Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Os melhores fundos imobiliários para investir em junho segundo 6 corretoras - Seu Dinheiro
Menu
2020-06-10T03:45:04-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
FII do mês

Os melhores fundos imobiliários para investir em junho segundo 6 corretoras

Apenas um FII foi citado por mais de uma corretora em junho, e já é um habitué dos nossos top 3

10 de junho de 2020
5:30 - atualizado às 3:45
Selo de melhores fundos imobiliários do mês
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os fundos imobiliários continuaram se recuperando em maio, um mês em que os mercados ficaram otimistas com a reabertura das economias pós-pandemia, voltando a beneficiar os ativos de risco.

O Índice de Fundos Imobiliários (IFIX) teve alta de 2,08% no mês, menos, porém do que a valorização de 4,39% em abril. O movimento de alta continua em junho, e até agora o IFIX já subiu 5,07% no mês. No ano, o índice ainda recua 12,67%.

O segmento que vem se recuperando mais rapidamente é o de galpões logísticos. No mês passado, vimos, ainda, a retomada das atividades em alguns shopping centers e a implantação do plano de reabertura da economia no estado de São Paulo.

Apesar dessas boas notícias para o setor imobiliário, muitos analistas ainda demonstraram cautela dos relatórios das carteiras recomendadas para o mês de junho.

O Banco Inter, por exemplo, diz esperar que a redução nos dividendos dos FII observada em abril e maio se mantenha nos próximos meses. Entretanto, diz o relatório, "a rentabilidade de longo prazo permanece atrativa em relação a outras classes de ativos."

Para o Inter, a queda nas cotas dos fundos imobiliários foi muito significativa, e um retorno médio esperado próximo de 5% ao ano ainda é atrativo num cenário de Selic a 3% ao ano.

"No longo prazo, a classe de ativos tem potencial de retorno ainda superior com a retomada da economia e a recuperação dos aluguéis", diz o relatório assinado pela analista e economista-chefe do banco, Rafaela Vitória.

A Mirae, por sua vez, se mostrou cautelosa em relação ao segmento de lajes corporativas, mas otimista em relação aos demais segmentos, inclusive o de shoppings.

"Para o setor de lajes corporativas, esperamos aumento de vacância e não estamos colocando ativos desse segmento na nossa carteira no momento. Seguimos otimistas com os segmentos de galpões de logística, CRIs e de shopping centers", diz o relatório, assinado pelos analistas Pedro Galdi e Fernando Bresciani.

O FII preferido para o mês de junho

Neste mês, seis corretoras enviaram os três fundos imobiliários preferidos das suas carteiras recomendadas. O Banco Inter voltou a participar, mas a Necton não enviou os seus a tempo para o fechamento desta matéria.

Apenas um fundo imobiliário recebeu mais de uma indicação em junho: o BTG Pactual Fundo de Fundos (BCFF11), um habitué nos top 3 das corretoras. O FII do mês foi indicado por três corretoras: Guide, Mirae e Terra.

Duas corretoras mantiveram seus top 3 inalterados em relação ao mês passado: Ativa e Terra Investimentos.

A Guide trocou todos os integrantes do seu pódio, substituindo CSHG Renda Urbana (HGRU11), Bresco Logística (BRCO11) e Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11) - que, no entanto, se mantêm na carteira recomendada geral do mês - por Valora RE III (VGIR11), BTG Pactual Logística (BTLG11) e BTG Pactual Fundo de Fundos (BCFF11).

O Santander manteve o Vinci Offices (VINO11) no top 3 e trocou o Vinci Logística (VILG11) e o CSHG Renda Urbana (HGRU11) - que ainda se mantêm na carteira geral - pelo Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11) e o CSHG Recebíveis Imobiliários (HGCR11).

Finalmente, a Mirae trocou apenas o CSHG Real Estate (HGRE11) - que já havia sido tirado da carteira geral durante o mês de maio - pelo Kinea Renda Imobiliária (KNRI11).

BTG Pactual Fundo de Fundos (BCFF11)

Assim como nos meses anteriores, o BCFF11 apareceu no top 3 das corretoras Mirae e Terra Investimentos, tendo sido acrescentado aos prediletos da Guide. Também figura na carteira geral para junho da Ativa , embora não apareça no top 3 dessa corretora.

Trata-se de um fundo de fundos, cujas maiores participações são nos FII CSHG Renda Urbana (HGRU11), com 10,5% da carteira; BTG Pactual Crédito Imobiliário (BTCR11), com 9,7% da carteira; e BTG Pactual Shoppings (BPML), com 6,1% da carteira.

Com as fortes quedas dos FII na bolsa em março, o BCFF11 aproveitou os preços baixos para fazer aquisições no mercado secundário, utilizando recursos em caixa obtidos com oferta de cotas recente. Atualmente, o foco maior do fundo é em FII que possam se valorizar na medida em que os preços das cotas se recuperem e convirjam para o seu valor patrimonial.

Segundo a Guide, o desempenho dos rendimentos do fundo permanece abaixo do seu potencial, uma vez que os fundos de shoppings, que compõem 6,5% do Patrimônio Líquido do fundo, não estão distribuindo rendimentos.

Em maio, o BCFF11 caiu 0,76%. No ano, o fundo acumula queda de 8,43%.

Carteiras recomendadas completas das corretoras

As corretoras mexeram pouco nas suas carteiras gerais para junho, relativamente a maio. Apenas Guide e Santander fizeram alterações.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Bolsa em alta

Petrobras e Vale têm ganhos firmes e puxam a recuperação do Ibovespa; dólar cai

Dados mais fortes na China deram forças ao setor de commodities, impulsionando as ações da Vale e da Petrobras e ajudando o Ibovespa como um todo

Presidente da Câmara

Câmara deve retomar debate sobre reforma tributária na 4ª, diz Maia

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aguardava a retomada da comissão mista, que reúne deputados e senadores, mas não foi possível, por isso, dará continuidade apenas na Câmara

Lael Brainard

Para diretora do Fed, é excepcionalmente importante admitir que ventos contrários vão durar

Nesse contexto, a diretora Lael Brainard defendeu os apoios fiscal e monetário como cruciais para sustentar o quadro econômico, no contexto atual da pandemia

Projeções para a bolsa

“Não é trivial romper a barreira dos 100 mil pontos do Ibovespa”, diz Beker, do Bank of America

David Beker, chefe de economia e estratégia do Bank of America no Brasil, falou sobre sua visão para a economia global e o comportamento do Ibovespa nos próximos meses

gigante aérea americana

Delta tem prejuízo de US$ 5,7 bilhões no 2º trimestre e estima que levará mais de dois anos para se recuperar

No mesmo período do ano passado, a aérea teve lucro de US$ 1,44 bilhão. Delta diminuiu em 70% a queima de caixa em junho, em comparação aos últimos dias de março. Ações caem 2% em Nova York

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements