O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-05-07T12:09:47-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Movimentação societária

CCR em disparada: por que a saída da Andrade Gutierrez do bloco de controle ajuda as ações?

As ações ON da CCR lideram os ganhos no Ibovespa após a Andrade Gutierrez receber proposta para a venda de sua fatia na companhia

7 de maio de 2021
12:09
Praça de pedágio CCR MSVia
Imagem: Shutterstock

As ações ON da CCR (CCRO3) roubam a cena no pregão desta sexta-feira (7): disparam mais de 10% e lideram, com folgas, a ponta positiva do Ibovespa. E esse forte desempenho se deve à confirmação de uma notícia que já era especulada pelo mercado: a saída da Andrade Gutierrez do bloco societário da companhia.

E por que essa movimentação é tão relevante? Bem, é preciso antes entender a estrutura acionária da CCR e o perfil de seus sócios — e, para isso, vamos recorrer à última versão do acordo de acionistas da companhia, assinado em 2019.

Nesse documento, vemos que a empresa tem três sócios: Andrade Gutierrez, com 14,86% das ações ON; Mover (ex-Camargo Corrêa), com os mesmos 14,86%; e Soares Penido, com 15,05% — um bloco que corresponde a 44,77% do capital social total. O restante é negociado na B3.

Composição acionária CCR Andrade Gutierrez
Composição acionária da CCR

Não é segredo para ninguém que a Andrade Gutierrez passa por sérios problemas financeiros — a empresa foi um dos grandes alvos da Operação Lava Jato. E, por mais que a fatia detida na CCR seja um ativo valioso para a construtora, muitos acreditavam que era uma questão de tempo para que essa participação fosse vendida.

Pois o momento chegou: a Andrade Gutierrez recebeu uma proposta da IG4 Capital para a venda dos 14,86% da CCR — o que corresponde a pouco mais de 300 milhões de ações. Pelos termos da oferta, cada papel foi avaliado em R$ 15,44; a operação, assim, gira em torno dos R$ 4,6 bilhões.

E eu com isso?

Ok, a Andrade Gutierrez vai passar sua fatia na CCR adiante e levantar um grande volume de recursos. Bom para eles — mas por que isso é relevante para um acionista comum?

Há três questões a serem levadas em conta:

  1. Troca de sócio: a Andrade Gutierrez, como já foi dito, passa por dificuldades e não tem condições de fazer eventuais aportes ou investimentos na CCR;
  2. Bala na agulha: a IG4 Capital, por outro lado, é uma gestora focada em mercados emergentes e grande interesse em infraestrutura — eles são donos da Iguá Saneamento, que venceu uma das áreas do leilão da Cedae. Portanto, o potencial novo sócio tem condição financeira para investir;
  3. Preço da ação: ontem, as ações da CCR fecharam a R$ 12,12. Portanto, a oferta da IG4, de R$ 15,44, dá a entender que o novo sócio vê que os ativos estão subavaliados — o preço representa um prêmio de 27,4%.

Esses três fatores ajudam a explicar a disparada dos papéis da CCR, que hoje rondam o nível de R$ 14,50 e ficam mais próximos do valor proposto pela IG4 à Andrade Gutierrez.

CCR e Andrade Gutierrez: próximos passos

Essa operação, no entanto, ainda não foi consumada. Como a Andrade Gutierrez faz parte do acordo de acionistas da CCR, qualquer alienação deve ser analisada pelos demais signatários.

O contrato tem um termo simples: caso um dos sócios receba uma proposta de venda da participação, os demais terão até 30 dias para exercer o direito de preferência. Assim, caso Soares Penido ou Mover (ex-Camargo Corrêa) igualem a proposta da IG4, eles passarão na frente na disputa.

Essa incerteza quanto ao novo dono da fatia da Andrade Gutierrez ajuda a explicar a razão de as ações da CCR não se aproximarem ainda mais dos R$ 15,44 da proposta da IG4 — a perspectiva de um novo sócio anima o mercado, mas a possibilidade de um dos atuais controladores aumentar sua fatia é vista com alguma prudência.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies