Menu
2021-05-26T18:09:09-03:00
Estadão Conteúdo
LIMITAÇÃO BEM SUCEDIDA

“Brasileiros deixaram de pagar mais de R$ 10 bi de juros do cheque especial”, diz BC

Na avaliação do BC, a limitação do custo do cheque especial foi bem sucedida.

26 de maio de 2021
18:09
Banco Central BC Copom Selic ata
Fachada da sede do Banco Central (BC) em São Paulo - Imagem: Shutterstock

A limitação da cobrança de juros no cheque especial, que começou a valer em janeiro do ano passado, fez com que os brasileiros economizassem mais de R$ 10 bilhões em 2020, informou hoje o Banco Central. O cálculo faz parte do estudo "Cheque especial: avaliação do impacto da limitação da taxa de juros", divulgado nesta quarta-feira, 26, pela autarquia.
Desde 6 de janeiro de 2020, o BC vem aplicando uma limitação dos juros do cheque especial, em 8% ao ano (151,82% ao ano). A intervenção regulatória tinha como objetivo corrigir falhas identificadas no produto, que apresentava elevações de juros mesmo em períodos em que a Selic (a taxa básica da economia) recuava.

Na avaliação do BC, a limitação do custo do cheque especial foi bem sucedida. Para estimar a redução no pagamento de juros pelos tomadores de crédito via cheque especial, a instituição utilizou dois métodos.

No primeiro deles, foi usada a variação de 12 meses da taxa de juros para pessoas jurídicas para estimar qual seria o custo para pessoas físicas caso a regulação do BC não tivesse estabelecido o teto de 151,82% ao ano. "Aplicando-se a taxa estimada para calcular o montante dos juros pagos sobre a carteira ativa, tem-se como resultado uma redução média de R$ 866 milhões mensais. Portanto, estima-se uma redução total de R$ 10,4 bilhões entre janeiro e dezembro de 2020", informou o BC.

A instituição fez o mesmo cálculo considerando que a variação da taxa de juros cobrada de pessoas físicas no cheque especial foi praticamente constante entre agosto de 2016 e dezembro de 2019.

"Assim, a taxa de juros de um dado mês em 2020 é calculada aplicando-se a variação média para esse mês ocorrida nos dois anos anteriores à taxa de juros de 2019. A diferença entre o montante dos juros efetivamente cobrados e o montante estimado para o caso de não edição da norma é de, aproximadamente, R$ 1 bilhão por mês, totalizando uma redução de R$ 11,6 bilhões entre janeiro e dezembro de 2020", explicou o BC.

Por ter limitado, de um lado, a cobrança de juros no cheque especial, o BC havia aberto a possibilidade de os bancos cobrarem, de outro lado, tarifas para ofertar limites maiores a seus clientes. No fim de abril, no entanto, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que esta cobrança era inconstitucional.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O melhor do Seu Dinheiro

A rima das commodities, último capítulo da novela da MP da Eletrobras e outros destaques

A história não se repete, mas rima. Se Mark Twain fosse um analista do mercado financeiro, provavelmente seria um grande especialista em ciclos econômicos. Logo no começo da crise da covid-19, quem ousasse falar em investir em commodities ou ações de empresas produtoras de matérias-primas seria taxado de louco. As cotações de todas elas — […]

SINAIS DO BC

COMPARATIVO: Veja o que mudou na ata da reunião do Copom

Veja o que mudou e o que permanece igual na ata da última reunião do Copom — o BC elevou a Selic em 0,75 ponto percentual, para 4,25% ao ano

Outro escorregão

Bitcoin perde os US$ 30 mil, menor patamar desde janeiro; Confira como anda o mercado cripto

Isso motivou a queda das dez principais criptomoedas do mercado, em especial do Dogecoin, que cai quase 25%

Percepção positiva

Abegás defende contratar térmicas e diz que MP da Eletrobras é ‘alavanca’ para mercado de gás

A associação afirma que a MP irá contribuir para geração de renda, com distribuição de royalties e fundo de participação, impulsionando a economia e gerando empregos

Cabo de guerra

Cresce movimento contrário à divisão da Oi Móvel entre Vivo, TIM e Claro

Empresas concorrentes e associações reforçam tese de que o mercado e a infraestrutura de serviços de telecomunicações ficarão com alta concentração

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies