Menu
O melhor do Seu Dinheiro
Victor Aguiar
2021-06-11T20:30:41-03:00
seu dinheiro na sua noite

Nadal, Djokovic e o match point do Ibovespa

11 de junho de 2021
20:30
Bola de tênis na rede

A TV está sempre ligada enquanto eu trabalho. Geralmente num jornal ou num canal de notícias — eu vou fazendo as minhas coisas, mas sempre com olhos e ouvidos atentos para a segunda tela.

Excepcionalmente hoje, estou desde o começo da tarde rodando pelos canais de esportes. Afinal, não há notícia no mundo que se equipare a uma semifinal de Roland Garros entre Rafael Nadal e Novak Djokovic.

Eu adoro tênis e Nadal x Djokovic é quase garantia de bom jogo. Pontos disputados, ajustes de estratégia, ritmo alucinante — é uma experiência quase terapêutica assistir mais um capítulo da rivalidade.

A bolinha vai, a bolinha volta. Centenas, milhares de vezes, por horas e horas. É um xadrez físico e mental, jogado por dois dos melhores da história.

De certa maneira, o tênis me lembra um pouco o mercado de ações. Acompanhar o sobe e desce do Ibovespa em tempo real é como ver a bolinha cruzando a rede numa partida bem acirrada. Centenas, milhares de vezes, por horas e horas.

Cada notícia corporativa é um voleio; cada índice macroeconômico, um golpe de direita; cada oscilação dos preços das commodities, uma deixadinha. E assim o jogo vai se desenhando: entre paralelas e erros não-forçados, o placar é construído.

Nesta semana, o Ibovespa jogou na quadra da inflação — um piso difícil, como a terra de Roland Garros. O IPCA mais alto deixou o quique da bola irregular; resta saber se o Banco Central vai conseguir ajustar seus golpes com a Selic para superar a dificuldade.

Essa incerteza quanto ao comportamento do Copom afetou o Ibovespa, que vinha de vitória atrás de vitória, recorde atrás de recorde. O saldo da semana foi negativo para a bolsa brasileira, enquanto o dólar subiu e se afastou da marca de R$ 5,00.

A Jasmine Olga esteve sentada na primeira fila e acompanhou todos os detalhes da partida na B3 — o resumo do pregão de hoje e da semana na bolsa está nesta matéria.

PS: Enquanto eu escrevia esse texto, Novak Djokovic fechou a partida e venceu Rafael Nadal por 3 sets a 1, parciais de 3/6, 6/3, 7/6 e 6/2. A final será domingo, contra Stefanos Tsitsipas. 

MERCADOS

 O departamento de TI da B3 anda trabalhando dobrado nos últimos dias. Apenas um mês após o problema com as ações PN e ON da Modalmais, a operadora da bolsa relatou uma nova instabilidade. Veja quais ativos poderão ser afetados.

 E, como se não bastasse a pane no sistema, a B3 ainda enfrenta um outro problema: os calotes. A empresa divulgou hoje sua maior lista de inadimplentes do ano, com 37 páginas e cerca de 1.500 nomes.

EMPRESAS

 A fusão operacional entre Lojas Americanas e B2W, aprovada ontem pelos acionistas, anda confundindo a cabeça dos investidores. O Renato Carvalho conversou com analistas para entender a operação e conta o que mudará para os papéis da “nova e velha” Americanas.

 Depois da oferta frustrada pela Cia Hering, a Arezzo voltou ao mercado e, desta vez, conseguiu fechar a compra da BAW. Apesar de um balanço com números modestos, a marca é a queridinha dos influencers e vai incrementar a presença digital da empresa.

 Quem também se animou com as compras foi a XP. Uma semana após anunciar a aquisição de parte da Giant Steps, a corretora abocanhou outra participação, desta vez na Capitânia Investimentos. Saiba mais.

 A Petrobras surpreendeu o mercado hoje com uma redução no preço da gasolina. O movimento, que ocorre em meio à alta do petróleo e deixa os preços da estatal abaixo do mercado internacional, não foi bem recebido pelos investidores e levou a uma queda nas ações.

 Se, por um lado, sua política de preços anda azedando o humor do mercado, a empresa agradou ao informar que assinou um contrato bilionário. A estatal será fornecedora de uma nova plataforma no campo de Búzios — a entrega está prevista para 2025.

ECONOMIA

 Parece que o resultado do PIB brasileiro no primeiro trimestre operou uma verdadeira transformação na visão dos analistas estrangeiros sobre o país. O Bank of America revisou para cima suas projeções de crescimento econômico e elevou a recomendação de exposição ao Brasil.

 O petróleo foi um dos ativos a sofrer com os impactos da covid-19. Mas, de acordo com a Agência Internacional de Energia, o apetite global pela commodity deverá retornar a níveis pré-pandemia até o fim do ano que vem.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua manhã". Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies