Menu
2021-01-28T11:26:14-03:00
Estadão Conteúdo
Mexe com seu bolso

Concessões no crédito livre sobem 1,2% em 2020, diz BC

Em 2020, no crédito para pessoas físicas, as concessões caíram 2,1%, para R$ 180,0 bilhões. Em dezembro, houve alta de 0,6%.

28 de janeiro de 2021
11:26
crédito cartão
Imagem: Shutterstock

Em um ano marcado pela pandemia do novo coronavírus, que levou o governo federal a lançar iniciativas na área de crédito, as concessões dos bancos no crédito livre subiram 1,2% em 2020, para R$ 350 bilhões, informou nesta quinta-feira, 28, o Banco Central. Apenas em dezembro, houve avanço de 6,4%.

Leia também:

Estes dados, apresentados hoje pelo BC, não levam em conta ajustes sazonais. Os números são influenciados pelos efeitos da pandemia, que colocou em isolamento social boa parte da população e reduziu a atividade das empresas, em especial nos meses de março e abril de 2020. Em meio à carência de recursos, famílias e empresas aumentaram a demanda por algumas linhas de crédito nos bancos. O BC não divulga dados sobre o quanto a procura por crédito aumentou - mas apenas sobre o quanto foi concedido.

Em 2020, no crédito para pessoas físicas, as concessões caíram 2,1%, para R$ 180,0 bilhões. Em dezembro, houve alta de 0,6%.

Já no caso de pessoas jurídicas, as concessões subiram 4,8% em 2020, para R$ 170,0 bilhões. Em dezembro, o avanço é de 13,4%.

Inadimplência

Apesar das dificuldades de famílias e empresas para fechar as contas, em meio à pandemia do novo coronavírus, a taxa de inadimplência nas operações de crédito livre com os bancos passou de 3,0% para 2,9% de novembro para dezembro, informou o Banco Central.

Para as pessoas físicas, a taxa de inadimplência foi de 4,3% para 4,2% no período. No caso das empresas, a taxa passou de 1,5% para 1,4%.

A inadimplência do crédito direcionado (recursos da poupança e do BNDES) passou de 1,2% para 1,1% na passagem de novembro para dezembro. Já o dado que considera o crédito livre mais o direcionado mostra que a taxa de inadimplência foi de 2,2% para 2,1%.

Cheque especial

A taxa média de juros no crédito livre passou de 26,4% ao ano em novembro para 25,5% ao ano em dezembro, informou o Banco Central. Em dezembro de 2019, essa taxa estava em 33,4% ao ano.

Para as pessoas físicas, a taxa média de juros no crédito livre passou de 38,2% para 37,0% ao ano de novembro para dezembro, enquanto para as pessoas jurídicas foi de 12,2% para 11,7% ao ano.

Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física, destaque para o cheque especial, cuja taxa passou de 113,5% ao ano para 115,6% ao ano de novembro para dezembro. No crédito pessoal, a taxa passou de 31,6% para 30,3% ao ano.

Desde julho de 2018, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200. Em 6 de janeiro de 2020, o BC passou a aplicar uma limitação dos juros do cheque especial, em 8% ao ano (151,82% ao ano).

Além da limitação do juro, os dados de hoje refletem uma revisão realizada na série histórica do BC. De acordo com a autarquia, os números passaram a considerar o fato de alguns bancos cobrarem juro no cheque especial apenas após dez dias de atraso no pagamento da fatura. Antes, era considerado todo o período de atraso. Esta mudança fez com que o nível do juro no cheque especial, na nova série histórica, fosse menor em anos anteriores.

Os dados divulgados nesta quinta-feira pelo Banco Central mostraram ainda que, para aquisição de veículos, os juros foram de 19,0% ao ano em novembro para 19,2% em dezembro.

A taxa média de juros no crédito total, que inclui operações livres e direcionadas (com recursos da poupança e do BNDES), foi de 18,7% ao ano em novembro para 18,4% ao ano em dezembro. Em dezembro de 2019, estava em 22,6%.

Já o Indicador de Custo de Crédito (ICC) caiu 0,3 ponto porcentual em dezembro ante novembro, aos 16,8% ao ano. No acumulado de 2020, houve queda de 3,5 pontos. O porcentual do ICC reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas no mês, considerando todo o estoque de operações, dividido pelo próprio estoque. Na prática, o indicador reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento.

Cartão

Com as famílias em dificuldades para fechar as contas durante a pandemia do novo coronavírus, em meio à retração da atividade e ao desemprego, o juro médio total cobrado pelos bancos no rotativo do cartão de crédito subiu 6,9 ponto porcentual de novembro para dezembro, informou o Banco Central. A taxa passou de 321,2% para 328,1% ao ano.

O rotativo do cartão, juntamente com o cheque especial, é uma modalidade de crédito emergencial, muito acessada em momentos de dificuldades.

O juro do rotativo é uma das taxas mais elevadas entre as avaliadas pelo BC. Dentro desta rubrica, a taxa da modalidade rotativo regular passou de 293,3% para 301,9% ao ano de novembro para dezembro. Neste caso, são consideradas as operações com cartão rotativo em que houve o pagamento mínimo da fatura.

Em abril de 2017, começou a valer a regra que obriga os bancos a transferir, após um mês, a dívida do rotativo do cartão de crédito para o parcelado, a juros mais baixos. A intenção do governo com a nova regra era permitir que a taxa de juros para o rotativo do cartão de crédito recuasse, já que o risco de inadimplência, em tese, cai com a migração para o parcelado.

Atualmente, porém, o risco de inadimplência aumentou, justamente porque muitas famílias estão enfrentando redução de renda, na esteira da pandemia.

Spread médio

O spread em operações de crédito apresentou redução. Dados divulgados pelo Banco Central mostram que o spread bancário médio no crédito livre passou de 21,3 pontos porcentuais em novembro para 20,9 pontos porcentuais em dezembro.

O spread médio da pessoa física no crédito livre foi de 32,6 para 31,9 pontos porcentuais no período. Para pessoa jurídica, o spread médio seguiu em 7,7 pontos porcentuais. O spread é calculado com base na diferença entre o custo de captação de recursos pelos bancos e o que é efetivamente cobrado dos clientes finais (famílias e empresas) em operações de crédito.

O spread médio do crédito direcionado foi de 4,2 para 4,9 pontos porcentuais na passagem de novembro para dezembro. Já o spread médio no crédito total (livre e direcionado) foi de 14,4 para 14,5 pontos porcentuais no período.

Endividamento das famílias

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro ficou em 50,3% em outubro, ante 48,9% em setembro, informou o Banco Central (BC). Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 29,3% em outubro, ante 28,5% em setembro.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE.

Em função da metodologia utilizada, os números do endividamento sempre são divulgados com apenas um mês de defasagem. Em setembro, no entanto, o BC havia adiado a divulgação de dados referentes ao endividamento e ao comprometimento de renda das famílias brasileiras, em função de alterações de datas promovidas pelo IBGE. Agora, o BC atualiza os números, com referência em outubro.

Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) atingiu 21,7% em outubro, ante 21,3% em setembro. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 18,9% em outubro, ante 18,6% em setembro.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Reverteu prejuízo

Vale termina 2020 com lucro de US$ 4,9 bilhões e aprova dividendos

Mineradora conseguiu reverter prejuízo do ano anterior e aprovou distribuição de dividendos, mas lucro trimestral veio abaixo do esperado pelo mercado

Risco fiscal

Efeito de fatiamento da PEC emergencial seria extremamente perverso, diz secretário do Tesouro

“Se for fatiado será pior para todos. Queremos dar o auxílio aos vulneráveis, mas também precisamos de um ambiente fiscalmente organizado para que a economia melhore”, disse Bruno Funchal

Nível pré-pandemia

Governo Central tem superávit de R$ 43,219 bilhões em janeiro

Após 11 meses consecutivos de rombos causados pelos gastos de enfrentamento à pandemia, contas do Governo Central voltam a ter superávit

Pagamentos e maquininhas

Lucro do PagSeguro soma R$ 430 mi no trimestre, maior da história da companhia

Entretanto, companhia com ações negociadas na Nasdaq teve queda no lucro em 2020

o melhor do seu dinheiro

Lá vem o Leão de novo…

Estamos naquela época do ano de novo: temporada de prestação de contas ao Leão! A Receita Federal acaba de divulgar as regras de preenchimento da declaração de imposto de renda 2021, que neste ano deverá ser entregue entre 1º de março e 30 de abril. Parece que foi ontem que estávamos fazendo o exercício cívico […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies