O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-03-30T18:40:22-03:00
Guilherme Valle
PARAÍSO FISCAL

De saída: bilionários da China deixam o país rumo a Singapura; entenda o movimento

Singapura rivaliza com Hong Kong em luta por recursos de bilionários chineses que buscam novos destinos para suas fortunas

30 de março de 2022
18:40
Bilionários chineses de saída para singapura
Singapura é um destino privilegiado para fortunas - Imagem: Divulgação - Singapore Airlines

Desde 2019, ano em que protestos tomaram as ruas de Hong Kong e reacenderam as tensões políticas com o governo de Pequim, mais e mais chineses ricos e influentes buscam por destinos alternativos para suas fortunas. O principal deles? Singapura.

A cidade-estado do sudeste asiático é considerada destino privilegiado para o dinheiro desses bilionários porque o sistema tributário não prevê a cobrança de impostos sobre ganhos de capital e heranças, além de oferecer boas possibilidades de planejamento tributário.

Além dos protestos em Hong Kong, a postura do governo perante alguns segmentos da economia — como no caso da regulamentação imposta aos provedores privados de educação — e a ênfase crescente em uma ideia de prosperidade comum engrossam o fluxo de capitais para fora do país.

A informação é da CNBC, que ouviu family offices localizados em Singapura que têm auxiliado chineses a levarem parte de sua fortuna para fora do país.

A Jenga, uma empresa de contabilidade e serviços corporativos de Singapura, relata que a maioria dos que entram em contato estão interessados em levar sua fortuna para lá e que já são pelo menos 50 os projetos desse tipo concluídos, cada um com pelo menos US$ 10 milhões em investimentos.

A clientela tem potencial de ser grande, já que o crescimento econômico acelerado das últimas décadas na China fez um grande número de fortunas. Se levarmos em conta a lista da Forbes, o país só perde para os Estados Unidos em número de bilionários, com 626 contra 724.

O país ainda é visto como um terreno fértil para criação de fortunas, mas o problema é ter a confiança de que é seguro deixar o dinheiro por lá — o presidente chinês, Xi Jinping, tem defendido que sejam criadas regras que limitem rendas muito altas e promovam uma melhor distribuição de renda.

Crescimento meteórico

O uso de family offices como instrumento para gestão de fortunas não é novidade, mas Singapura é um destino privilegiado para esse tipo de estrutura. Além da carga tributária favorável, a localização da cidade-estado é considerada privilegiada, já que dá acesso a oportunidades de investimento na Ásia que ficam bastante distantes de outros centros financeiros.

Ray Dalio, fundador da Bridgewater e o co-fundador do Google, Sergey Brin, são dois exemplos de bilionários que levaram parte de suas fortunas para Singapura de olho nos benefícios fiscais e em oportunidades locais.

De acordo com informações do painel de desenvolvimento econômico de Singapura, em 2020 eram aproximadamente 400 as firmas locais dedicadas à gestão de fortunas familiares. 

Os dados não foram atualizados em 2021, mas empresas que auxiliam na abertura dessas firmas estimam que o crescimento deva ser da ordem de centenas de empresas.

Nem tudo são flores

Um dos desdobramentos da guerra entre Rússia e Ucrânia é a crescente dificuldade que bilionários chineses devem enfrentar para levar seu dinheiro ao exterior.

A China optou por assumir uma postura neutra no conflito, ao passo que Singapura optou por se juntar aos Estados Unidos e à União Européia na imposição de sanções contra a Rússia, inclusive congelando contas bancárias da titularidade de pessoas sancionadas.

Esse movimento pode frear o ímpeto dos chineses. Outro fator importante que pode acabar minando a ascensão de Singapura como paraíso fiscal favorito dos chineses é a falta de gestores suficientemente “provados” para tomar conta desses recursos.

Em comparação, Hong Kong é mundialmente conhecida por seus profissionais e firmas dedicadas à administração de ativos. Não são poucos os casos de gestores que saem da ilha rumo a Singapura com o objetivo de aumentar a quantidade de recursos sob sua responsabilidade.

Isso acaba criando uma situação em que a estrutura jurídica permanece em Singapura, mas os recursos acabam seguindo para firmas de Hong Kong.

Para completar, a cidade-estado tem avaliado a adoção de mais tributos, como por exemplo a implementação de um imposto sobre ganhos de capital, o que pode prejudicar sua posição relativa em relação a outros paraísos fiscais.

*Com informações da CNBC

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

FECHAMENTO DO DIA

S&P 500 é engolido por avalanche de vendas entre big techs e varejo; veja o gatilho para a queda das bolsas nos EUA

Perspectiva de um aumento de juros mais agressivo volta a assombrar os investidores em Wall Street, que fugiram de ações e outros ativos mais arriscados

DE VOLTA DAS CINZAS

Nova esperança da Terra (LUNA)? Criador do projeto tenta salvar criptomoeda que desapareceu com proposta de atualização; é o suficiente?

O relançamento da Terra inclui distribuição gratuita de novas criptomoedas para alguns investidores; saiba se você pode receber

concorrência no varejo

Magalu ameaçada? Dona da rival Shopee tem salto na receita e lidera aplicativos baixados no Brasil

Papéis da controladora da Shopee subiram 14% na bolsa de Nova York (Nyse) ontem (18) e fecharam o pregão valendo US$ 80,14

EM TEMPO REAL

TCU retoma julgamento da privatização da Eletrobras (ELET3) hoje; acompanhe ao vivo

O governo está otimista com a perspectiva de que o processo seja aprovado pelo tribunal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies