejista — mas sindicatos estão seguem atentos

30 de janeiro de 2023 - 18:05

A companhia afirmou que, neste momento, a companhia está focada na manutenção das operações e não prevê demissões

DE OLHO NAS REDES

‘Petróleo do futuro’ encontrado no Brasil: empresa dispara mais de 1900% com a commodity — e até Elon Musk está de olho

30 de janeiro de 2023 - 17:24

O novo petróleo foi encontrado no Brasil, mais especificamente no estado de Minas Gerais e existe uma empresa que está se dando bem com isso e já dispara mais de 1900% em alguns anos após a descoberta.  QUERO DESCOBRIR SEM ENROLAÇÃO QUAL É A EMPRESA BRASILEIRA QUE ENCONTROU O ‘PETRÓLEO DO FUTURO’ EM MINAS GERAIS […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies