A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-07-02T19:08:28-03:00
Carolina Gama
NO ESCURO

Ações da Light caem mais de 15% após saída de CEO — saiba se é hora de vender LIGT3

Raimundo Nonato Alencar de Castro alegou motivos pessoais; sua saída afeta todos os cargos ocupados nos órgãos da administração das subsidiárias controladas ou coligadas da empresa

30 de junho de 2022
13:51 - atualizado às 19:08
Light (LIGT3)
Light (LIGT3) - Imagem: Divulgação

As ações da Light (LIGT3) estão no escuro nesta quinta-feira (30): chegaram a cair mais de 14% com a notícia de que o CEO da empresa, Raimundo Nonato Alencar de Castro, renunciou ao cargo no dia anterior. 

Castro alegou motivos pessoais e sua saída abrange todos os cargos ocupados por ele nos órgãos da administração das subsidiárias controladas ou coligadas da Light. Ele ocupava a presidência da companhia carioca desde outubro de 2020.

De acordo com a Light, Wilson Martins Poit vai comandar a empresa de modo interino. Com isso, ele terá que ser substituído como presidente do Conselho de Administração — vaga que será ocupada pela vice, Ana Amélia Campos Toni.

Em comunicado, a Light agradeceu a Castro pelo profissionalismo e dedicação, além dos resultados positivos alcançados pela companhia durante sua gestão.

O que a saída de Castro significa

A saída de Castro, que veio da Equatorial Energia, coloca em dúvida a renovação da Light, segundo o JP Morgan. 

A empresa anunciou em outubro de 2020 que Castro e Firmino Sampaio se juntariam à Light vindos da Equatorial — o trabalho de ambos na companhia virou referência de gestão no setor de energia e, com isso, a chegada deles à empresa carioca gerou grande expectativa no mercado. 

Castro foi ex-presidente de uma das distribuidoras da Equatorial Energia e foi nomeado CEO da Light, enquanto Firmino Sampaio ingressou como presidente do Conselho. Em março de 2022, Sampaio deixou o cargo, mas permaneceu no colegiado. 

Segundo o JP Morgan, a saída de Castro pode ser interpretada pelo mercado como uma falta de confiança na recuperação da empresa e, portanto, uma notícia negativa — o que explica a forte queda das ações hoje. 

Os papéis LIGT3 fecharam com queda de 15,62% na B3, cotados a R$ 5,78.

Antecedentes da renúncia

O anúncio da saída de Castro ocorre um dia após a Light (LIGT3) informar que estava avaliando os impactos da promulgação de uma nova lei; o texto determina a devolução integral dos créditos tributários de PIS/Cofins detidos pelas distribuidoras aos consumidores finais.

A Light reconheceu R$ 2,5 bilhões em créditos fiscais no terceiro trimestre de 2019, ou R$ 1,6 bilhão líquido, associados à vitória em uma longa disputa de bitributação com o governo. 

A empresa, juntamente com outras do setor como Cemig e Copel, entendeu que só deve devolver aos consumidores os créditos associados aos dez anos anteriores, mantendo os créditos gerados antes dessa janela. 

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), por outro lado, havia declarado no passado que todos os créditos — independentemente do tempo de geração — deveriam ser devolvidos aos consumidores finais porque as tarifas são conceitual e economicamente neutras para as distribuidoras. 

O valor total em jogo para todas as distribuidoras brasileiras foi superior a R$ 60 bilhões. A Light começou a realizar esses créditos controversos de R$ 1,6 bilhão há alguns anos, com base em pareceres jurídicos. 

Mas o  projeto de lei aprovado pelo Congresso vai na direção contrária, ao definir que todos os créditos de dupla tributação de PIS/Cofins detidos pelas distribuidoras devem ser devolvidos aos consumidores — ficando, assim, em linha com a tese da Aneel. 

O projeto de lei foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro ontem.

Vale a pena ter Light (LIGT3) em carteira?

Segundo o JP Morgan, não. O banco tem recomendação de venda para as ações Light (LIGT3) e preço-alvo de R$ 9,00 — o que representa um potencial de valorização de 31% com relação ao fechamento de ontem.

Apesar do desempenho inferior da Light em relação a pares do setor nos últimos 12 meses, o banco acredita que as ações LIGT3 podem enfraquecer ainda mais. 

Para o JP Morgan, a Light deve conseguir mitigar a situação, buscando uma liminar para continuar realizando os controversos créditos tributários até que a Justiça — provavelmente, o Supremo Tribunal Federal (STF) — decida sobre o assunto.

No entanto, o banco acredita que a devolução do que já foi realizado, somada à paralisação das compensações futuras, implicaria num risco de negativo de até R$ 4,20 por ação, sem falar no aumento da dívida líquida e da alavancagem. 

A Light encerrou o primeiro trimestre com 3,44x dívida líquida/Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), aproximando-se de covenants (cláusulas contratuais que são estabelecidas pelo credor em um título de dívida) de 3,5x. 

O JP Morgan vê a possível baixa do crédito fiscal registrado como notícia negativa — mais um fator de risco que se soma à reestruturação frustrada, à alta alavancagem e à recuperação lenta da pandemia de covid-19, que sustentam a classificação de vendas dos papéis LIGT3. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

A Itaúsa (ITSA4) esperou até o último dia da temporada de balanços para revelar os números do segundo trimestre. E a paciência dos investidores não foi recompensanda: a companhia lucrou R$ 3 bilhões, uma queda de 12,5% na comparação com o mesmo período do ano passado. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) sobre o […]

BALANÇO

Resultado da Méliuz (CASH3) piora e empresa de cashback registra prejuízo líquido de R$ 28,2 milhões no segundo trimestre

15 de agosto de 2022 - 19:07

Os papéis da Méliuz amargam perdas de 87% no ano, mas entraram no mês de agosto em tom mais positivo, com ganho mensal de 7%

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magazine Luiza (MGLU3) dá a volta por cima, XP vai às compras e futuro do ethereum; confira os destaques do dia

15 de agosto de 2022 - 18:52

Há pouco mais de dois meses, quando conversei com diversos analistas e gestores de mercado sobre as expectativas para o segundo semestre, poucos foram aqueles que apostaram nos setores de grande exposição à economia doméstica como boas alternativas para a segunda metade do ano.  Não que empresas ex-queridinhas como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e […]

ACIONISTAS FELIZES

Dividendos: Itaúsa (ITSA4) pagará JCP adicional e data de corte é nesta semana; veja como receber

15 de agosto de 2022 - 18:47

Vale lembrar que, após a data de corte, as ações serão negociadas “ex-direitos” e passarão por um ajuste na cotação referente aos proventos já alocados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies