Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-11T10:55:27-03:00
Larissa Quaresma
Larissa Quaresma
Analista de Investimentos da Carteira Empiricus e estrategista do Oportunidades ESG. Experiência no equity research da Núcleo Capital e no investment banking do Credit Suisse. Portadora do Certificado de Gestores ANBIMA (CGA), do Certificado Nacional do Profissional de Investimento (CNPI), graduada em Administração de Empresas pelo Ibmec-MG e aluna visitante da Universidade de Stanford
Exile on Wall Street

Larissa Quaresma: ofereço uma Bolsa para quem quiser tocar

11 de junho de 2021
10:55
IPO B3 Bonde
B3, localizada no centro de São Paulo, capital. - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Bastou a saída de um conselheiro para transformar um monopólio em uma competição perfeita. Assim, de repente. 

Desde essa movimentação, o papel da B3 (B3SA3) caiu quase 10% em menos de duas semanas.

O poder das conclusões levianas insiste em me surpreender.

A Bolsa brasileira já passou por poucas e boas.

Hiperinflação, Plano Real, marolinha, impeachment, meu malvado favorito, mito, primeira onda, segunda onda...

Ufa!

Através de tudo isso, a B3 nunca teve a honra de enfrentar um adversário. Não no Brasil, pelo menos.

Até que, num belo dia, um conselheiro da empresa renunciou.

Daí um banco soltou um relatório dizendo – especulando – que o movimento foi causado pelos planos da XP de abrir uma Bolsa concorrente.

Como se não bastasse, o tal banco ainda é gringo, então a pseudobomba atingiu os investidores estrangeiros comprados em B3SA3 diretamente no fígado.

Fazer um ambiente de negociação de ativos até vá lá. Esse âmbito gera comissões correspondentes a cerca de 10% da receita da B3.

Mas a Bolsa tem um outro papel, sistêmico, tão estimado pelo nosso BC. É função de contraparte central.

Funciona assim: se você comprar uma ação e depois der calote na sua corretora, esta tem que honrar o compromisso de pagamento feito em seu nome junto à B3. Se a sua corretora, por sua vez, der calote na B3, esta tem que arcar com o pagamento da contraparte final, a outra corretora que vendeu o papel em nome do cliente dela.  

As comissões decorrentes dessa atividade, no fundo compensações pelo risco assumido pela Bolsa, correspondem a quase 70% da receita da B3.

Abraçar esse risco é muito diferente de assumir a inadimplência de um tomador de crédito pessoal com garantia. 

Imagine um cenário de estresse, pós-euforia. Traders alavancados até o talo, chega uma crise, a Bolsa cai. Então, as corretoras começam a cobrar o pagamento dos empréstimos contraídos pelos traders. E uma parte destes dá calote na corretora. Algumas corretoras ficam sem recursos pra pagar a Bolsa. Aí a B3 precisaria assumir um tsunami de prejuízo sistêmico. 

É um cenário extremo, mas os reguladores pensam nele também na hora de conceder (ou não) autorização de funcionamento para uma Bolsa. E, certamente, novos entrantes também consideram esse panorama (ou deveriam considerar).

Esse risco justifica, até certo ponto, o monopólio orgânico que a B3 construiu sobre o mercado volátil e emergente que é o Brasil.

Tudo bem. 

Imagine, agora, um outro cenário, tão inusitado quanto.

Mesmo assim, alguém decide mergulhar nesse risco.

E aí, é o fim pra B3? 

O mercado de capitais brasileiro é muito menor que seu potencial. As contas de pessoa física registradas para investimento direto em ações representam menos de 3% da população. Nos EUA, são mais de 15%.

Esse mercado ainda tem muito a crescer por aqui.

E se crescer a ponto de ficar grande o suficiente para absorver uma nova Bolsa, como foi o caso australiano um tempo atrás, tudo bem. 

O bolo cresce tanto que se dividir em mais fatias ainda fica mais pra cada um. 

Você prefere 100% de migalhas de pão ou 10% de um banquete? Eu fico com a segunda opção.

Enfim... 

Ofereço uma Bolsa para quem quiser tocar.

A oportunidade está aí, a competição é dada.

Quero ver quem aparece pro show.

Um abraço,
Larissa

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

GÁS NA TRAMITAÇÃO

Projeto de lei pode conter alta dos combustíveis, mas precisa ser aprovado ainda este ano, defende relator

A medida, que cria um programa de estabilização do valor do petróleo e derivados, foi a forma encontrada para amenizar a alta dos preços sem interferir na política da Petrobras

CARNE FORTE

Marfrig sobe mais de 5% hoje, mas ainda deve saltar 60% nos próximos meses, projeta Bank of America

O Bank of America recalculou as projeções financeiras para o próximo ano e vê a empresa lucrando muito mais do que o previsto no cálculo anterior

DESTAQUES DO DIA

Varejo abaixo do esperado derruba Magazine Luiza (MGLU3), mas companhias aéreas sobem forte com vacinas eficazes contra a ômicron

Enquanto o Magalu recua mais de 8%, as empresas do setor aéreo aproveitam para engatar uma recuperação

bitcoin (BTC) hoje

O rali de fim de ano do bitcoin (BTC) derrapou. E você, novato em criptomoeda, pode ser o culpado

O movimento de queda do bitcoin das últimas semanas veio dos novos investidores em cripto, chamados de short-term holders, segundo a Glassnode

DE OLHOS BEM FECHADOS

O IPO do cheque em branco chega ao Brasil: Alvarez & Marsal quer fazer oferta pública para lançar Spac na B3

Modalidade existe há mais de 20 anos nos EUA, mas ainda é inédita no Brasil; entenda como funciona

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies