Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-09T17:15:40-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Corte à vista?

Tombo do petróleo ‘certamente ajuda’ corte da Selic no próximo Copom, diz Goldman Sachs

Antes de queda dos juros, BC teria de ancorar a taxa de câmbio com ‘programa robusto’ e credível de intervenção, diz economista Alberto Ramos

9 de março de 2020
13:19 - atualizado às 17:15
Plataforma de petróleo
Plataforma de petróleo - Imagem: Shutterstock

A cotação do petróleo despencou — e pode levar a Selic junto. Ao menos é o que diz Alberto Ramos, economista-chefe do Goldman Sachs para América Latina.

O tombo da commodity, somado ao temor espalhado pelo coronavírus, reforçou a tensão nas bolsas ao redor do mundo, que hoje operam em fortes quedas. Acompanhe nossa cobertura completa de mercados.

Em face da epidemia do vírus, os economistas já haviam reduzido projeções para o crescimento global, com a expectativa de que os bancos centrais também possam diminuir as taxas de juros para estimular suas economias.

Segundo Ramos, a queda nos preços da matéria-prima, com efeito desinflacionário, também sustenta a hipótese de corte do juro básico no Brasil, inclusive elevando a probabilidade de uma redução já na próxima reunião do Copom, nos dias 17 e 18 de março. A autoridade monetária, no entanto, teria de acalmar os ânimos no mercado de câmbio antes do movimento.

"Certamente ajuda, mas precisa ancorar o câmbio", diz Ramos. Segundo o economista do Goldman Sachs, o BC hoje possui dois objetivos: a ancoragem da taxa de câmbio e o acompanhamento do movimento global de acomodação monetária, a fim de reduzir o choque negativo advindo do surto do novo coronavírus para a atividade econômica.

"O primeiro instrumento seria um programa robusto e credível de intervenção para ancorar o câmbio", diz Ramos. "Isso abriria espaço de manobra para então usar o segundo instrumento: cortar a Selic para dar uma ajuda à tão combalida economia."

No dia 3 de março, em meio ao temor dos impactos do coronavírus na economia, o Goldman Sachs revisou a projeção para a taxa Selic de 4,25% para 3,75% ao fim de 2020. O banco também mencionou chance de 40% de corte de 0,25 ponto no Copom deste mês.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

Seu Dinheiro no Sábado

E a bolsa ainda pulsa: os grandões do Ibovespa brilham e puxam o índice — mas e as demais empresas?

Além do ciclo aquecido das commodities e da entrada de recursos estrangeiros, também vale lembrar o desconto nos ativos domésticos

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) aprofunda queda da semana e é negociado aos US$ 35 mil hoje pela primeira vez em seis meses; criptomoeda já caiu 17% em sete dias

Especialista dá dicas de como sobreviver ao momento de “sangria” do mercado de criptomoedas — e o que não fazer no desespero

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies