Menu
2020-03-09T17:15:40-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Corte à vista?

Tombo do petróleo ‘certamente ajuda’ corte da Selic no próximo Copom, diz Goldman Sachs

Antes de queda dos juros, BC teria de ancorar a taxa de câmbio com ‘programa robusto’ e credível de intervenção, diz economista Alberto Ramos

9 de março de 2020
13:19 - atualizado às 17:15
Plataforma de petróleo
Plataforma de petróleo - Imagem: Shutterstock

A cotação do petróleo despencou — e pode levar a Selic junto. Ao menos é o que diz Alberto Ramos, economista-chefe do Goldman Sachs para América Latina.

O tombo da commodity, somado ao temor espalhado pelo coronavírus, reforçou a tensão nas bolsas ao redor do mundo, que hoje operam em fortes quedas. Acompanhe nossa cobertura completa de mercados.

Em face da epidemia do vírus, os economistas já haviam reduzido projeções para o crescimento global, com a expectativa de que os bancos centrais também possam diminuir as taxas de juros para estimular suas economias.

Segundo Ramos, a queda nos preços da matéria-prima, com efeito desinflacionário, também sustenta a hipótese de corte do juro básico no Brasil, inclusive elevando a probabilidade de uma redução já na próxima reunião do Copom, nos dias 17 e 18 de março. A autoridade monetária, no entanto, teria de acalmar os ânimos no mercado de câmbio antes do movimento.

"Certamente ajuda, mas precisa ancorar o câmbio", diz Ramos. Segundo o economista do Goldman Sachs, o BC hoje possui dois objetivos: a ancoragem da taxa de câmbio e o acompanhamento do movimento global de acomodação monetária, a fim de reduzir o choque negativo advindo do surto do novo coronavírus para a atividade econômica.

"O primeiro instrumento seria um programa robusto e credível de intervenção para ancorar o câmbio", diz Ramos. "Isso abriria espaço de manobra para então usar o segundo instrumento: cortar a Selic para dar uma ajuda à tão combalida economia."

No dia 3 de março, em meio ao temor dos impactos do coronavírus na economia, o Goldman Sachs revisou a projeção para a taxa Selic de 4,25% para 3,75% ao fim de 2020. O banco também mencionou chance de 40% de corte de 0,25 ponto no Copom deste mês.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

PRÉVIA DOS BALANÇOS

Os grandões vêm aí: Petrobras e Vale divulgam os resultados; veja o que esperar

Semana será marcada pela apresentação dos resultados de algumas das principais companhias da B3

agenda lotada

Os segredos da bolsa: balanços de pesos-pesados podem manter Ibovespa em alta em semana de Copom

Lá fora, resultados do terceiro trimestre de Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft são destaques, além de decisões de bancos centrais

O GRANDE DRAGÃO VERMELHO

Pandemia deve reforçar poder chinês na economia

Movimento aponta para a continuidade das tensões com Estados Unidos e manutenção da alta demanda por matérias-primas produzidas pelo Brasil

PANOS QUENTES

‘Apresentei desculpas e colocamos ponto final’, diz Salles sobre atrito com Ramos

Salles e Ramos protagonizaram o mais recente atrito dentro do governo, tornado público após chefe do Meio Ambiente se referir ao general como “Maria Fofoca”

ALÍVIO

Mortes por covid-19 chegam ao menor nível desde maio, diz Fiocruz

Média móvel de novos casos ficou em 22.483 no sábado, alta de 11% em relação aos casos da semana anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies