Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-29T18:26:33-03:00
Estadão Conteúdo
Mochila rosa-choque

Merqueo: um rival colombiano para o Rappi e o iFood

A companhia tem um diferencial em relação às outras: da compra e armazenamento dos produtos até a entrega, tudo passa pela startup

29 de julho de 2021
18:26
Merqueo 2
Imagem: Divulgação

A população de São Paulo está acostumada a ver motoqueiros circulando pelas ruas com as mochilas vermelhas que identificam as entregas do iFood, as laranjas do Rappi e as verdes do Uber Eats.

Agora, também passará a existir o rosa-choque da Merqueo, startup colombiana que faz entregas de compras de supermercado e que desembarca no País.

A companhia, no entanto, tem um diferencial em relação às rivais: ela não faz parcerias com grandes redes de varejo. Da compra e armazenamento dos produtos até a entrega, tudo passa pela startup.

Modelo inovador

O modelo de negócio consiste em montar grandes galpões, onde ficam armazenados todos os produtos, e controlar a logística de ponta a ponta. Os produtos são comprados diretamente das grandes indústrias, e o presidente e cofundador da Merqueo, Miguel McAllister, garante que essa prática faz com que os preços da empresa sejam mais competitivos do que os praticados pelos outros aplicativos, pois se elimina o intermediário.

"Controlamos toda a experiência do cliente, e isso nos dá mais certeza do resultado da entrega", afirma.

Em São Paulo, a empresa alugou um espaço de 4 mil metros quadrados na região da Vila Leopoldina. De lá sairão todas as entregas nesse estágio inicial.

Segundo McAllister, esse espaço será o suficiente para conseguir fazer entregas em metade das regiões da capital paulista, além de atender a outras cidades da região metropolitana de São Paulo, como Osasco e Barueri.

Onde Investir no 2o semestre de 2021

Baixe já o seu!

Conquiste a sua medalha de investidor com as nossas dicas de onde investir no segundo semestre de 2021 neste ebook gratuito.

Planos ambiciosos

Porém, ele enxerga espaço para criar novos sete espaços nos próximos 12 meses. Além de armazéns, a empresa aposta na abertura de "dark stores" (ou lojas ocultas) que funcionarão como centros de distribuição em bairros mais afastados dos armazéns maiores, agilizando o delivery.

Para toda essa expansão, a empresa calcula que investirá cerca de US$ 25 milhões (quase R$ 130 milhões no câmbio atual).

Um dos problemas que a Merqueo quer solucionar é a falta de produtos que ocorre após o consumidor realizar a compra. Como os estoques dos supermercados não estão conectados às grandes plataformas de delivery, é comum que as compras não cheguem exatamente da forma como planejado.

A saída de alguns aplicativos tem sido permitir que o usuário indique produtos que possam substituir os que estejam prestes a acabar.

Até agora, a startup já fechou contratos com grandes empresas para compra de produtos. Entre elas, estão Coca-Cola, Nestlé, Parmalat, Ambev, Mondeléz, P&G e Unilever.

Histórico

A Merqueo, segundo McAllister, cresceu sete vezes no último ano. A empresa não divulga o faturamento, mas recebeu US$ 35 milhões em aportes e está próximo de anunciar um valor ainda maior nos próximos dias, que ajudará na expansão pelo Brasil — que deve acontecer em outras cidades do País somente daqui a um ano.

Também está nos planos da empresa entrar em outros segmentos, como o de farmácias e produtos para animais de estimação.

Na Colômbia, mesmo país da rival Rappi, a empresa se firmou como uma das principais do setor. Por lá, a empresa tenta se diferenciar por entregas rápidas, em menos de 15 minutos, algo que as grandes empresas estão se movimentando por aqui também.

A companhia chegou a 1,6 mil empregados no último ano, especialmente com a entrada no mercado mexicano.

Mercado movimentado

As três maiores empresas do setor têm investido fortemente para conseguir chegar à dianteira da área de supermercados. Esse é um setor mais pulverizado do que o de entregas de refeições, em que o iFood domina com mais de 70% do mercado.

Mais do que isso, garante uma recorrência de consumo, afinal compras em supermercados são mais comuns do que pedidos de refeições prontas.

Além disso, outras grandes empresas estão entrando forte nesse segmento, como o Magazine Luiza e a Americanas. Investidores também estão de olho em empresas que atuam na área.

Recentemente, o aplicativo brasileiro Daki recebeu um aporte de US$ 170 milhões e tem a previsão de entregar mais de 100 centros de distribuição até o fim desse ano.

"É um mercado que está em franca expansão, mas ainda está no início. O grande desafio dessas empresas é fazer com que os consumidores façam compras com mais recorrência, pois dessa forma diminui o custo de aquisição", diz Marcelo Nakagawa, professor de empreendedorismo do Insper.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Exile on Wall Street

O que faz as empresas falharem? Conheça as cinco “assassinas silenciosas” que podem impactar nos seus investimentos

O verdadeiro início da derrocada de uma empresa não pode ser devidamente noticiado pelas finanças ou pelas operações, mas somente dentro do núcleo de cultura corporativa

CAPTAÇÕES BILIONÁRIAS

Localiza, Unidas e Movida vão a mercado em busca de R$ 5 bilhões com emissões de debêntures

Locadoras de veículos se recuperaram rapidamente da crise da covid-19 e buscam recompor o caixa em meio à escassez de componentes no setor automotivo

De olho no dragão

Ministério da Economia eleva expectativa para inflação em 2021; veja qual a nova projeção

A pasta também atualizou as estimativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, utilizado para a correção do salário mínimo

MERCADOS HOJE

Com precatórios e queda do minério de ferro no radar, Ibovespa opera em queda de 1%; dólar avança

Em Brasília, os investidores acompanham de perto as discussões em torno do pagamento dos precatórios e repercutem mais uma queda expressiva do minério de ferro

Logística

MSC quer comprar controle da Log-In (LOGN3), que tem a gestora Alaska como maior acionista; papéis disparam

A proposta da MSC Mediterranean equivale a R$ 25 por ação LOGN3 e pode chegar a R$ 1,8 bilhão; Alaska e Tarpon estão entre os principais acionistas da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies