Menu
2020-03-09T17:15:40-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Corte à vista?

Tombo do petróleo ‘certamente ajuda’ corte da Selic no próximo Copom, diz Goldman Sachs

Antes de queda dos juros, BC teria de ancorar a taxa de câmbio com ‘programa robusto’ e credível de intervenção, diz economista Alberto Ramos

9 de março de 2020
13:19 - atualizado às 17:15
Plataforma de petróleo
Plataforma de petróleo - Imagem: Shutterstock

A cotação do petróleo despencou — e pode levar a Selic junto. Ao menos é o que diz Alberto Ramos, economista-chefe do Goldman Sachs para América Latina.

O tombo da commodity, somado ao temor espalhado pelo coronavírus, reforçou a tensão nas bolsas ao redor do mundo, que hoje operam em fortes quedas. Acompanhe nossa cobertura completa de mercados.

Em face da epidemia do vírus, os economistas já haviam reduzido projeções para o crescimento global, com a expectativa de que os bancos centrais também possam diminuir as taxas de juros para estimular suas economias.

Segundo Ramos, a queda nos preços da matéria-prima, com efeito desinflacionário, também sustenta a hipótese de corte do juro básico no Brasil, inclusive elevando a probabilidade de uma redução já na próxima reunião do Copom, nos dias 17 e 18 de março. A autoridade monetária, no entanto, teria de acalmar os ânimos no mercado de câmbio antes do movimento.

"Certamente ajuda, mas precisa ancorar o câmbio", diz Ramos. Segundo o economista do Goldman Sachs, o BC hoje possui dois objetivos: a ancoragem da taxa de câmbio e o acompanhamento do movimento global de acomodação monetária, a fim de reduzir o choque negativo advindo do surto do novo coronavírus para a atividade econômica.

"O primeiro instrumento seria um programa robusto e credível de intervenção para ancorar o câmbio", diz Ramos. "Isso abriria espaço de manobra para então usar o segundo instrumento: cortar a Selic para dar uma ajuda à tão combalida economia."

No dia 3 de março, em meio ao temor dos impactos do coronavírus na economia, o Goldman Sachs revisou a projeção para a taxa Selic de 4,25% para 3,75% ao fim de 2020. O banco também mencionou chance de 40% de corte de 0,25 ponto no Copom deste mês.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies