Menu
2021-02-01T08:58:53-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
relatório focus

Economistas permanecem elevando projeções para inflação em 2021

Boletim Focus mostra ainda que mediana das estimativas para PIB foi ligeiramente elevada e que houve melhora na estimativa para déficit fiscal

1 de fevereiro de 2021
8:58
inflação
Imagem: Shutterstock

O mercado financeiro continuou reajustando para cima suas previsões para a inflação ao final de 2021 e fez um ajuste positivo na estimativa para o crescimento da economia brasileira em 2021.

A expectativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o indicador oficial de inflação do Brasil, é que ele feche o ano em 3,53%, segundo a mediana das projeções coletadas pelo Banco Central (BC), divulgada no Relatório Focus desta segunda-feira (1º).

Na edição passada, os economistas apontaram para um avanço de 3,50% da inflação neste ano. Há quatro semanas, a expectativa era de alta de 3,32%.

As estimativas para o IPCA vêm sendo reajustadas para cima desde que os dados apontaram para uma aceleração da alta dos preços no final de 2020. A situação, inclusive, levou muitos economistas a revisarem as projeções para a alta da taxa básica de juros, a Selic.

O Relatório Focus desta semana mostra que os economistas aguardam que o Comitê de Política Monetária (Copom) feche 2021 estabelecendo a Selic em 3,50%. Atualmente, ela está no menor patamar da história, em 2,00% ao ano.

Para 2022, a expectativa para o IPCA permaneceu em 3,50% pela 79ª semana, enquanto a Selic foi mantida em 5,00% ao ano. Há quatro semanas, a projeções para a taxa básica de juros era de 4,50% ao ano.

No caso do Produto Interno Bruto (PIB), a mediana das projeções subiu pela quarta vez seguida, passando de uma expansão de 3,49% para uma alta de 3,50%. A projeção para 2022 continua sendo de 2,50%.

Dívida líquida

O Relatório Focus desta semana mostra ainda que os economistas mantiveram a projeção para a dívida líquida do País em 2021 e que reduziram a expectativa para 2022.

A estimativa permanece sendo 64,45% do PIB, sendo que há quatro semanas a mediana apontava para uma relação de 66,30%. Para 2022, a perspectiva é de que ela alcance 65,80% do PIB, menos que os 66,60% divulgados no boletim passado.

A expectativa para o déficit primário para 2021 também melhorou – de 2,80% passou para 2,75% –, enquanto a projeção para o resultado nominal em 2021 também foi ligeiramente melhorada, de déficit de 7% para 6,85% do PIB.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal

Rumo aos R$ 6?

Dólar sobe e toca os R$ 5,60; Banco Central faz dupla atuação para tentar segurar o câmbio

Disparada da moeda americana ocorre em meio à fuga de recursos que migram para os títulos públicos americanos, cujos retornos dispararam recentemente

Não gostou

Conselheira da Petrobras critica forma da demissão de Castello Branco

Segundo ela, está havendo uma desintegração vertical e nacional da Petrobras, com a única finalidade de remunerar os acionistas, o que precisa ser mudado.

Esperança

Mundo pode crescer em 2021 mais que 5,5% previstos em janeiro, diz FMI

Kristalina Georgieva também defendeu crédito para empresas e famílias, a partir das circunstâncias de cada país, até a crise de saúde ser superada.

Necessidade econômica

Reação do mercado de trabalho na pandemia depende de condição sanitária, diz IBGE

A população ocupada encolheu em 8,373 milhões de pessoas em um ano, enquanto o total de desempregados aumentou em 2,294 milhões.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies