Tudo o que você precisa saber para a sua declaração do IR 2023 ESTÁ AQUI

Cotações por TradingView
2021-06-01T02:04:44-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Balanço do mês

Bolsa é o melhor investimento de maio, com alta de 6%; bitcoin amarga lanterna

Enquanto o Ibovespa atingiu os 126 mil pontos, bitcoin despencou quase 40%

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
1 de junho de 2021
5:30 - atualizado às 2:04
Touro com óculos na frente do logo da B3, bolsa brasileira | Ibovespa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Pelo terceiro ano consecutivo, a Maldição de Maio não "pegou" nos mercados locais. Ao contrário. Maio de 2021 foi um mês excelente para a bolsa brasileira, levando o Ibovespa a novos recordes. Tanto que as ações foram os melhores investimentos do mês.

O principal índice da B3 terminou maio em uma nova máxima de fechamento, aos 126.215 pontos, acumulando uma alta de 6,16% no mês. Com isso, o Ibovespa também se torna um dos melhores investimentos do ano, com ganho acumulado de 6,05%.

Por outro lado, o ativo mais rentável de 2021, entre os que acompanhamos, teve o segundo mês seguido de baixa, e desta vez foi um tombo daqueles: o bitcoin despencou quase 40% apenas em maio, terminando o mês cotado a US$ 37.271,80, depois de ter chegado a superar os US$ 60 mil em abril. Em reais, a criptomoeda fechou cotada abaixo de R$ 200 mil. No ano, porém, ainda acumula alta de quase 30%.

Os melhores investimentos de maio

Inflação e commodities

A alta dos preços das commodities e o temor em relação às pressões inflacionárias no Brasil e nos Estados Unidos deram a tônica do mês para os ativos de risco.

Com o avanço da vacinação no mundo e o retorno gradativo à vida normal, as economias se recuperam, com destaque para China e EUA. Vemos uma forte demanda por commodities, com destaque para o minério de ferro, que chegou a ultrapassar os US$ 200 por tonelada em maio, impulsionando as ações da Vale, de grande peso no Ibovespa. Os papéis da mineradora subiram mais de 5% no mês.

Durante o mês, os Estados Unidos apresentou dados econômicos e de inflação mistos, que demonstraram que a economia americana já mostra uma formidável recuperação com alguma pressão inflacionária, mas ainda de forma incompleta e desigual.

Outros dados - como os de emprego - também mostraram que talvez o Federal Reserve tenha mesmo razão quando reafirma que os juros ainda têm de se manter baixos e os estímulos à economia, elevados. A recuperação é boa, mas não tão boa, e a inflação pressiona, mas não a ponto de preocupar e motivar uma elevação prematura de juros.

Este cenário de recuperação gradativa, que exige juro baixo ainda por um bom tempo, contribuiu para aumentar o apetite a risco, levando para cima os preços das ações e beneficiando as bolsas emergentes. Também serviu para tirar pressão do dólar, dado que a liquidez global deve realmente continuar elevada.

A moeda americana se desvalorizou globalmente e perdeu quase 4% do seu valor ante o real, fechando o mês a R$ 5,22. A queda do dólar com a grande quantidade de estímulos, a pressão inflacionária e a alta das commodities contribuíram também para o avanço do ouro no mês, que zerou suas perdas no ano.

Por aqui também há uma preocupação - talvez mais forte - com a inflação. A economia já exibe alguma recuperação, o que é bom, mas está longe do ideal, dado que a situação da pandemia e a vacinação no Brasil andam bem piores que nos países desenvolvidos.

A inflação, entretanto, já levou o Banco Central a iniciar o ciclo de alta nos juros, que em maio foram elevados mais uma vez, de 3,00% para 3,50%. A autoridade monetária já prevê uma nova alta na próxima reunião, com os recentes dados de inflação demonstrando que a diligência do BC faz sentido.

A alta na Selic também contribuiu para fortalecer o real ante o dólar, dado que torna o Brasil mais atrativo para recursos estrangeiros, que ingressam no país para lucrarem com a remuneração ora mais alta dos títulos públicos.

Vimos a alta da Selic e a preocupação com a inflação se refletirem numa alta nos juros futuros, especialmente aqueles de vencimento mais próximo. Com isso, a remuneração dos títulos públicos prefixados e atrelados à inflação aumentou, enquanto seus preços diminuíram (quando os juros desses títulos sobem, seu preço cai e vice-versa).

O inferno astral do bitcoin

O bitcoin, por sua vez, foi do céu ao inferno em uma sequência de acontecimentos que foram derrubando a cotação da criptomoeda ao longo do mês. Mais recentemente, porém, o ativo passou a se recuperar.

Tudo começou quando Elon Musk, fundador da Tesla, afirmou que a companhia deixaria de receber pagamentos em bitcoin em razão da questão ambiental - a mineração de bitcoin consumiria muita energia, sendo uma ameaça ao meio ambiente.

Depois, a China passou a ameaçar a atividade de mineração de criptomoedas, implementando leis na região autônoma da Mongólia Interior para restringir a atividade. O Irã também proibiu mineração em seu território, após o país registrar uma série de apagões devido ao alto consumo de energia elétrica.

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Bolsa agora: Ibovespa sobe com commodities e alívio sobre bancos no exterior; dólar cai

27 de março de 2023 - 7:04

RESUMO DO DIA: A semana começa com o renascimento da expectativa de que a proposta de âncora fiscal seja apresentada pelo governo nos próximos dias. O motivo é o adiamento da viagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à China por questões de saúde. No decorrer da semana, o Banco Central estará novamente nos […]

EM BUSCA DA VIRADA

Em tentativa de espantar a má fase, Natura (NTCO3) corta cargos no conselho e propõe mudanças na gestão

27 de março de 2023 - 6:36

Natura vai consultar acionistas sobre diminuição de conselho, reestruturação nas diretorias e remuneração de executivos

BALANÇADA

Relembre o que fez o Ibovespa cair 3% e o dólar subir na semana passada — e como isso pode influenciar o índice brasileiro nos próximos dias

26 de março de 2023 - 11:58

Apesar de o dólar ter tido uma leve alta de 0,37% no período, a moeda norte-americana chegou a tocar o patamar de R$ 5,32

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda da semana: Inflação nos Estados Unidos e Zona do Euro é destaque, enquanto Brasil espera por âncora fiscal e dados do desemprego

26 de março de 2023 - 8:00

Os dados de desemprego no Brasil e a viagem do presidente Lula à China compõem o panorama doméstico junto com a regra fiscal

FIIs hoje

Fundo imobiliário com 67 mil cotistas vende mais de R$ 200 milhões em ativos para pagar dívidas e cotas disparam na B3

24 de março de 2023 - 15:07

O FII em questão vende pouco mais de 9,1 metros quadrados em Área Bruta Locável (ABL), com ganho de capital de R$ 0,41 por cota

MERCADOS HOJE

Bolsa agora: Ibovespa ganha fôlego e sobe 1%, mas volta a fechar abaixo dos 100 mil pontos; dólar cai na semana

24 de março de 2023 - 7:04

RESUMO DO DIA: O último pregão da semana tinha tudo para ser negativo, uma vez que a prévia da inflação veio acima do esperado e os humores em Brasília parecem longe de um ambiente de paz. Mas, os investidores optaram por um movimento de recuperação. Ontem, o principal índice da bolsa atingiu as mínimas em […]

MERCADOS HOJE

Bolsa agora: Ibovespa cai mais de 2% e fecha abaixo dos 100 mil pontos; dólar sobe mais de 1%

23 de março de 2023 - 7:16

RESUMO DO DIA: O Federal Reserve elevou os juros em 0,25 ponto percentual (pp), como o esperado pelo mercado. Porém, o comunicado após a decisão chacoalhou as estruturas das bolsas pelo mundo ontem, o que levou a um movimento de correção das bolsas americanas hoje. No Brasil, a decisão de estabilizar a Selic em 13,75% […]

ESPECIALISTAS RESPONDEM

Calotes assustam investidores de fundos imobiliários, mas será que há motivo para pânico com a inadimplência?

22 de março de 2023 - 17:46

Os pagamentos atrasados preocupam ainda mais em um contexto de juros altos, que torna mais pesado o serviço da dívida para empresas de todos os setores

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies