🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-02-24T16:09:14-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
OURO: DIGITAL OU REAL

Bitcoin (BTC) X Ouro: em tempos de crise, qual é a melhor reserva de valor? Especialistas respondem

Nós comparamos o desempenho do ouro e do bitcoin nos últimos meses e a conclusão de qual a melhor reserva de valor você confere aqui

24 de fevereiro de 2022
16:09
Ouro X Bitcoin (BTC) quem é o melhor ativo para reserva de valor
Saiba qual é a melhor reserva de valor para os seus investimentos aqui. - Imagem: Shutterstock

Em momentos de crise, a tendência dos investidores é migrar para ativos com menor risco, buscando uma segurança para seu dinheiro. Isso explica, em parte, porque o petróleo, o ouro e os retornos dos Treasuries, os títulos do Tesouro americano, superaram o bitcoin (BTC) em fevereiro. 

Enquanto o petróleo atingiu as máximas de oito anos, batendo os US$ 100 o barril do Brent, o ouro chegou aos US$ 1.970, patamar que não era visto desde julho do ano passado.

Se você é um investidor brasileiro, a fuga para o dólar não adiantou muito: em relação ao mesmo dia do mês passado, a moeda norte-americana perdeu 7,8% do seu valor. Mas os Treasuries tiveram um bom desempenho no mesmo período, acumulando um retorno de 8,50%

Então, fica a pergunta: é o fim do bitcoin como reserva de valor?

Bitcoin contra o ouro

A escalada das tensões entre Rússia e Ucrânia começou entre o final de janeiro e o início de fevereiro. Desde o dia 24 do mês passado, a maior criptomoeda do mundo registra perdas na casa dos 3,14%, enquanto a onça-troy de ouro já subiu 6,84% no mesmo período.

Somado a isso, a alta volatilidade das criptomoedas também é um fator que pesa no sentimento dos investidores. Isso se reflete na recomendação dos especialistas em alocar apenas uma pequena parcela dos seus investimentos em ativos digitais como o BTC

Fonte: Investing.com, CoinMarketCap — Visualização: Renan Sousa / Seu Dinheiro

De olho no histórico: ouro X BTC

Na verdade, o que o investidor precisa fazer para analisar se o bitcoin é uma boa reserva de valor é dar um passo para trás. Afinal, a alta volatilidade do mercado de criptomoedas pode enganar em um primeiro momento, como conta JP Mayall, cofundador da QR Capital.

Mayall conta que o ouro está 8,27% abaixo de suas máximas históricas em relação ao dólar, desde agosto de 2020, “período em que a inflação global ainda não assustava como hoje em dia em um período que ativos de risco sofrem por conta da pandemia”, comenta. 

Em contrapartida, nesse mesmo intervalo de tempo, o bitcoin registrou uma valorização de 226%, vencendo a inflação dos EUA (8,74% no período) e a brasileira (11,84%). Para os curiosos de plantão, o CDI nesse mesmo período saiu de 1,90% em agosto para os atuais 10,65%

Porque há uma corrida pelo ouro?

Por ser um ativo tradicional, os investidores acabam pensando primeiro em ouro, petróleo ou outras reservas mais conhecidas. Esse tipo de investimento já se provou seguro em cenários de incerteza. 

É um comportamento diferente do que ocorre com o bitcoin: em cenários de tensão, o caráter especulativo prevalece sobre o preço do BTC

“No curto prazo, não dá para chamar o bitcoin de reserva de valor, porque ele sobe 10% em um dia e cai 5% no outro”, afirma Andrey Nousi, CFA e fundador da Nousi Finance. “Mas no longo prazo até dá para chamar ele assim, devido a sua valorização nos últimos dez anos”.

Ativo de risco X Reserva de valor

Além disso, para Orlando Telles, sócio fundador e diretor de research da Mercurius Crypto, o bitcoin passou a ser visto mais como um ativo de risco do que como uma reserva de valor para médio prazo.

Assim sendo, ele tende a sofrer com o cenário macroeconômico, ainda que o panorama não afete diretamente os fundamentos da maior criptomoeda do mundo.

Essa mudança de paradigma entre os investidores fica clara quando observamos a correlação entre o BTC e as bolsas americanas Nasdaq e S&P 500. Em janeiro deste ano, o chamado coeficiente de correlação chegou a 0,61 e 0,58, respectivamente, representando o valor mais alto desde julho de 2020, de acordo com a Kaiko Research.

O que fazer agora?

Com a incerteza adiante, o mercado permanece na defensiva, não apenas com o futuro da guerra entre Rússia e Ucrânia, como também de olho no avanço dos juros pelo Federal Reserve, o Banco Central americano. 

Para Orlando Telles, o impacto do conflito entre Rússia e Ucrânia no mercado de criptoativos deve ser relativamente baixo, justamente devido a seu caráter descentralizado e digital.

“No curto prazo, pode haver proteção e caixa para uma eventual crise de liquidez, que impactará de forma muito significativa o preço; contudo, no longo prazo, os eventuais gargalos gerados durante a crise tendem a não ser relevantes para o mercado”, comenta.

Bônus: como investir em ouro e criptomoedas

Existe uma classe específica de criptomoedas que juntam o útil ao agradável: as stabelcoins, as moedas com lastro disponíveis no mercado.

De modo geral, as moedas digitais não possuem lastro, como é o caso do bitcoin. Pensando nisso, alguns desenvolvedores decidiram criar criptomoedas com paridade um para um com o dólar, euro, real e até mesmo commodities. 

Quem são as criptomoedas com lastro em ouro

É o caso do tether (USDT), com paridade com o dólar, e do Tether Gold (XAUT), que tem lastro em ouro. Essa é uma alternativa para se manter no mercado de criptomoedas e, ainda assim, investir em ativos seguros. 

De acordo com um relatório recente da Kaiko, esse tipo de investimento vem ganhando espaço no mercado. Só nas últimas 24h, o volume negociado da XAUT cresceu 115,96%, segundo o CoinMarketCap.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

GALINHA DOS OVOS DE OURO

Subsidiária da MRV (MRVE3) nos EUA garante mais de R$ 1 bilhão para construtora com venda de empreendimentos na Flórida

A Resia vendeu dois conjuntos localizados na Flóridas e a negociação rendeu cerca de R$ 375 milhões aos cofres da incorporadora

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A quadrilha triste do Ibovespa e o nascimento de uma nova gigante; confira os destaques do dia

O mês de junho vai chegando ao fim, mas o mercado financeiro parece longe de se juntar às alegres festividades juninas espalhadas pelo país.  Na B3 e em Wall Street, os investidores dançam uma quadrilha pra lá de triste e cheia de obstáculos.  Não estamos falando de uma ponte quebrada, uma cobra perdida ou uma […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa despenca mais de 11% e tem o pior mês desde março de 2020; dólar sobe a R$ 5,23

O início do aperto monetário do Federal Reserve levou os ativos globais a ter um semestre para esquecer – e o Ibovespa não escapou disso

Proventos

Dividendos: Rede D’Or (RDOR3) e Raia Drogasil (RADL3) vão distribuir quase R$ 300 milhões em juros sobre capital próprio; veja detalhes

Pagamento de nova leva de proventos aos acionistas está previsto para o dia 16 de julho, no caso da Rede D’Or

ALTAS E BAIXAS

Destaques da bolsa: Fleury (FLRY3) e Hermes Pardini (PARD3) disparam com fusão; TC (TRAD3) e Light (LIGT3) despencam

A nova consolidação no setor de saúde mexeu com o segmento nesta quinta; a renúncia do CEO da Light pesou sobre as ações da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies