Menu
2020-01-29T13:34:34-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores

Caixa vai fazer “road show” de IPO da Caixa Seguridade em todos os Estados

O banco pretende fazer a abertura de capital das subsidiárias de seguridade e de cartões neste ano. As outras duas unidades – loterias e gestora de fundos – devem demorar um pouco mais

29 de janeiro de 2020
13:34
Pedro Guimarães
Novo presidente da Caixa, Pedro Guimarães - Imagem: Divulgação

Durante uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), os principais executivos da empresa que vai abrir o capital costumam fazer uma série de viagens para encontrar os potenciais investidores. Esse processo é conhecido como “road show” e acontece principalmente fora do país, em locais como Nova York.

Mas o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, revelou hoje que pretende estender o “road show” do IPO da Caixa Seguridade para os 27 Estados brasileiros.

Ele próprio e os demais vice-presidentes do banco público devem se dividir para falar e atrair empresários locais e clientes do banco para a oferta de ações da subsidiária.

O presidente da Caixa disse que pretende colocar o banco na distribuição de ações para o público de varejo. “A Caixa é o banco de todos os brasileiros e isso vale para o mercado de capitais”, disse Guimarães, em apresentação durante evento promovido pelo Credit Suisse, em São Paulo.

O banco tem planos de fazer a abertura de capital das subsidiárias de seguridade e de cartões neste ano. As outras duas unidades – loterias e gestora de fundos – devem demorar um pouco mais.

30 milhões no microcrédito

Guimarães também revelou planos ambiciosos para a linha de microcrédito que será lançada pelo banco. Ele disse que o objetivo é alcançar 30 milhões de clientes e que vai reduzir “fortemente” a taxa de juros do produto.

O presidente da Caixa aproveitou para defender o corte de juros feito pelo banco nas linhas do cheque especial. “Como cobrar 14% ao mês do pobre?” Ele disse que o spread do produto é historicamente alto porque a carteira é pequena.

O executivo também falou sobre a linha de crédito imobiliário com taxas pré-fixadas, que o banco deve lançar nas próximas semanas. Aos jornalistas, Guimarães afirmou que os juros cobrados devem ficar abaixo de 10% ao ano.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies