Menu
2021-02-16T15:44:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Risco fiscal

Maioria dos gestores já espera furo no teto de gastos e Selic a 3,5% no fim do ano, diz BofA

Caiu de 71% para apenas 54% total de investidores que veem o Ibovespa acima de 130 mil pontos em dezembro

16 de fevereiro de 2021
15:44
Teto quebrado
Imagem: Shutterstock

A maioria dos gestores latino-americanos ouvidos pela pesquisa mensal do Bank of America (BofA) na região já esperam flexibilização no teto de gastos e Selic em 3,5% no fim de 2021.

Além disso, caiu de 71% para 54% o total de investidores que veem o Ibovespa acima de 130 mil pontos em dezembro.

O retorno do auxílio emergencial, já dado como certo pelo mercado, fez crescer as preocupações dos gestores da América Latina com a situação das contas públicas do país.

Em fevereiro, subiu de 50% para 74% o percentual de gestores que acreditam que haverá "alguma flexibilização" no teto de gastos, ainda que "modesta".

Para 68% dos investidores ouvidos pelo BofA, o maior "risco de cauda" para o Brasil em 2021 é uma rápida deterioração das contas públicas. Já para 20% dos participantes, o maior risco é o "ruído político".

Cresceu também a aposta dos investidores na alta de juros. Em janeiro, apenas 17% dos gestores viam a taxa básica de juros (Selic) acima de 3,5% no fim do ano. Esse percentual cresceu para 55% em fevereiro.

Isso acontece porque os pesquisados veem uma maior pressão inflacionária: 91% deles acreditam num aumento "modesto" da inflação neste ano.

Reformas e recuperação da economia

O levantamento do BofA mostra que a expectativa por reformas cresceu entre os investidores: 58% acreditam que a reforma tributária será aprovada no segundo semestre, com apenas 19% não vendo aprovação. Em janeiro, esse percentual era de 31%.

Aumentou de 58% para 71% o percentual de gestores que acredita que atrasos na vacinação podem prejudicar a retomada do crescimento no Brasil e na América Latina como um todo neste ano. Considerando toda a região, o maior risco de 2021, para os investidores ouvidos, é justamente a vacinação lenta.

A maioria dos gestores ouvidos projeta um crescimento entre 2% e 4% para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano. A projeção do BofA é de expansão de 3,5%.

A pesquisa também mostrou que a maioria dos investidores ouvidos está otimista com o real, com 61% deles acreditando que a moeda brasileira pode ter melhor desempenho que seus pares latino-americanos nos próximos seis meses.

A maioria (58%) vê dólar abaixo de R$ 5,10 no fim do ano, e uma minoria de 12% acredita que a moeda americana pode cair abaixo de R$ 4,80 até lá.

A pesquisa do Bank of America foi feita entre os dias 5 e 11 de fevereiro, com 31 gestoras que administram US$ 69 bilhões em ativos.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

O tempo fechou

Crise hídrica piora clima da votação sobre privatização da Eletrobras

Na semana passada, líderes do Senado aumentaram a reação à MP e ameaçaram derrubar a proposta, pedindo até que o texto não fosse pautado

Esquenta dos Mercados

Indicadores econômicos dos EUA devem movimentar o dia, com aumento da cautela antes da ‘Super Quarta’

Depois de um pregão ignorando a Super Quarta, Ibovespa deve sentir o peso da cautela antes da decisão de política monetária no Brasil e nos EUA

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies