Menu
2021-02-01T08:58:53-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
relatório focus

Economistas permanecem elevando projeções para inflação em 2021

Boletim Focus mostra ainda que mediana das estimativas para PIB foi ligeiramente elevada e que houve melhora na estimativa para déficit fiscal

1 de fevereiro de 2021
8:58
inflação
Imagem: Shutterstock

O mercado financeiro continuou reajustando para cima suas previsões para a inflação ao final de 2021 e fez um ajuste positivo na estimativa para o crescimento da economia brasileira em 2021.

A expectativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o indicador oficial de inflação do Brasil, é que ele feche o ano em 3,53%, segundo a mediana das projeções coletadas pelo Banco Central (BC), divulgada no Relatório Focus desta segunda-feira (1º).

Na edição passada, os economistas apontaram para um avanço de 3,50% da inflação neste ano. Há quatro semanas, a expectativa era de alta de 3,32%.

As estimativas para o IPCA vêm sendo reajustadas para cima desde que os dados apontaram para uma aceleração da alta dos preços no final de 2020. A situação, inclusive, levou muitos economistas a revisarem as projeções para a alta da taxa básica de juros, a Selic.

O Relatório Focus desta semana mostra que os economistas aguardam que o Comitê de Política Monetária (Copom) feche 2021 estabelecendo a Selic em 3,50%. Atualmente, ela está no menor patamar da história, em 2,00% ao ano.

Para 2022, a expectativa para o IPCA permaneceu em 3,50% pela 79ª semana, enquanto a Selic foi mantida em 5,00% ao ano. Há quatro semanas, a projeções para a taxa básica de juros era de 4,50% ao ano.

No caso do Produto Interno Bruto (PIB), a mediana das projeções subiu pela quarta vez seguida, passando de uma expansão de 3,49% para uma alta de 3,50%. A projeção para 2022 continua sendo de 2,50%.

Dívida líquida

O Relatório Focus desta semana mostra ainda que os economistas mantiveram a projeção para a dívida líquida do País em 2021 e que reduziram a expectativa para 2022.

A estimativa permanece sendo 64,45% do PIB, sendo que há quatro semanas a mediana apontava para uma relação de 66,30%. Para 2022, a perspectiva é de que ela alcance 65,80% do PIB, menos que os 66,60% divulgados no boletim passado.

A expectativa para o déficit primário para 2021 também melhorou – de 2,80% passou para 2,75% –, enquanto a projeção para o resultado nominal em 2021 também foi ligeiramente melhorada, de déficit de 7% para 6,85% do PIB.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies