Menu
2021-01-18T16:24:27-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Rankings

Os fundos imobiliários mais rentáveis dos últimos cinco anos

Saiba quais foram os FII com maiores retornos de dividendos e com as maiores valorizações na bolsa no longo prazo

18 de janeiro de 2021
16:24
Imóveis
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Em tempos de juros baixos, os fundos imobiliários despontam como alternativa interessante de rentabilidade, tanto para quem busca valorização para aumentar seu patrimônio quanto para quem quer uma fonte de renda recorrente.

Com nível de risco menor que as ações, retornos isentos de imposto de renda e características que os colocam no meio termo entre renda fixa e variável, os FII estão caindo no gosto dos brasileiros e atraindo cada vez mais cotistas.

Mas assim como o investimento em ações, o investimento em fundos imobiliários também tem uma característica de longo prazo, seja para que o investidor consiga usufruir de uma renda recorrente, seja para que haja tempo para uma valorização sólida das cotas, suavizando-se a volatilidade de curto prazo.

Assim, verificar um histórico de rentabilidade maior também dá uma ideia da consistência dos retornos, uma vez que os fundos mais voláteis podem ter grande variação no pagamento de rendimentos ou no preço das cotas de um ano para outro.

A Economatica divulgou hoje um levantamento com os fundos imobiliários do IFIX mais rentáveis dos últimos cinco anos. O IFIX é o Índice de Fundos Imobiliários, que reúne os FII mais negociados da bolsa.

Os fundos imobiliários que pagaram os maiores retornos de dividendos

O primeiro ranking traz os fundos do IFIX com melhor mediana de dividend yield (retorno de dividendos) nos últimos cinco anos. Para fazer parte da amostra, o FII precisa ter pago dividendos no período e fazer parte da carteira atual do índice. Confira os dez maiores retornos:

Segundo a Economatica, apenas 33 dos 86 FII da atual carteira do IFIX estão presentes no mercado há mais de cinco anos. Destes, o maior retorno mediano foi o do fundo Mérito Desenvolvimento Imobiliário (MFII11), conforme a tabela, e o menor foi o do fundo Rio Bravo Renda Corporativa (RBRC11), com dividend yield mediano de 4,80% ao ano no período.

A lista dos maiores dividend yields até que é bem variada, incluindo um fundo de desenvolvimento imobiliário (MFII11), um fundo de agências bancárias (BBFI11B), um fundo de shoppings (FIGS11), um de instituições de ensino (RBED11) e dois de lajes corporativas (XPCM11 e SPTW11).

Mas o segmento com maior número de representantes no ranking é aquele com menor volatilidade na bolsa e que tem o costume de remunerar os cotistas todos os meses de forma paulatina, o de recebíveis imobiliários (fundos de papel). Eles investem em títulos de renda fixa ligados ao mercado imobiliário, como CRI e LCI. Os FII CPTS11, BCRI11, HGCR11 e VRTA11 pertencem a este grupo.

Mas analisar somente os dividendos pode ser enganoso, pois nem sempre um aumento no percentual de retorno reflete uma alta nos rendimentos distribuídos. Às vezes pode apenas significar que as cotas se desvalorizaram muito na bolsa.

Por isso, a Economatica fez um segundo ranking, considerando o retorno total dos fundos (valorização das cotas em bolsa + dividendos reinvestidos no próprio fundo) e apenas os FII da atual carteira do IFIX cujas cotas se valorizaram na bolsa em todos os últimos cinco anos. Neste caso, a lista diminui para apenas 11 FII. Confira o ranking da maior para o menor retorno mediano anual:

O campeão foi o CSHG Prime Offices (HGPO11), cujo retorno total mediano foi de 28,12% em cinco anos. O maior retorno ocorreu em 2019 (36,86%), enquanto que o menor se deu em 2020 (6,20%).

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Embarque imediato

Depois de incorporação, acionistas da Smiles aprovam saída do Novo Mercado

Além disso, assembleia votou a destituição do conselho de administração e a eleição de novos membros, inclusive do presidente

Procuram-se semicondutores

Falta de chips adia recuperação da indústria automobilística

O setor deve perder a chance de recuperar mercado no segundo semestre, período em que tradicionalmente se vendem mais carros

Mais uma na bolsa

Investindo no banco de investimentos: BR Partners sobe forte na estreia na bolsa

A BR Partners, banco de investimentos independente, concluiu seu IPO e estreou na bolsa nesta segunda — e a recepção do mercado foi boa

Tela azul

O “selo Buffett” no Nubank, a falha da Coca-Cola com CR7 e uma fraude no setor de tecnologia; confira os destaques da edição #37 do Tela Azul

Richard Camargo, André Franco e Vinícius Bazan comentam os principais assuntos no mundo das techs em papo descontraído e reforçam o convite para o evento que vai revelar as ações de tecnologia mais promissoras do momento

Bola rebola

Show das poderosas: Nubank estreia dueto com Anitta e cala os críticos com primeiro lucro

Fintech que já vale US$ 30 bilhões tem primeiro resultado positivo na história e anuncia contratação da cantora para compor o conselho de administração

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies