Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-08T09:33:14-03:00
Estadão Conteúdo
Indicador da FGV

IPC-S tem alta de 0,81% na 1ª quadrissemana de junho, revela FGV

Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, quatro aceleraram da última quadrissemana de maio para a primeira de junho, com destaque para Transportes, que saltou de 1,48% para 1,68%

8 de junho de 2021
9:27 - atualizado às 9:33
contas imposto de renda
Imagem: Shutterstock

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) apresentou alta de 0,81% na primeira quadrissemana de junho, taxa idêntica à registrada no fechamento de maio.

A informação foi divulgada nesta terça-feira, 8, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador acumula alta de 8,47% em 12 meses, maior do que o avanço de 7,47% no período até maio.

Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, quatro aceleraram da última quadrissemana de maio para a primeira de junho, com destaque para Transportes, que saltou de 1,48% para 1,68%. O item que puxou a alta foi etanol, a 10,94%, após 9,06% em maio.

Alimentação (0,26% para 0,29%), Vestuário (0,65% para 0,84%) e Despesas Diversas (0,28% para 0,32%) também apresentaram acréscimo na taxa de variação.

Nessas classes de despesa, os itens mais influentes foram alimentos para animais domésticos (2,32% para 2,98%), frutas (-7,15% para -6,22%) e calçados masculinos (0,85% para 1,21%).

Por outro lado, Habitação (1,72% para 1,62%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,59% para 0,36%), Educação, Leitura e Recreação (-0,70% para -0,71%) e Comunicação (0,26% para 0,25%) recuaram em relação a maio.

Os itens artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,58% para -0,96%), tarifa de eletricidade residencial (6,53% para 5,34%), passagem aérea (-8,05% para -8,71%) e serviços de streaming (2,70% para 2,23%) foram os destaques desses grupos.

Influências individuais

Tarifa de eletricidade residencial (6,53% para 5,34%), gasolina (2,95% para 3,14%) e etanol (9,06% para 10,94%) foram os itens que mais exerceram pressão de alta no IPC-S da primeira quadrissemana de junho. Condomínio residencial (2,00% para 2,26%) e plano e seguro de saúde (0,84% para 0,85%) completam a lista.

Na outra direção, passagem aérea (-8,05% para -8,71%), xampu, condicionador e creme (-2,66% para -3,30%) e banana-prata (-7,73% para -9,41%) puxaram o indicador para baixo, seguidos de banana-nanica (-15,98% para -14,29%) e cebola (-3,24% para -5,58%).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas seguem sob pressão, bitcoin (BTC) cai abaixo dos US$ 40 mil e PEC dos combustíveis liga alerta antes da abertura da B3

As atenções se voltam para a próxima quarta-feira (26), quando ocorrerá a próxima reunião do Federal Reserve sobre a alta nos juros este ano

SEXTOU COM O RUY

O novo nem sempre é melhor: como ganhar dinheiro com os ensinamentos clássicos na bolsa

Se você aproveitou a queda das ações nos últimos meses para comprar um pouco mais delas, deve estar colhendo frutos interessantes com a alta dos últimos dias

DILEMA NOS FIIS

Investidores decidem nesta sexta se vendem suas cotas no fundo imobiliário PATC11 em leilão; veja o que está em jogo e o que recomendam os especialistas

Afinal, é hora de aproveitar a oferta da Capitânia e colocar o dinheiro no bolso ou apostar na recuperação do FII do Pátria Investimentos?

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa rumo aos 110 mil pontos e a ressurreição da bolsa brasileira: veja tudo que mexeu com o mercado hoje

Poderia ter sido melhor, mas não dá para dizer que foi ruim. A bolsa brasileira teve hoje mais um dia estelar, permanecendo em alta de mais de 1% durante todo o pregão e chegando a testar os 110 mil pontos. Mas, no fim do dia, as bolsas americanas, que passaram quase toda sessão em alta, […]

Fechamento Hoje

Em mais um dia na contramão do mundo, Ibovespa sobe mais de 1% e dólar cai a R$ 5,41, com ajuda da China e do fluxo gringo

Corte de juros no gigante asiático beneficia países exportadores de commodities; queda nos juros futuros e entrada de recursos estrangeiros impulsionam bolsa para cima e dólar para baixo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies