Menu
2021-05-14T08:06:14-03:00
Estadão Conteúdo
Liberdade econômica

Equipe econômica vai ao STF defender autonomia do Banco Central

A lei que estabeleceu a autonomia formal do BC virou alvo de uma ação do PSOL e do PT, que questionaram o fato de o projeto ter sido apresentado pelo Legislativo

14 de maio de 2021
8:06
Banco Central do Brasil
Banco Central do Brasil - Imagem: Shutterstock

A equipe econômica foi a campo para defender a constitucionalidade da lei que instituiu a autonomia do Banco Central. O presidente do BC, Roberto Campos Neto, esteve nesta quarta-feira (12) com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, para apresentar argumentos favoráveis à manutenção da lei. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, o ministro da Economia, Paulo Guedes, também tem procurado os ministros da Corte para sensibilizá-los em relação ao tema.

A lei que estabeleceu a autonomia formal do BC virou alvo de uma ação do PSOL e do PT, que questionaram o fato de o projeto que originou a norma legal ter sido apresentado pelo Legislativo, e não do Executivo. O alerta disparou quando o procurador-geral da República, Augusto Aras, emitiu parecer concordando que a lei é inconstitucional devido ao "vício de iniciativa no processo legislativo".

O parecer de Aras e a possibilidade de uma decisão desfavorável do STF foram considerados "muito ruins" pela equipe econômica, por ameaçar uma lei considerada fundamental para a estabilidade de preços na economia.

O governo chegou a enviar um projeto próprio para instituir a autonomia do BC em abril de 2019, mas o texto ficou parado na Câmara dos Deputados. O governo então decidiu investir na votação de um projeto originalmente apresentado pelo senador Plínio Valério (PSDB-AM). Esse texto foi aprovado no Senado e seguiu para a Câmara, onde foi apensado à proposta do governo. Após a votação dos deputados, seguiu para a sanção do presidente Jair Bolsonaro em fevereiro deste ano.

No parecer, Aras afirmou que a inconstitucionalidade atinge a integralidade da lei devido a seu vício de origem. A iniciativa da matéria era privativa do presidente da República.

Na reunião de hoje, segundo apurou o Estadão/Broadcast, Campos Neto argumentou que a autonomia traz impactos positivos para o mercado e para a sociedade e que o País não pode perder a oportunidade de assegurar essa autonomia ao BC. Fux, por sua vez, se mostrou sensível aos argumentos pró-autonomia segundo relatos colhidos pela reportagem.

Também defensor da medida, Guedes já conversou com alguns ministros do STF sobre o tema e pretende buscá-los um a um para mostrar a importância do tema, segundo apurou o Estadão/Broadcast.

Na visão do ministro, a autonomia do BC é importante para afastar a autoridade monetária de risco de ingerência política ou populismo com juros. No governo Dilma Rousseff (PT), um "cavalo de pau" que reduziu a taxa básica de juros, a Selic, em 2011 levantou receios de que o BC agia na época sob a influência política da então presidente da República.

Há preocupação com o impacto de uma eventual decisão desfavorável do STF, que desmontaria um "trabalho de Estado" feito pela atual equipe econômica para convencer o governo a "abrir mão" do BC.

O relator do caso é o ministro Ricardo Lewandowski. Como mostrou o Estadão, Lewandowski avalia enviar a ação ao plenário virtual da Corte, uma plataforma online que permite a análise dos casos sem maiores discussões entre os magistrados. Isso porque o plenário "físico" tem estado "muito congestionado" com outros temas, como o prazo de patentes e os efeitos da retirada do ICMS da base de cálculo de PIS/Cofins.

Por outro lado, há a avaliação de que a questão tem "certa relevância constitucional", o que poderia ensejar o julgamento ao vivo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies