2020-01-17T11:51:04-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Há luz no fim do túnel?

Nova diretoria da Oi traz melhora de perspectivas para a empresa, diz BTG

Banco mantém recomendação de compra para ações ordinárias da companhia, com o preço-alvo para os próximos 12 meses em R$ 2 – uma margem de aumento de 124%

16 de janeiro de 2020
11:55 - atualizado às 11:51
Imagem: Shutterstock

Não é de hoje que as coisas estão difíceis para a empresa de telefonia Oi. Em recuperação judicial desde 2016, as ações da empresa tiveram uma desvalorização de 31,2% em 2019. Mas o BTG Pactual acredita que as coisas podem mudar.

Em relatório divulgado nesta quinta-feira (16), o BTG demonstrou otimismo com as mudanças realizadas em outubro do ano passado na companhia. Em dezembro, a Oi informou que o atual presidente, Eurico Teles, irá deixar o cargo em janeiro.

Para o banco, a nova companhia tem um "renovado senso de urgência" para solucionar um dos mais importantes problemas da companhia: o caixa deficitário e sua necessidade de investimentos.

No fim do terceiro trimestre de 2019, a Oi tinha cerca de R$ 2,6 bilhões em caixa e estima-se que tenha terminado o ano com um valor entre R$ 2 bilhões e R$ 2,2 bilhões. Mas, há um desnivelamento entre o valor que a empresa hoje possui e a sua necessidade de investimento. A reversão do quadro deve ser a prioridade da empresa.

"Com o Ebitda baixo e necessidade acelerada de fazer investimentos, nós esperamos que ela vá consumir outros R$ 3,7 bilhões de caixa em 2020 e R$ 2,8 bilhões em 2021"

Mudança de postura

Caso o quadro atual prossiga, a empresa precisará de R$ 6,5 bilhões para cumprir o seu plano de negócios. Desde que assumiu, a nova diretoria tem trabalhado intensamente para aliviar o caixa da empresa, como a captação de R$ 2,5 bilhões em debêntures, a venda de imóveis em Santa Catarina e o recebimento (em 36 vezes) de R$ 669 milhões da Sistel por superávit do plano previdenciário.

A gestão ainda espera concluir a venda de torres no 1º trimestre de 2020, o que pode trazer mais R$ 500 milhões para o caixa. Em setembro, o banco já havia manifestado que uma das saídas para a companhia poderia ser a venda de ativos, que podem chegar ao valor de R$ 7 bilhões.

O BTG acredita que, se concluídas, as vendas de centros de dados e rede de fibra em São Paulo podem ser suficientes para cobrir o caixa em 2020. A expectativa na venda de imóveis de propriedade da Oi também seguem elevadas.

Falando em vendas...

Não são só os imóveis e centros que entram na lista de ativos a serem vendidos. Na sua apresentação de resultados do terceiro trimestre, a Oi disse esperar concluir a venda da sua fatia de 25% na operadora angolana Unitel. A transação deve movimentar R$ 4 bilhões.

Conseguir finalizar a venda tem se provado um grande desafio para a companhia. Mas, no ínicio do ano, o jornal português Expresso publicou uma matéria com o CEO da Sonangol, uma das acionistas da Unitel, confirmando o interesse da companhia em adquirir a operação.

A venda da operação de telefonia móvel da Oi, a quarta maior do país, também é uma das alternativas buscadas pela companhia. Com 37,5 milhões de usuários e 16,4% da participação de mercado, a aquisição da operação é de interesse estratégico para as outras gigantes do mercado. Mas, para negociar confortavelmente e sem pressão, o ideal é que a venda da Unitel seja concluída antes.

Segundo o relatório assinado por Carlos Sequeira e Osni Carfi, o segmento móvel da companhia hoje pode ser avaliado em mais de R$ 15 bilhões (7-8x EV/ EBITDA), já que se trata da eliminação de um concorrente forte no mercado e da oportunidade de consolidação.

Atualmente, o BTG possui recomendação de compra para as ações ordinárias da OI (OIBR3). O preço-alvo para os próximos 12 meses é de R$ 2. Na cotação desta quarta-feira (16), os papéis valiam R$ 0,89 - o que dá uma margem de valorização de 124% para os papéis.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

NOVOS NEGÓCIOS

Google está de olho nas criptomoedas e vai criar unidade de negócio dedicada ao blockchain; entenda o que está por trás da decisão

Antes de se aventurar, gigante de tecnologia assistiu com cautela as movimentações das concorrentes para entrar no mercado de criptomoedas

MELHORA ARTIFICIAL

Pedidos de recuperação judicial caem em 2021 ao menor nível desde 2014

Para os especialistas os números do ano passado não representam uma recuperação econômica, mas uma melhora artificial no ambiente de negócios promovida por políticas públicas pontuais

APOSTA NA SIDERURGIA

A vez da Usiminas: BTG estima alta de mais de 55% para USIM5 nos próximos meses; saiba o que pode impulsionar as ações

Segundo os analistas, a empresa negocia nos múltiplos mais baixos da década e deve surfar na recuperação dos preços do aço

pessimismo nos mercados

Por que a ameaça de conflito entre Rússia e Ucrânia derruba as bolsas mundo afora?

Escalada de tensões entre os dois países levou EUA e Reino Unido a retirarem funcionários de embaixadas na Ucrânia; veja como uma eventual invasão russa ao país pode afetar os mercados