ESQUEÇA BITCOIN: outra criptomoeda de R$ 4 pode valer R$ 80 em breve; conheça aqui

Cotações por TradingView
2022-12-06T16:29:04-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
NO RASTRO DA FALÊNCIA

Balanço da Alameda revelado: investimentos de altíssimo risco em criptomoedas e inconsistências mostram bastidores da falência da FTX

Conhecer essas informações pode auxiliar os órgãos fiscalizadores a evitar novas fraudes no setor de criptomoedas

6 de dezembro de 2022
16:28 - atualizado às 16:29
Balanço da Alameda Research mostra correlação om a quebra da FTX; veja o que levou à piora do balanço da corretora de criptomoedas
Imagem: Divulgação

Pouco menos de um mês depois de a FTX, empresa que chegou a ser uma das maiores corretoras de criptomoedas (exchanges) do mundo, dar o primeiro passo para a falência, mais um capítulo se inicia na investigação para entender como ocorreu a implosão da empresa. 

O Financial Times (FT) teve acesso ao balanço da Alameda Research, empresa de investimentos de alto risco (venture capital ou apenas VC) de Sam Bankman-Fried (conhecido como SBF), ex-CEO da FTX, que foi um dos pilares da ruína da corretora. 

Os documentos comprovam as suspeitas de misturas entre os fundos da empresa de investimentos e os da corretora.

Criptomoedas e outros ativos pouco líquidos e muito voláteis eram usados como garantia dos investimentos dos usuários, uma estratégia arriscada que levou as duas empresas à ruína. 

Balanço da Alameda pode “iluminar” regulador

Apesar de a planilha ser reveladora, o preenchimento de algumas células está comprometido, seja por erro de digitação ou preenchimento incorreto, o que dificulta a análise pontual de alguns dados.

Entretanto, o documento mostra que a Alameda possuía mais de US$ 5,4 bilhões em investimentos. São cerca de 500 ativos divididos entre aproximadamente dez holdings.

Ainda que as informações estejam incompletas, elas podem dar uma pista para os investigadores norte-americanos sobre as estratégias de investimento da Alameda.

Em outras palavras, unindo o evento da falência a essas informações, os órgãos reguladores podem traçar um plano legislativo para que outros casos como o da Alameda não voltem a acontecer. 

Uma lupa nos negócios

De acordo com os documentos, a Genesis, companhia ligada ao setor de lending e serviços em criptomoedas, e o grupo Anthropic, ligado ao setor de desenvolvimento de inteligência artificial, são os dois maiores investidores da Alameda. 

Vale lembrar que recentemente foi revelado que a Genesis deve ao protocolo Gemini Earn, também de staking e lending de criptomoedas, cerca de US$ 900 milhões — quantia que pode causar a implosão da empresa. A Gemini também estava entre os investidores da FTX.

Os investimentos que sobraram da Alameda Research são algumas criptomoedas e projetos em finanças descentralizadas (DeFi). Ainda há alguma quantia em startups relacionadas a videogames e sites de apostas.

Relembre o caso: a ruína da FTX e da Alameda

Tudo começou com uma reportagem da CoinDesk que mostrava que os fundos dos investidores na corretora FTX estavam sendo usados para operações alavancadas na Alameda Research.

Os documentos ainda mostram que o token da corretora, o FTT, foi usado como garantia dos investimentos dos investidores. Outros ativos de risco, como as ações da companhia de serviços financeiros Robinhood, também foram usados para essa finalidade. 

Assim que os negócios da Alameda Research começaram a dar prejuízo, ocorreu a chamada margin call ou chamada de margem, em português — quando um investidor alavancado precisa oferecer mais garantias para as suas operações, dado que as garantias já oferecidas começam a ser consideradas insuficientes. Nesse momento, mais recursos foram transacionados da FTX para a empresa de investimentos.

Esse ciclo vicioso piorou quando, por coincidência ou não, na semana seguinte, a Binance — um dos maiores investidores na FTX — se desfez das suas posições em FTT, o que derrubou as cotações do token e piorou o balanço da corretora.

A partir daí, a empresa entrou em insolvência — quando a dívida é maior do que o patrimônio da empresa. Entenda aqui o futuro da FTX.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PONTE AÉREA JURÍDICA

Americanas (AMER3): pedido de busca e apreensão vira disputa “Rio-São Paulo” na Justiça

3 de fevereiro de 2023 - 8:53

Justiça do Rio decidiu não cumprir a ordem de busca e apreensão na Americanas determinada por juiz de São Paulo; entenda o caso

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Sextando com big techs, payroll e Lula: Alfinetadas a Lemann, decepção com Apple e Amazon, crise na Light e outras notícias do dia

3 de fevereiro de 2023 - 8:29

As crises na Americanas, na Oi e agora na Light seguem no radar – e o presidente aproveitou para alfinetar o homem mais rico do Brasil e seus sócios na 3G Capital

MERCADOS HOJE

Esquenta dos mercados: Ibovespa acompanha pedido da Oi (OIBR3) para proteção de credores enquanto bolsas internacionais caem com balanços

3 de fevereiro de 2023 - 7:23

RESUMO DO DIA: Os investidores acompanham a divulgação dos números de emprego nos Estados Unidos. Porém, os balanços corporativos da noite de ontem (02) amargam o sentimento das bolsas nas primeiras horas da manhã. O destaque local vai para o novo ataque do presidente Lula à autonomia do Banco Central.

O QUE VEM POR AÍ?

A Oi (OIBR3) ainda tem futuro? O que está por trás do pedido que pode levar a companhia a uma nova recuperação judicial

3 de fevereiro de 2023 - 6:45

Medida solicitada pela Oi (OIBR3) prevê proteção contra credores sem que haja intervenção da Justiça

SEXTOU COM O RUY

Como pensar diferente e evitar o efeito manada no mercado financeiro

3 de fevereiro de 2023 - 6:09

Às vezes uma ação, uma criptomoeda ou qualquer outro ativo está subindo 1.000% no ano e não existe qualquer fundamento que sustente essa alta. Não há motivos para investir no papel, mas é difícil agir contra o comportamento da massa e ser o único “doido” a escolher ficar de fora da festa.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies